Magazine Luiza

quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

Clipe com os clássicos do Super nintendo

O video abaixo conseguiu em 10 minutos reunir os 100 mais famosos games de Super Nintendo (SNES). Se você tem seus 20 e muitos anos, já deve ter jogado todos eles, caso contrário você perdeu estes games épicos e ainda está em tempo de jogá-los:

O preço de uma escapadinha!

O preço de uma escapadinha!
Um sujeito casado volta de uma viagem de negócios na China, onde ele
aproveitou para conhecer algumas garotas de programa.
Dias depois da volta, seu órgão sexual ficou todo verde. Parecia sorvete de
pistache: verde e flácido. Ele esconde isso da mulher do jeito que pode, e
vai consultar um médico. O médico olha o órgão do sujeito e sentencia:
- Ahaa...! Você foi para a China! Não?
- É verdade.
- E conheceu umas garotas de programa!
- É verdade!
- Infelizmente isso não tem cura. Vamos ter que cortar.
O sujeito não acredita no que ouve, e vai consultar outro médico, mas o
diagnóstico é o mesmo.
Em desespero, procura urologistas,especialistas, catedráticos, e todos, sem
exceção, confirmam o diagnóstico.
Arrasado e sem saída, decide confessar suas escapadas à mulher que, depois
de um tremendo 'barraco', se compadece do marido, e o aconselha a procurar
um médico chinês.  Um especialista em urologia na própria China. Afinal eles
devem estar acostumados com esta doença.
O sujeito volta à China, paga uma nota alta de passagem, e marca uma
consulta com o médico mais renomado do país.
Ao examiná-lo, ele dá uma risadinha:
- Hehehehe! O senhor esteve na China lecentemente... Non?
- É verdade.
- E o senhor fez umas bobagens com as galotas... Non?
- É verdade.
- E o senhor foi ver médico basileilo... Non?
- É verdade.
- E médico basileilo lhe disse que telia que cortar... Non?
- É verdade.
- Médico basileilo não sabe nada! Non plecisa cortar.
O sujeito nem acredita! Quase desmaia de tanta emoção.
Sai pulando pelo consultório. Abraça e beija o médico. Seu pesadelo acabou!
- Então, existe tratamento para isso?
- Non... Non... Non plecisa cortar... Cai sozinho! 
 

Edição e publicação de vídeos (Reportagem Estado de Minas)

Um filme por dia  
Facilidade de postar imagens em redes sociais, com auxílio de programas de edição de vídeo e fotos atrai ao universo on-line cada vez mais usuários com uma câmera na mão e uma ideia na cabeça


Publicação: 29/12/2011 - Jornal Estado de Minas - Caderno de Informática - Repórter Anderson Rocha


Com o aumento nas vendas de câmeras fotográficas e smartphones, hoje qualquer um pode filmar e postar uma ideia na internet.  Pode ser, por exemplo, um filme que reflita sobre assuntos importantes, conte uma bela história ou simplesmente faça rir. Isso, com a opção de editar a imagem, recortá-la, colocar música, efeitos e torná-la um vídeo legal, digno de milhares de visualizações.

Apenas para o YouTube são enviadas 45 horas de vídeo a cada minuto.  Se antes apenas os cineastas, os produtores de TV ou pessoas com equipamentos semi-profissionais conseguiam produzir filmagens legais, hoje em dia a coisa toda é bem mais tranquila. Para começar, o próprio YouTube  disponibiliza a edição de vídeos.

O recurso funciona de forma integrada com outros serviços do site, mas nem todo mundo conhece. A edição já é possível diretamente na interface do canal de vídeos on-line, o que facilitou em muito o processo. Isso porque,  antes, depois que o vídeo fosse carregado, não havia como alterar cores, mudar a trilha sonora ou recortar trechos. Era necessário editar tudo de novo e depois postá-lo novamente. O processo era lento, já que hoje em dia quase todas as câmeras digitais filmam em uma quantidade boa de megapixels, em HD ou full HD.

O editor é básico, claro. O serviço, pela internet e com processamento remoto, dificulta, como seria de esperar. Uma das opções em destaque é o botão "Estou com sorte", que corrige automaticamente algumas características do vídeo, como cor e luz. Para mais controle sobre as operações, o usuário pode utilizar outras funções, como girar o quadro, clarear sombras, modificar a saturação de cores e ajustar a temperatura de cor.

O programa permite ainda que sejam corrigidas as cores manualmente e inseridos efeitos como sépia, preto e branco, desenho animado, pixelizar etc. É divertido e pode se tornar um vídeo bonito, com aspecto de antigo, por exemplo, desde que não se exagere no uso dos mesmos, tornando a filmagem uma árvore de Natal em movimento.

Para ir além, um interessante recurso possibilita estabilizar cenas: ao filmar andando a pé ou de dentro de algum veículo em movimento, por exemplo, segurando a câmera na mão, o vídeo tende a tremer. O recurso promete melhorar tal problema – desde que não seja uma tremedeira exagerada. Depois de fazer as alterações, é só clicar em salvar. Ou, então, voltar tudo ao zero.

Esta não é a primeira vez que o YouTube disponibiliza um editor on-line (em 2007, foi experimentado o Adobe Premiere Express, mas sem sucesso). Este parece ser definitivo e uma boa opção.

A atração da publicação instantânea nas redes sociais também anima fotógrafos profissionais e amadores a publicarem seus trabalhos na internet. Tanto que, em apenas 100 dias, o Google+ (plataforma social do Google) recebeu mais de 3,5 bilhões de fotos dos usuários. Já no veterano Facebook são postadas mais de 250 milhões de imagens por dia. Os últimos dados divulgados pela consultoria comScore indicam ainda que houve um crescimento no acesso mundial de páginas relacionadas a fotos de pouco mais de 10 pontos percentuais em 2010, passando de 42,6%, registrados há dois anos, para 52,7%.

