Magazine Luiza

Bem Vindo ao Blog!

Pesquise no Google:


http://sites.google.com/site/jogosdinheirointernet/magazineemocione
Anuncie aqui - Planos a partir de R$200,00 por mês.

1 ano : R$2.400,00 (R$200,00 mensais)
6 meses : R$1.350,00 (R$225,00 mensais)
3 meses : R$750,00 (R$250,00 mensais)
2 meses : R$550,00 (R$275,00 mensais)
1 mês : R$300,00

sexta-feira, 5 de agosto de 2022

Falsa simetria entre Lula e Bolsonaro.




 https://www.facebook.com/daniel.reisduartepousa/posts/pfbid0e6DHu5VUCbmRiXJzGunjdXbp2hwD2bg1Ve21Rpnjucqm6az1sYhSUUT77aAKKdd8l

===================================

FALSA SIMETRIA ENTRE LULA E BOLSONARO.

===================================

Falsa simetria entre Lula e Bolsonaro.

O maior absurdo que tem acontecido nessa pré-campanha eleitoral é fazer essa comparação Lula X Bolsonaro, estabelecendo uma falsa simetria entre os dois.

Gente, que absurdo! 

São pessoas totalmente diferentes. 

Fora os dois terem casado três vezes, o que é só uma coincidência, no mais não tem nada haver um com o outro!

Um Pernambucano que pegou um pau de arara para crescer em São Paulo e virar corintiano.

O outro um carioca da gema, que não mudou de estado e virou flamenguista. Bom, acho que flamenguista, ele veste camisa de tudo quanto é time, mas quando foi levar o seu ídolo Sérgio Moro para um jogo era do Flamengo.

O Lula não veste camisa de tudo quanto é time para agradar não... Ele gosta do Curinthian e pronto.

Eu entendo o argumento de uns e outros sabichões, ao dizer que no governo do Lula se combateu inflação com juros altos igual no governo Bolsonaro, 

que ao tomar posse o Bolsonaro manteve o ministro da economia da Dilma Joaquim Levy, só mudou o cara de cargo,

Entendo que o Lula matou a fome da população brasileira com bolsa família 

e o Bolsonaro matou a fome da população brasileira com auxílio Brasil,

entendo que Paulo Meireles e Henrique Guedes tem práticas parecidas, quer dizer, Paulo Guedes e Henrique Meireles, 

um chamado "Chicago boy" e outro era presidente do "Bank of Boston" (ou era um conhecido como "Boston Boy" e outro presidente do "Bank of Chicago"??? Agora me confundi...) 

entendo a crítica que tanto um quanto o outro eram responsáveis por proteger a moeda nacional e eles próprios escondem o dinheiro pessoal em paraísos fiscais.

Entendo quando citam que o tal de Valdemar hoje presidente do partido do Bolsonaro era ministro do Lula, 

que o Roberto Jefferson hoje defensor do Bolsonaro um dia estava nos correios no governo Lula.

Reconheço que tanto no governo Bolsonaro quanto no governo Lula se praticou o tal tripé macro-econômico, que nos dois governos houve abuso no uso de operações compromissadas, no uso de swap cambial, transferindo o suado dinheiro recolhido do povo brasileiro para as mãos mágicas de meia-dúzia de bancos (eu disse meia-dúzia? Que exagero! Nem isso!) 

Sei que nenhum dos dois cumpriram o pedido constitucional de se realizar uma Auditoria cidadã da dívida pública.

Reconheço que nenhum dos dois cobraram impostos sobre lucros e dividendos, nem tributaram grandes fortunas, que administram a maior carga tributária regressiva que se tem conhecimento no planeta, que todo o lucro das estatais nos dois governos foi usado para pagar dívida, que os dois governos agiram como agiotas na questão das dívidas dos estados, que coitadinhos, já pagaram 3x o que receberam e ainda devem 5x o que receberam.

Nenhum dos dois resolveram a pendência da Lei Kandir.

Sei que os dois mantém isenções fiscais para alguns "amigos do rei"; sei que um vendeu ações da Petrobrás na bolsa de Nova York e o outro vendeu a BR distribuidora e a TAG.

Que nas mãos dos dois a desindustrialização do país avançou drasticamente enquanto as commodities batiam récordes de exportação.

Entendo que a Dilma chegou a baixar a taxa SELIC para valores mais baixos na época, mas depois voltou a aumentar tudo de novo, igual ao Bolsonaro que chegou a baixar a taxa SELIC para valores mais baixos na época, mas depois voltou a aumentar tudo de novo!