A fotógrafa de Brasília, Rita Kessler, de 37 anos, diz ter conseguido vários clientes depois de publicar trabalhos no Facebook, no Flickr e em seu blog. O Facebook também é onde o professor da Escola de Imagem e de cursos de extensão na Universidade Federal de Minas Gerais,  Thiago Theofilo, de 28, publica suas imagens e se relaciona com alunos de fiotografia.

A busca por melhor qualidade das imagens tem animado também os fotógrafos amadores a deixar na gaveta aquela primeira câmera digital de bolso comprada no free-shop e investir na compra de uma semiprofissional. Apesar de mais caras, elas têm um custo-benefício que justifica o investimento, como você confere nesta reportagem.

Pelos caminhos da edição  
O amigável Windows Live Movie Maker é mão na roda para quem começar na área de vídeos. Mas há programas mais sofisticados




A arte-educadora Maeli Silva recorre ao programa da Microsoft para registrar de festas de família a trabalhos dos alunos:
A arte-educadora Maeli Silva recorre ao programa da Microsoft para registrar de festas de família a trabalhos dos alunos: "é básico, simples, mas trava muito"
 Se o Windows veio para facilitar e impulsionar o uso dos computadores pessoais, com um sistema operacional amigável e que simplificou tudo, começou também a popularizar a edição de vídeo, mas não perdeu sua característica de programa básico e com recursos limitados. Ressalva para a versão mais recente do Movie Maker, que tem mais de 60 transições, 18 opções de zoom e 20 efeitos visuais para aplicação. Recursos como corte, separação, fade, cross-fade, dissolução e pixelizar são alguns dos que foram acrescentados para melhorar as montagens. Outra das melhorias é o AutoMovie, que permite aplicar uma montagem automática do vídeo. O atual Movie Maker funciona melhor no Windows 7, como era de se esperar. Outra (esperada) novidade é que o programa agora está melhor para edições de vídeo em alta definição.

Se o hoje chamado Windows Live Movie Maker começou travando mais que tudo, atualmente já consegue se segurar melhor, mas continua de fácil uso e de fraca plataforma, como confirma a usuária Maeli Silva, de 24 anos. A arte-educadora recorre ao programa há cinco anos para editar pequenos vídeos e trabalhos de seus alunos e foi atualizando as versões, ao longo do tempo.

Segundo ela, que usa o programa em um sistema operacional Windows Vista, não é raro que o sistema trave e se percam alguns dados. Para evitar problemas, ela segue sempre salvando os trabalhos. Mesmo assim, aprova o programa da Microsoft. “É ótimo para os leigos. Qualquer pessoa pode fazer uma edição básica. Não há segredo”, conta. Nesses anos, utilizou o Movie Maker para editar vídeos de aniversário da família, de eventos da igreja, de amigos e da empresa em que trabalhou. “Já usei, inclusive, para um projeto na escola onde leciono. Os alunos de 11, 12 anos montaram um roteiro e fizeram um vídeo, em stop-motion (técnica de sobrepor fotografias, uma atrás da outra, criando movimento). Depois, eu editei tudo no programa”, relembra.

OS PODEROSOS Mas há opções para todos os gostos (e bolsos). No mercado profissional de edição de vídeos, em que filmes, programas de televisão e comerciais são editados, há alguns softwares muito utilizados. O mais conhecido é o Première Pro, da Adobe.

Para utilizá-lo, o indicado é ter computadores potentes, senão trava tudo. Como as imagens capturadas por uma câmera geralmente são em HD, os arquivos tendem a ser muito pesados. Mesmo assim, a última edição do Première permite a edição em tempo real: ou seja, a complexidade e a quantidade de vídeos que foram adicionados à linha do tempo rodam quase tão tranquilamente como se já tivessem sido exportados para o computador. E haja complexidade: o programa permite uma infinidade de funções para edição. Se quiser mais, tem: é possível baixar conteúdos e modelos prontos para serem utilizados.

Um outro programa de edição muito utilizado é o Final Cut, da Apple. O software está disponível nas versões Pro e Express, sendo que o Pro possibilita edição não linear de qualquer formato de vídeo compatível com QuickTime. O programa suporta uma grande quantidade de faixas de vídeo e áudio, além de edição multicâmera para cortes de vídeo de múltiplas fontes, além de uma infinidade de efeitos e filtros. Para ter uma ideia do poder de fogo dos programas, o Première Pro foi utilizado na edição de diversos filmes, como Cold Mountain. O Express surgiu como uma versão mais barata do Final Cut (com a mesma interface, mas com menos opções).

A editora profissional Daniela Figueiredo, de 25 anos, trabalha em um programa de TV e nas horas vagas edita vídeos de uma banda, além de curtametragens. O Première e o Final Cut são os programas que considera os melhores para a atividade. “Eles possibilitam uma série de efeitos e recursos, além de trabalharem com todos os formatos de vídeo que costumo utilizar”, conta. E trava? “Eu prefiro usar o Final Cut, pois a plataforma do Mac é mais preparada para a edição, principalmente em HD. Trava menos, dá menos problema”, afirma.

Na carreira da editora profissional, o início foi com o bom e velho Movie Maker. “Eu nunca fiz curso. O programa era fácil de usar. Fui mexendo, mexendo e aprendendo sozinha. Comecei com o Movie Maker, mas achei muito ruim e logo procurei outros. Mas foi bom para começar”, complementa.


Corel lança versão do VideoStudio


Repórter Ataide de Almeida Jr.
 


O VideoStudio traz interface mais limpa e edição fácil para iniciantes (Corel/Divulgação)
O VideoStudio traz interface mais limpa e edição fácil para iniciantes
 Com o aumento das vendas de câmeras fotográficas – só no primeiro semestre foram 5 milhões de unidades no Brasil, segundo a consultoria GfK Retail – e de smartphones, cresce também a quantidade de fotos e vídeos feitos por esses aparelhos. Apenas no YouTube são enviadas 45 horas de vídeo a cada minuto. O serviço recebeu em um mês mais arquivos de vídeo do que os produzidos pelas três principais emissoras dos Estados Unidos em 60 anos.

Diante de um mercado ávido pela imagem, as empresas investem em soluções simples, que facilitam a vida e possibilitam a produção de vídeos como profissionais. O novo VideoStudio Pro X4 cumpre bem a tarefa. O software conta com uma interface simples e aprimorada que acelera o tempo de criação dos filmes. A criatividade também pode ser explorada com novas funções, como a criação de animações em stop-motion – com a possibilidade de ajustar tempo de captura e exposição –, a edição de clipes em alta definição e a transformação dos arquivos de 2D para 3D.

A principal mudança, no entanto, deve agradar àqueles que estão cansados de tanto esperar a finalização de um vídeo. O programa ganhou uma otimização para processadores Intel Core e AMD Fusion da segunda geração, o que permite que até mesmo os vídeos em HD sejam processados, pelo menos, duas vezes mais rápido em comparação à versão anterior. “A preocupação da Corel é trabalhar com a aceleração de hardware. Hoje, como esses sistemas estão ficando melhores, adaptamos o programa para funcionar com processadores mais rápidos, evitando que o usuário fique frustrado com a demora”, explica Fernando Pinto, gerente de produtos da Corel Brasil.

O compartilhamento com as principais redes sociais também ganhou um upgrade. Com alguns cliques é possível colocar o vídeo no YouTube, no Vimeo, no Facebook e no Flickr em formatos SD e HD. Para os que estão começando na edição, mas já não aguentam as limitações dos editores gratuitos, o VideoStudio Pro X4 traz vídeos de treinamento e ainda apresenta dicas para atualizar o produto e baixar complementos e pacotes de mídia.

*O software já está disponível nas principais lojas do varejo em português por R$ 239.


Mais imagens, mais recursos Busca por maior qualidade leva interessados em fotografia a procurar modelos de câmeras mais potentes. Veja as dicas dos profissionais

Publicação: 29/12/2011 04:00

A fotógrafa Rita Kessler, de 37 anos, largou a carreira de professora de inglês e hoje é fotógrafa especializada em capturar imagens de recém-nascidos, crianças e famílias. E é na web que a ex-professora divulga o trabalho. “O Facebook me auxilia muito, porque coloco as fotos e marco as pessoas. Os amigos delas veem e me procuram. Consegui vários clientes dessa maneira. Também uso o Flickr e tenho um blog. São ótimas ferramentas de trabalho”, analisa. O método de divulgação dá resultado. Rita conta que vai regularmente ao Rio de Janeiro para atender clientes que moram lá.

O fotógrafo Thiago Theophilo , de 28, também recorre ao Facebook para divulgar o seu trabalho e manter o contato com alunos, curtindo ou comentando as imagens que eles fazem. Thiago Theo, como é mais conhecido, pretende, em breve, lançar uma fan page para mostrar seus cliques para quem também não é seu amigo na rede. “Hoje a mídia social é uma das melhores meios de venda do meu trabalho. A maioria das pessoas que não são da minha área descobrem o meu trabalho pelos posts do Face”, resume o fotógrafo.

Além das redes sociais, existem páginas, como Instagram e Flickr, que contam com 150 milhões e 6 bilhões de fotos, respectivamente. Os dois têm aplicativos específicos para smartphones, que operam como um espaço social de divulgação de fotos na web. Mas há outros sites com recursos interessantes e que também se prestam ao objetivo. Para Thiago Theo, o Instagram e outros apps como fotografia contemporânea “oferecem liberdade de criação. Você pode registrar, a qualquer momento, o que quiser. O celular não interfere na cena. Não tem necessidade de ser um equipamento profissional para fazer uma excelente foto. Uma imagem que fiz da chuva com o smartphone teve 54 ‘curtir’s e muitos comentários elogiando a fotografia”.

Nesse mundo de imagens, houve também um aumento na busca pela qualidade e pelo conhecimento de técnicas, principalmente sobre edição de fotos, os filtros de luz e efeitos especiais. Entre os programas de edição mais requisitados estão o Photoshop, o Photofiltre e o Photo-brush. Para celular, existem aplicativos como Photoshop Express e Camera360, que dão conta do recado.

CUSTO-BENEFÍCIO Na hora de clicar, nem sempre as câmeras de bolso, também conhecidas como compactas ou caseiras, dão conta de captar as imagens da maneira como se deseja. Por isso, os amantes de fotografia procuram máquinas com opções de recursos adicionais. Apesar de parecer simples, entre um clique e outro vários ajustes definem o resultado final da imagem.

De acordo com estudo realizado pela empresa de pesquisas GFK, as semiprofissionais e profissionais representaram apenas 1% do total de máquinas fotográficas vendidas no país em 2010. Mas a tendência é de que o número cresça, pois somente nos seis primeiros meses de 2011, as vendas de câmeras digitais aumentaram 17% na comparação com o mesmo período de 2010 no Brasil. No mundo, esse índice foi de 4%.

Além disso, de todos os modelos vendidos entre janeiro e junho deste ano, segundo a pesquisa, a maior parte permitia fotografar com resolução acima de 12 megapixels. E entre elas, 43% superavam os 14 megapixels, 30% a mais em relação ao ano passado. O publicitário Tiago Mendes, de 27, comprou recentemente uma Rebel T1I, da Canon, considerada semiprofissional. Fotógrafo amador, procurou um equipamento de mais complexo porque queria melhor qualidade nas fotos. “Escolhi essa máquina porque me pareceu a melhor na relação custo-benefício".