Uns chegam na conclusão que um é neo-liberal e o outro também.

Sei disso tudo! 

Mas fora essas coisinhas, não tem nada que aproxima Lula de Bolsonaro!

Exemplo: 

O Lula usa barba, o Bolsonaro não!

O Bolsonaro chama do Lula de Comunista, já o Lula chama o Bolsonaro de Fascista! Não tem nada haver!

O Bolsonaro tem todos os dedos das mãos, já o Lula só tem 9 dedos. Em compensação o Lula está com a barriga inteira, o Bolsonaro está faltando um pedaço: nada igual!  

O Lula incorporou o apelido Lula no seu nome próprio. Já o Bolsonaro não incluiu nem "Bunda suja", nem "Bozo", nem "namorado do Aristides" no seu nome.

O Lula estica o indicador e o dedão para cima, fazendo um L.
Já o Bolsonaro estica o indicador e o dedão para frente, fazendo uma arma. (cuidado Lula, dizem que se a gente cuspir para cima o cuspe cai na nossa testa)

No governo Lula se prendia gente. Saímos de uma população carcerária de 240mil em 2002 para 620mil em 2014. Maioria jovem, preto, pobre, aviãozinho do tráfico.

Já no governo Bolsonaro não: Já mata os indivíduos na operação mesmo... com 80 tiros ou sufocados com gás no camburão. Nem precisa ser bandido, só não usar capacete ou ser preto mesmo.

Segundo a Folha de São Paulo o Bolsonaro é Ignóbil, basculho, baixo, repugnante, canalha, deplorável, mesquinho, patife e mais uma centenas de adjetivos pouco ou muito conhecidos pelo grande público.

Já o Lula é só fraquinho das ideias mesmo, mas é o "The man" nas palavras do Barack Obama(apesar de ter cometido um "Big mistake" nas palavras do Oliver Stone) então olhando para um e para o outro a própria Folha chegou a conclusão que "é uma escolha difícil!"...

O Bolsonaro e seus filhos compraram a Mansão com dinheiro vivo, e até tiveram um trabalhão para registrar a casa num cartório lá lonjão.

Já o Lula e sua família não quiseram comprar o triplex tão insistentemente oferecido, mesmo depois da reforma. Mesmo o sítio ele não quis comprar, o termo de compra foi encontrado mas o Lula não assinou. Não quis comprar.

O filho do Bolsonaro ganha dinheiro vendendo chocolate e na advocacia.

Já o filho do Lula ganha dinheiro com empresa de jogos na antiga-falida OI. Mercados totalmente diferentes.

O Bolsonaro deu uma só palestra na Hebraica, foi tão mal que não quiseram contratar mais.

Já o Lula rodou o mundo e ganhou um dinheirão com suas palestras e foi aplaudido de pé em todas elas.

O Lula faz parte do campo da democracia. 

Já o Bolsonaro, que é amado pelo pessoal do campo, faz parte do pasto, fica lá no cercadinho.

Então seus espertalhões, não me venham com essa de que são simétricos não! São bem diferentes!

Posso até concordar que nós poderíamos até procurar um cidadão brasileiro melhor para votar que esses dois. 

Mas se você continuar insistindo com essa falsa simetria, 

"vai ficar feio para você"!...