Para Tiago, o aumento de interesse popular por fotografia se deve ao desenvolvimento tecnológico e ao barateamento de câmeras. "As semi-profissionais estão bem mais em conta”, afirma. Dados da GFK confirmam a observação do publicitário. Em geral, o preço médio das digitais caiu 5%.

O publicitário ressalta que não adianta comprar uma semiprofissional sem saber manuseá-la ou estar disposto a aprender. "As pessoas pegam uma máquina e saem clicando, não entendem de fotografia. Recomendo começar aos poucos com câmeras mais simples, para aprender a mexer e descobrir se gosta de fotografar. E, então, adquirir um equipamento melhor", aconselha. (Com Shirley Pacelli)

O publicitário Tiago Mendes, que acaba de comprar uma semi-profissional Rebel T1I, da Canon, recomenda a quem não tem muita experiência começar de baixo, ou seja, experimentar as câmeras mais simples (Dênio Simões/Esp.EM)
O publicitário Tiago Mendes, que acaba de comprar uma semi-profissional Rebel T1I, da Canon, recomenda a quem não tem muita experiência começar de baixo, ou seja, experimentar as câmeras mais simples



CATEGORIAS
Apesar de não existir um consenso a respeito da classificação de câmeras, a indústria as divide em, pelo menos, três categorias: compactas, semi-profissionais e profissionais. No entanto, muitos fotógrafos não gostam do termo semi-profissional e creditam a elas o nome de amadoras. O critério para a diferenciação entre a primeira e as outras duas é que essas permitem a troca de lente, chamada de objetiva.


MOSTRE SEU TRABALHO
Figdig
(http://figdig.com)
» Criado para ser mais que um simples sistema de portfólios, o site tem a missão de unir a comunidade de ilustradores, designers e fotógrafos. A vantagem é enviar fotos em alta definição. Gratuito.

CarbonMade
(http://carbonmade.com)
» Com mais de 410 mil portfólios cadastrados e quase 6,3 mil imagens, não é preciso conhecimento de linguagem para começar a usar. Basta enviar as fotos e escolher o modelo. Gratuito.

Zuinn
(http://zuinn.com.br)
» O site oferece integração com o Flickr, portanto, todas as fotos que caírem na página de fotos vão parar no portfólio on-line. O único problema é que o website é feito em Flash e pode não funcionar em alguns smartphones. Gratuito.

Wixx.com
(http://pt.wix.com)
» A página dá a opção de fazer apenas um portfólio ou um site completo. Se já tem domínio na internet, basta conectá-lo ao Wixx. Gratuito.

Kawek
(http://www.kawek.com.br)
» A plataforma permite cadastrar até 30 álbuns com até 20 imagens, arquivos em Flash ou vídeos. Todo o leiaute pode ser personalizado. Gratuito.

Design Related
(http://www.designrelated.com)
» Com centenas de modelos à disposição para montar o porftólio, a plataforma permite ainda a integração com as principais redes sociais. Gratuito.


EDIÇÃO DE FOTOS
Photoshop Express
(Android e iPhone)
» É o editor de imagens mais conhecido do mundo. O aplicativo é gratuito e oferece opções de ajustes como recortar, alterar exposição, saturação, cor e contraste, além de dispor de efeitos especiais

Photovine
(iPhone)
» Está em fase de teste. Criado pelo Google para concorrer com o Instagram, funciona como uma rede social de fotografias. Permite tirar a foto, editá-la e compartilhá-la

Pano
(iPhone)
» Oferece função de foto panorâmica. À venda na App Store por US$ 1,99

Hipstamatic
(iPhone)
» Aplicativo de estilo retrô. Oferece 10 opções de lentes de câmeras antigas. À venda na App Store por US$ 1,99

Câmera +
(iPhone)
» Oferece flash amplificado, estabilizador, timer, e tira fotos em sequência, além de opções de ajustes e efeitos. À venda na App Store por US$ 0,99

Instagram
(iPhone)
» Funciona como uma rede social de fotografia. Permite tirar fotos, editá-las e compartilhá-las. É sincronizado com o Facebook e o Twitter

Microsoft PhotoSynth
(iPhone)
» Permite criar imagens panorâmicas de 360 graus

Gorillacam
(iPhone)
» O aplicativo oferece recursos como enquadramento de zoom, anti-shake (antitremidas), fotos em sequência e temporizador

Picture Effect Magic
(Android)
» Mesmo na versão gratuita, conta com dezenas de efeitos gráficos. Possui integração com Facebook e Flickr

Camera360
(Android)
» Gratuito, utiliza "modos" de fotos de acordo com o local, a luminosidade e a maneira que se fotografa, o que aumenta a qualidade da imagem. É o mais famoso aplicativo de fotos do Android Market

Vignette
(Android)
» Otimiza o flash e o zoom, traz opção de timer, fotos em sequência e conta com mais de 80 efeitos e 50 tipos de borda. Custa R$ 7, no Android Market

PhotoFunia
(Android)
» Oferece diversas opções de montagem, como estampar o rosto em outdoors e obras de arte, e 133 efeitos curiosos.

Photaf 3D Panorama Free
(Android)
» Permite geração de imagens panorâmicas 360 graus. O dispositivo está entre os mais baixados do Android Market. Também disponível na versão paga, na qual oferece recursos em HD

Photo illusion
(Android)
» O aplicativo oferece edição avançada, com efeitos de recorte e redimensionamento,além de dispor de filtros e permitir compartilhamento on-line

Little Photo
(Android)
» Oferece mais de 70 estilos para retocar fotos, além de corrigir detalhes, inserir brilho e contraste, mudar a cor e envelhecê-la. O aplicativo é gratuito

Toda a obra de Wolfgang Amadeus Mozart para download

Toda a obra de Wolfgang Amadeus Mozart para download
O site http://www.mozart-weltweit.de/mozart00.htm disponibilizou para download legal e para audição on-line, toda a obra do compositor  austríaco Wolfgang Amadeus Mozart, composta por cerca de 700 peças, totalizando mais de 180 horas de música.
 Mozart foi o mais importante e prolífico compositor do período clássico. Suas obras são referenciais na música sinfônica, concertante, operística, coral, pianística e de câmara. Mozart compôs o primeiro concerto aos 11 anos de idade e o último em 1791, ano de sua morte, aos 35 anos. Entre suas obras estão 41 sinfonias; 19 missas (incluindo o Requiem); 27 concertos para piano; concertos para trompas, flauta, oboé, clarineta, fagote e harpa, 12 árias de concerto; 13 serenatas; 50 canções para voz e piano e 24 óperas, com destaque para "A Flauta Mágica" "Idomeneo", "Don Giovanni" "O Rapto do Serralho" "Cosi Fan Tutte" e "As Bodas de Fígaro". Para fazer o Download basta clicar sobre a opção desejada, com o botão direto do mouse pressionado, e mandar salvar. Para acessar: http://bit.ly/YzFvN. Endereço alternativo: http://bit.ly/8kjcde

quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

Na Fila do banco.

É por essas e por outras que eu sempre coloco minhas contas no débito automático...


O Natal de algumas pernosalidades...

Propaganda da DirectTV no exterior... eu gostei! :-)

Tendencias de 2012 para a internet e o mundo tecnológico

Anos intensos  
O poder de mobilização das redes sociais e a forte presença dos smartphones e tablets no mercado de equipamentos foram realidades em 2011 que vão se consolidar em 2012


Publicação - Estado de Minas Caderno de informática 22/12/2011 - Repóteres Silas Scalioni e Shirley Pacelli

Com a bola de cristal em mãos, especialistas tentam adivinhar como será, tecnologicamente falando, 2012. Se seguir o que foi 2011, com certeza será também um ano intenso. Tratando-se de internet, essa verdadeira caixinha de surpresas, na definição mais clichê (e também mais sincera), tudo é possível. Apesar dessa constatação, há quem se arrisque e faça previsões com base nas tendências que despontaram neste ano. Um divertido trabalho da ABI Research divulgou a lista do que não irá ocorrer em 2012. Entre elas, o instituto aposta que a afirmação “num futuro próximo as pessoas terão sua primeira experiência na internet por meio do celular” é uma grande balela. Em tempos em que notebooks e tablets ficam cada vez mais acessíveis, navegar na web somente pelo aparelho se torna inconveniente. A empresa também acredita que não será no ano que vem que a tecnologia 4G (LTE) será difundida no país.

Falando em redes sociais, a manchete “Facebook ultrapassa Orkut no Brasil”, precipitadamente divulgada pelo Ibope em setembro, pode se tornar realidade no ano que vem. E nem é preciso consultar estudiosos para saber. Quem utiliza as duas redes já percebeu que todos os seus colegas orkutianos resolveram fazer uma conta no site de Zuckerberg. Segundo dados de setembro da ComScore, empresa de pesquisa de mercado on-line, a rede de relacionamento do Google ainda é líder, com 37,1 milhões de usuários, mas vem perdendo espaço para o Face (28,5 milhões). Enquanto o Facebook cresceu 210% em um ano, a concorrente atingiu a marca de somente 20%.

Seja como for, as redes sociais que bombaram em 2011 e se tornaram caminho para a realização de várias manifestações pelo mundo, como a Primavera Árabe e o Occupy Wall Street, vão continuar prestando esse tipo de serviço. Em Belo Horizonte, por exemplo, a recente manisfestação Ocupe a Câmara, para protestar contra os vereadores belo-horizontinos que aprovaram o aumento de 61,8% nos próprios salários, é um exemplo de como o ciberativismo se torna forte tendência para 2012.

Aparelhos bombantes Na área de equipamentos, o que bombou mesmo em 2011 foram os tablets e os smartphones. A cada lançamento, mais novidade e serviços foram sendo agregados a eles tornando-os cada vez mais aparelhos dos desejos. Para o IDC Brasil, se 2011 foi o ano da popularização dos smartphones e da entrada dos tablets no país, 2012 será tempo de popularização das pranchetas eletrônicas e da consolidação dos telefones inteligentes.

O sistema operacional Android e sua mais recente versão Ice Cream Sandwich (ou Andoid 4.0) torna-se definitivamente a plataforma concorrente direta da iOS da Apple, equipando aparelhos de diversos fabricantes. Mas não deve dormir no ponto, pois o Windows Phone, da Microsoft, promete sacudir o mercado e brigar, já a partir do ano que vem, pelas primeiras posições do mercado.

Estrelas ainda ascendentes  

Sucessos em 2011, smartphones e tablets continuarão a dominar o mercado nos próximos anos

Já na fila para comprar o iPhone 4S, Zuza Nacif acredita que disputa entre Google e Apple pelo melhor sistema operacional é benéfica ao usuário  (Maria Tereza Correia/EM/D.A Press)
Já na fila para comprar o iPhone 4S, Zuza Nacif acredita que disputa entre Google e Apple pelo melhor sistema operacional é benéfica ao usuário

Não resta dúvida de que os tablets e smartphones vieram para revolucionar o mercado da computação e oferecer inovação e interatividade aos diversos tipos de usuários. E não há como negar também que em 2011, entre várias outras novidades, eles foram a estrela do espetáculo tecnológico mundial. Mais fáceis de usar, mais rápidos de ligar, leves e práticos para transportar e relativamente mais baratos de se manter (não o preço deles em si), tais equipamentos ganharam rapidamente a preferência do consumidor, que viu na ausência do mouse e na possibilidade de realizar toques na tela uma experiência muito mais agradável e sensitiva. E a cada lançamento, mais novidades, serviços e sensores foram sendo agregados, como identificação de presença, de movimentação física do aparelho, GPS, comandos de voz etc., criando motivos para a consolidação definitiva deles na vida das pessoas, que, com toda certeza, se tornará mais efetiva ainda em 2012.