domingo, 15 de maio de 2022

Bolhas


 
BOLHAS

Vamos ao textão de hoje.
Estou refletindo sobre isso depois de hoje participar da feira de ideias do meu menino de 10 anos, que estuda em escola particular, e nessa época em que estou trabalhando em Home-Officce, sair para encontra gente diferente nos faz falar pelos cotovelos...
Claro que sei que a bolha da vida real, é coisa insignificante. A bolha que convivi hoje, pais de crianças que estudam em escolas particulares então mais insignificante ainda.
O Papo que começou com o futebol (o Galo que iria jogar e adivinhem: O Galo ganhou!), passou pelo preço da gasolina e desembocou no pleito de outubro...
Nessa bolha, eu não senti a rendição a essa escolha de Sofia, de escolher o menos pior entre Lula e Bozo(que óbvio é o Lula o menos pior, um tem humanidade desde jovem, o outro não tem humanidade desde jovem).
Mas nessa bolha insignificante percebi uma vontade imensa de fazer o certo e não fazer obrigado o que dá para fazer... Não vejo rendição. É claro que é fácil falar em não rendição quando todas as refeições estão em dia e tem Netflix e mais uns dois outros streamers de ver séries em casa a disposição.
Na vida real tenho essa bolha,e mais a da galera da faculdade, da família, do(s) trabalho(s) e daqueles que jogo (ou joguei) bola uma vez por semana.
Dizem que a internet nos confina em bolhas, apesar dessas bolhas serem muito maiores que as bolhas que participamos IRL(na vida real).
Eu atribuo isso menos aos algoritmos e mais à vontade que o ser humano tem de se reunir para compartilhar coisas em comum.
Na internet eu gosto, participo por escolha minha, principalmente de três bolhas... (pelo menos 80% dos que chegaram até aqui estão em uma delas)
A primeira e mais antiga são os Fãs dos Engenheiros do Hawaii. Dessa bolha eu entrei antes de facebook, antes de Orkut, ela começou a ser montada na esquina das listas de discussão da Unicamp (quem não sabe o que é isso, você entra na lista de discussão sobre o tema X, manda um e-mail para essa lista e todos os inscritos recebem esse e-mail. Coisa antiga)
Como estou nessa bolha a mais de duas décadas, já tenho alguns episódios de encontros reais, como gravação de DVD ao vivo, encontro de um fim de semana prolongado em um sítio no interior paulista e várias vans alugadas para shows no interior de Minas. Depois que casei ficou mais difícil, mas a convivência nas bolhas virtuais continuam. Essa bolha montada antes das redes sociais reforçam aquela ideia de que isso é muito mais necessidade humana do que culpa de algoritmos de aplicativos(que apenas atendem a essa necessidade humana).
A segunda bolha mais antiga que gosto de participar é da Auditoria Cidadã da dívida pública, os seguidores da Multipremiada brasileira(mineira) de nome Maria (Maria Lúcia Fattorelli).
Eu participei do plebiscito em 2000, pedra fundadora da entidade, estava recém formado e trabalhando em uma agência de empregos, ainda governo FHC. Ganhei o panfleto explicando do que se tratava... na época não dei muita importância. Anos depois acompanhei de longe a CPI da dívida pública, ainda sem me envolver pois a cabeça estava em reclamar da Cemig comprando a Light, reclamar do governador Aécio, tentando entender a Satiagraha e o Mensalão, e outras questões paroquiais sobre leis trabalhistas que por dever de ofício eu acompanhava. Passei a fazer parte da bolha mesmo a partir de 2014, debatendo sobre o para quem é melhor dar o voto na concorridíssima eleições entre Dilma e Aécio, fui apresentado a um vídeo do Nildo Ouriques entrevistando a Maria Lúcia Fattorelli e fiquei chocado. Lembrei daqueles primeiros contatos que tive sem dar importância e depois passei a acompanhar de perto. Por entrar nessa bolha acabei dando o voto a Luciana Genro(e Dilma no returno) e desde 2015 participo virtualmente de todos seminários que a Auditoria Cidadã da dívida pública organiza, guardo os certificados, debato com os participantes da bolha e também fora dela, para que exista o confronto de ideias. Registrei em Blog vários desses debates.
Apesar de não ter tido ainda nenhum contato IRL, me energiza muito fazer parte dessa bolha. Me dá esperança de que há porque e por quem, por que causa e por onde seguir acreditando no país que por obra do acaso ou por destino nasci, cresci e vivo nele. Me faz sentir que faço parte de uma nação. Posso dizer com orgulho, apesar que querer sempre mais.
A terceira bolha é mais recente, desde 2018, na trágica eleição que nos deu esse presidentizinho que está aí e que vai passar, com certeza. Batizamos essa bolha de Turma Boa, e recebemos ontem um programa especial sobre ela na Tv por assinatura norte-americana HBO, no Greg News, que também acompanho todos desde o primeiro episódio.
Acompanho e divulgo as entrevistas, palestras e participações em rádios/TVs do Ciro Gomes desde 2014. Comecei logo após o susto da quase vitória do Aécio, fiquei imaginando que por um triz quase caímos nas mãos do tráfico de drogas(sem imaginar que no futuro cairíamos nas mãos do seus arqui-rivais as milícias) e fiquei imaginando uma forma de garantir um caminho melhor. Nessa pesquisa, o Ciro foi o que mais me convenceu. Eu vi o livro "Projeto Nacional - O dever da esperança" desde da época em que ele dizia: estou pensando em escrever um livro que vai falar disso, disso e disso...