Para o presidente da empresa de consultoria e inteligência de mercado IDC Brasil, Mauro Peres, que vê para 2012 um cenário positivo para a área de TI brasileira, apesar das atuais crises mundiais, a mobilidade vem impactando tanto o mercado corporativo quanto o doméstico. 2011 foi o ano da popularização dos smartphones e da entrada dos tablets no país. Já 2012 passa a ser o ano da popularização dos tablets e da consolidação dos telefones inteligentes. “Em 2010, para se ter ideia, foram vendidos no Brasil 4,8 milhões de smartphones, número que saltou para quase 10 milhões este ano. Os notebooks também continuam em ascendência, já empatando em vendas com os desktops”, afirma.

De acordo com o analista de mercado para dispositivos de consumo do IDC Brasil, Bruno Freitas, as vendas desses dispositivos serão cada vez maiores. A Apple, para ele, domina, com o iPad e o iPhone, um mercado mais premium, onde os produtos, pela própria filosofia da empresa, são mais caros e não tendem a apresentar grandes reduções. Mas o mercado de tablets se mostrará bastante acirrado com a presença do sistema operacional Android, que equipa produtos de vários fabricantes. “O mesmo ocorrerá com os smartphones, que conta também com muitos fabricantes e ainda tem outros sistemas entrando firme no mercado. O WindowsPhone, por exemplo, igualmente vai brigar por fatias de mercado e, entre 2013 e 2015, estará lutando seriamente pelo segundo lugar entre as plataformas mais utilizadas”, aposta o analista.

Domínio Android Mas, por enquanto, o sistema que deve dominar o mercado é mesmo o Android, uma vez que ele oferece versões tanto para produtos premium e concorrentes diretos da Apple, como a linha Galaxy da Samsung de tablets e smartphones, quanto para equipamentos bem mais acessíveis, principalmente desenvolvidos por empresas chinesas, que já apresentam tablets na faixa de R$ 300. “A própria linha Galaxy oferece smartphones de R$ 2 mil e de menos de R$ 400, com diferentes versões de Android”, revela Bruno Freitas.

Outra tendência apontada pelo analista é que os netbooks, que entraram no mercado poucos anos atrás com a força de um furacão, já não apresentam mais a mesma pegada. “Eles ficaram populares devido a sua mobilidade e praticidade de uso, mas os tablets vieram para mostrar que, nesse aspecto, os superam de longe. “Pode-se afirmar que os tablets estão canibalizando os netbooks, que estão estáveis mas tendem a cair rapidamente. Já os notebooks vão continuar crescendo e mostrando que são os substitutos naturais dos desktops”, completa.

Para se ter ideia da importância e do caminho que tais equipamentos móveis deverão percorrer nos próximos anos, o Gartner, especializado em pesquisas e aconselhamento na área de tecnologia da informação, em seus trabalhos de previsão para o futuro indica que, até 2015, os projetos de desenvolvimento de aplicações voltadas para smartphones e tablets vão superar os projetos nativos de PCs a uma taxa de quatro para um. E que até 2016, pelo menos 50% dos usuários de e-mail empresarial vão depender, primariamente, de um navegador, um tablet ou um cliente móvel, em vez de um cliente desktop.

Vislumbrando tendências




O diretor da TechShop Tecnologia, Serviços e Suprimentos Aroldo Ker ressalta ser inquestionável que os tablets foram a coqueluche de 2011, quando se falou muito em queda de preços e fabricação nacional, embora pouca coisa tenha saído do papel. “Percebe-se um crescente aumento na demanda e os preços já começaram a cair. Para 2012, esse produto passa ser realidade no Brasil, com as fábricas produzindo com incentivo fiscal. Com a concorrência mais acirrada, os preços tendem a ficar ainda mais acessíveis ao consumidor, que começa a perceber a funcionalidade desses portáteis que vão se integrando ao seu dia a dia”, afirma.

Baseando-se ainda no contato que teve durante todo o ano com milhares de clientes, o diretor da TechShop revela também que os telefones celulares continuarão evoluindo e, cada vez mais, parecerão com os computadores e se integrarão a eles. “A perspectiva para 2012 é de que haverá uma funcionalidade maior dos meios de pagamento via celular. Os telefones baratos começarão a perder a majestade e os smartphones, cada vez mais com novas funcionalidades, mostrarão que vieram para ficar, tendo em vista que as pessoas já começam a digitar e clicar mais pelo aparelho do que propriamente falar”, revela.

Para Aroldo Ker, o mercado de desktop ainda vai resistir, mas com algumas características: cada vez mais vão prevalecer as vendas para o mercado corporativo (empresas, escolas, indústrias e comércio); tornam-se basicamente o primeiro micro da família; e mantêm espaço como equipamento para games, que são PCs com grandes capacidades de processamento, memórias que precisam expandir a cada geração de jogos e que exigem uma fonte de boa potência real e, principalmente, uma excelente placa de vídeo. “Na linha do segundo computador, continua a substituição do desktop por um notebook, onde o usuário, à medida que já tem uma utilização maior de informática, quer ter suas músicas, fotos e arquivos individualizados”, diz ele.

Personalização Segundo ele, outro fato importante que ocorreu com a popularização dos notebooks e netbooks foi que a escolha desses produtos passou a ser quase que personalizada. Por exemplo: um engenheiro ou arquiteto não vai comprar equipamentos com poucas polegadas, pois precisa de uma tela ampla; um profissional que trabalha com planilhas passa a exigir um notebook com teclado numérico; já um representante comercial prefere um produto menor, pois desloca-se muito e, por isso, o peso do equipamento passa a ser determinante. “Já na linha de impressão, as multifuncionais, com seus recursos fotográficos, fotocópia, fax scanner e, logicamente, impressão, vão aposentar de vez as impressoras. Nesse aspecto, sobrevive bravamente a impressora Epson LX300, que acredito ser a matricial mais antiga do mercado. Continua vendendo bem, mas é a única”, completa.

Com sua experiência de atendimento a milhares de clientes por ano, Aroldo Ker aborda até o segmento de armazenamento. Quanto a isso, ele afirma que para 2012 a a tendência é a consolidação dos SSDs (da sigla em inglês, disco em estado sólido) – ainda com custo alto devido a baixa escala de produção –, que irão substituir os tradicionais HDs magnéticos. “Além disso, o armazenamento nas nuvens, que está sendo oferecido por grandes empresas, como Microsoft e Google, tende a apresentar maior utilização, principalmente no mercado corporativo.”

Comprovação de uma realidade



O empresário e publicitário Zuza Nacif é o tipo de usuário que comprova plenamente o que foi o ano de 2011 e como deverá ser 2012. Para ele, os tablets e os smartphones já se tornaram equipamentos imprescindíveis, na medida em que é possível neles carregar tudo o que se precisa: fotos, redes sociais, e-mails e todo tipo de aplicativo útil, além de se poder até gerenciar o computador de casa ou do trabalho por intermédio deles. “Com esses dispositivos a gente vem aprendendo a otimizar o tempo e até mesmo a ser mais objetivo”, afirma. Para ele, os tablets são uma extensão do smartphone, que deveria se usado mais para trabalho, embora as pessoas o vejam mais como produto de lazer. “Quando se consegue integrá-lo ao celular, a utilidade cresce mais ainda, tanto para trabalho quanto para diversão.”

Já na fila de clientes da TIM para adquirir o iPhone 4S, Zuza Nacif conta que até o lançamento da primeira versão do smartphone não era um usuário Apple. Mas a partir do primeiro contato que teve com o aparelho, virou um applemaníaco. “Vi o quanto a vida ficou mais fácil com ele e à medida que o aparelho foi evoluindo e vencendo suas limitações fui me tornando um dependente dele. Comprar o iPad quando foi lançado foi consequência, pois ao mexer com o iOS, o sistema operacional da Apple, a gente tem certeza de que realmente está vivendo na era digital”, diz.

Na carona do iPhone e do iPad, segundo ele, não há como não reconhecer que os smartphones e os tablets foram os equipamentos que bombaram em 2011. “Os dispositivos com Android vieram mesmo para conquistar mercado e, em algumas situações, chegam até mesmo a superar a Apple, como no caso das fotografias. O Android permite uso de lentes especiais do nível das usadas por profissionais. A tendência para 2012 é realmente de um crescimento intenso da plataforma Android, até mesmo por questões mercadológicas. É preciso uma concorrência pesada à Apple”, considera. Ainda com relação a tendências, ele acredita que os sistemas operacionais para tablets vão se desenvolver tanto e ficarão tão rápidos que possivelmente os fabricantes irão lançar um equipamento híbrido, uma espécie de mistura de smartphone e tablet, que vai conseguir atender as necessidades dos usuários dos dois dispositivos de maneira prática, rápida, segura e eficiente.


Nem os Jetsons imaginavam tanto 
Salão de tecnologias em Hong Kong dá show de futurismo e apresenta até robô cozinheiro

Usando realidade aumentada interativa, visitante colore um livro que posteriormente reproduz cenas tridimensionais  (Tyrone Siu/Reuters)
Usando realidade aumentada interativa, visitante colore um livro que posteriormente reproduz cenas tridimensionais

Parecem mesmo cenas de filmes futurísticos: um robô que prepara sozinho o jantar enquanto seu dono toma banho ou assiste TV; um livro de colorir com desenhos que ganham vida virtual; filmes capazes de ler o cérebro do espectador; um vestido que fica transparente em função das batidas do coração...

Pois é, parecem só cenas de ficção, mas tudo isso, e muito mais, já pode ser realidade e foi mostrado na semana passada durante a primeira edição asiática da Siggraph, uma das mais importantes mostras mundiais de novidades em computação gráfica, tecnologias interativas, mídias digitais e robótica, que se realizou em Hong Kong. Inventores, revendedores, desenvolvedores e distribuidores de todas as partes do mundo aproveitaram o evento para apresentar produtos e conceitos que, com certeza, farão parte do nosso dia dia num futuro bem mais próximo do que se imagina.
Cooky, o robô bom de cozinha, foi projetado para ajudar a preparar várias receitas personalizadas. Os ingredientes só precisam estar picados para ele pôr a mão na massa (Aaron Tam/AFP)
Cooky, o robô bom de cozinha, foi projetado para ajudar a preparar várias receitas personalizadas. Os ingredientes só precisam estar picados para ele pôr a mão na massa

Um dos destaques da feira, e que mais despertou a imaginação futurística dos visitantes, foi a ala Tecnologias Emergentes, onde robôs que desempenhavam as mais variadas funções chamaram a atenção. O Cooky, o robô cozinheiro, foi um deles. Desenvolvido por universidades japonesas instaladas em Tóquio e Keio, o autômato especializado em cozinha só precisa, para dar forma às receitas, que os ingredientes estejam picados. “Trata-se de uma máquina simples e, por isso, ainda necessitamos preparar os ingredientes para ela, mas no futuro tudo será realmente feito por ela”, revelou o pesquisador Daisuke Sakamoto.

Outro robô, o NAVIgoid, permite afagar o parceiro a distância e vibra quando a pessoa em questão toca a tela de seu aparelho. “Com ele é possível também ter contato físico jogando com amigos que estão longe”, disse Mark Billinghurst, diretor do Human Interface Technology Laboratory da Universidade de Canterbury, da Nova Zelândia. Segundo ele, a pesquisa, hoje, apaga muitas barreiras físicas e mentais entre humanos e computadores. “Nós entramos na era do que podemos chamar de informática invisível. Pode-se interagir com o mundo de maneira normal, e a informática segue o que faço e reage automaticamente”, acrescentou. Nessa área, outro destaque, que usa o corpo do operador como joystick, foi o robô Joyman. Criado por uma empresa de pesquisas francesa, a máquina serve para transformar mundos virtuais em experiências mais completas e para o corpo todo. “Nosso corpo é o joystick e nos dá feedback. É bastante intuitivo”, completou Dzmitry Tsetserukou, codesenvolvedor do robô da universidade de Tecnologia de Toyohashi. Óculos escuros presos à cabeça integram a ambientação virtual, exibindo ao usuário tudo o que os olhos do robô veem.

Um espaço também bem atrativo foi o estande Influência: vivendo a vida com máquinas sentinelas, onde 12 minirrobôs identificavam a presença de humanos e buscavam estabelecer contato com eles. Os participantes podiam interagir com os autômatos e comandá-los. Os robôs sentinelas integram um estudo na área da chamada robótica social, que pesquisa a interação de pessoas com as máquinas.

Outras novidades Além dos robôs, outros objetos estranhos – muitos deles protótipos ainda não prontos para comercialização – foram atrações. Na feira, por exemplo, cientistas criaram um livro de colorir cujas imagens, projetadas na tela de um computador, ganham vida com realidade aumentada em 3D. Para se ter ideia, um pássaro (kiwi), que uma criança acabava de colorir, imediatamente passou a se movimentar e a beliscar minhocas num vaso.
No espaço Influência: vivendo a vida com máquinas sentinelas, minirrobôs identificavam a presença de humanos e respondiam à presença delas na área (Aaron Tam/AFP)
No espaço Influência: vivendo a vida com máquinas sentinelas, minirrobôs identificavam a presença de humanos e respondiam à presença delas na área

 Um filme variava seu grau de violência em função dos impulsos elétricos detectados por eletrodos ligados ao crânio do espectador. Ao contrário da realidade virtual, que substitui o mundo real por um mundo digital, a realidade dimensionada mistura os dois mundos, como ficou demonstrado. Outros exemplos expostos? Um papel mudava de cor de acordo com a mão que o tocava e um vestido ficava transparente à medida em que os batimentos do coração da pessoa que o usava se aceleravam...

Enfim, futurismos que a gente não via nem nos desenhos animados de Os Jetsons já estão aí, batendo às nossas portas. É esperar para ver o que os próximos encontros tecnológicos reservam e que vai dar forma a muitas outras criações da imaginação humana. (Com agências)

Termina as atividadas do site FutGame! :-(

O Futgame era uma site de apostas de futebol, muito legal e gratuito em que toda rodada você apostava nas partidas e tivesse mais acertos que seu adversário daquela semana você ganhava 3 pontos, como num campeonato. Tinha 1ª divisão, 2ª até a 6ª divisão... Mas acabou... Eis a mensagem de despedida...
Ele indica o site http://www.gambolao.net para continuar a brincadeira... Me cadastrei lá para conhecer... 

27.12.2011 - Destaque FINAL do Futgame!
Fecham-se as cortinas e termina o espetáculo...
Infelizmente, o bordão que sempre usávamos para abrir uma temporada dessa vez encerra uma bela história! Prestes a completar 10 anos de existência, o Futgame encerra suas atividades!

Foram anos e anos de muita alegria, disputa e diversão! Exatamente o que nos propomos a oferecer a nossos futboleiros, sempre de maneira gratuita, desde a 1ª temporada em 2002 com 30 futboleiros.  E sem dúvidas fizemos com maestria!

É difícil, mesmo sendo uma brincadeira, tratar do assunto "Futebol". O brasileiro é muito apaixonado e por diversas vezes o calor de algumas discussões nos impressionou! Mas faz parte... Para nós ainda, tratar de apostas sobre futebol muitas vezes deu trabalho... decisões de deixar ou não o jogo na rodada, jogos com horários alterados que aconteciam antes do término das apostas, nomes de grupos que não agradavam... caracas! Sempre enchiam nossa caixa de mensagens... não dava para agradar a todos, mas tenham certeza que as decisões sempre foram tomadas para prejudicar o menor número ou beneficiar o maior número possível de futboleiros... NUNCA uma decisão foi tomada para beneficiar o Cartola, que nunca esteve na série A em nenhumas das 29ª temporadas... rsrsr... embora alguns já tenham dito...
Graças! Com ele também ganhamos muitos amigos espalhados por esse Brasilzão! Fizemos muita gente vibrar com acessos, muitas crianças se divertirem com o futebol de uma maneira  sadia...
E como não estamos mais conseguindo dar conta, manter o site como sempre desejamos, a falta de tempo, e outros inúmeros motivos, inclusive projetos pessoais, achamos melhor parar... existir sem fazer/ser a diferença, perde seu significado... e isso começou a acontecer com o Futgame...
Para nós, assim como para muitos, vai ser difícil se livrar desse vício! Não ter mais que dar seu palpite para a rodada, acompanhar os jogos com o computador ligado, dando F5, e às vezes até torcer para o rival marcar um golzinho apenas para você acertar o placar... para não deixarmos estes não mão, sugerimos o site do futboleiro Gambs, o Gambolão. Esquema muito parecido com o Futgame e que está a muito tempo na área também.. o Gambolão criará para os futboleiros interessados, uma estrutura de temporada idêntica ao Futgame, quem está  na série A1 permanecerá, B1 idem, B2 idem, e assim por diante... portanto, quem quiser continuar a brincadeira, basta se cadastrar com o mesmo nick e avisar que você está vindo do Futgame!

Obrigado a todos que estiveram conosco em algum momento destes 10 anos!
Um excelente 2012 para vossos times e muita paz e saúde para vocês e seus familiares...
Os Cartolas