Quando veio o livro eu fui lendo e lembrando das palestras onde o tema daquele capítulo foi citado, ou quando ele recebeu uma pergunta de um estudante, concordou e passou a incorporar aquela ideia nas palestras seguintes e depois foi parar no livro.
No início, divulgar Nildo, Ciro, Fattorelli, Adriano Benayon, mais tarde Cibele Laura, Ladislau Dowbor, Eduardo Marinho e agora Eduardo Moreira, era a melhor parte do dia... mas ainda me sentindo um dom Quixote. Ir encontrando, um, outro e mais outro e depois me sentir pertencente a um movimento que tanto cresceu e que hoje tem até especial falando sobre, foi me tirando o sentimento de solidão.
Esse sentimento bom do pertencimento, fico imaginando que é o mesmo que os doidos que pensam que a terra é plana, ou aqueles liberais unidos pela escola de Mises ou o Gado que chama o Bozo de mito: encontram gente que fala a mesma coisa que você pensa e pronto, você não se sente mais sozinho.
No caso da turma boa, é claro que essa é a única semelhança com esses grupos. Nós enxergamos não o cenário de crise permanente do país, mas a realidade de abundância que nos dá um enorme potencial de chegar muito além do que imagina seu vã filosofia.
A turma boa não quer só derrubar o Bolsonaro, mas também não tem a coragem que o Nildo Ouriques tem de convocar a Revolução Brasileira.
A turma boa está no meio do caminho, quer só não aceitar pacificamente o papel que a divisão internacional do trabalho impõe ao brasileiro de ser um buracão para extrair óleo e ferro e um fazendão para extrair carne e soja...
Nós consideramos esse plano perfeitamente praticável, até porque o prazo é bem generoso: 30 anos para chegar a o que é a Espanha em termos de indicadores sócio-econômicos.
Não aceitamos essa que é um plano impossível de se realizar porque colocamos o sarrafo do impossível na ideia do Nildo Ouriques (se for para escolher um destino final sem considerar o ponto atual, as dificuldades e barreiras para chegar lá, eu escolheria o final do Nildo...)
E sabemos que temos um dragão de 7 cabeças para derrotar: o Oligopólio Cartelizado dos Bancos. Mas a Fattorelli já nos dá as armas e a verdade para combatermos esse dragão, o Ciro já se comprometeu com ela em 2018, tanto na frente da Fatorelli quanto dentro da SindFisco em 2018.
Sabemos que é difícil, mas Paulo Coelho escreve em livros que ninguém sabe se é auto-ajuda ou ficção, que a vida não é o ponto de chegada, é o caminho percorrido e que devemos escolher o bom combate: aquele que em caso de vitória, nos dá mais benefícios que a energia gasta para conquistar a vitória.
Também me orgulha me sentir parte dessa bolha. Acredito que hoje estou como ser-humano maior do que entrei, apesar do resultado trágico de 2018, que nos devolve a nossa insignificância, como citei no textão "Eu avisei", coisa que todos da turma boa fizeram.
E para terminar o textão, quero externar/desabafar algo que me choca, principalmente nesse último mês.
É o sentimento de rendição, que eu não enxerguei hoje nem na bolha do pais de crianças de escolas particular e nem nessas três bolhas que me agrada ficar junto.
Mas que eu estou tendo contato no debate Lula X Bolsonaro.
Brasil está doente.
Substituíram o coração por uma pedra no peito dessa gente.
Pela primeira vez desde começou a medir esse número os trabalhadores protegidos pela CLT é minoria na população economicamente ativa. Perde para a soma dos desempregados, desalentados e informais. O menor poder de compra do salário e a menor massa salarial desde o inicio do real. Recorde em endividamento, recorde em inflação, recorde de juros altos a décadas o maior do mundo. 4 dos 10 maiores bancos do mundo estão espoliando a população, além de estar com o preço da gasolina, gás, energia elétrica nas alturas e subindo. A fome e a população de rua aumentando entre nós. A maior população carcerária. O desmatamento descontrolado. Uma geração inteira que não conseguiu se alfabetizar na época certa.
E uma galera dividida, de um lado um pessoal sacana espalhando noticia de que o problema é uns artistas arrecadando dinheiro pela lei Rouanet, em projetos que nem aconteceram!
E de outro um pessoal não sacana que se contenta apenas com o fim do fascismo, dando ao Bozo mais poderes do que realmente tem, pois a Joice Hasselmann já nos contou que ele chora que nem uma criancinha, uma cara desse não consegue nem esconder que ele roubava gasolina no seu gabinete enquanto deputado, vai ter força para implantar Fascismo num país gigante desse?
Mas então eu penso: Será que seu eu não estivesse na bolha da ACDP ou na bolha da turma boa, será que eu também não me contentava só com isso?
Se eu não soubesse que o "Deficit está no Banco Central e não na previdência" e nem tivesse tido o contato com a ideia dos 4 complexos industriais que nos dá o potencial enorme de seguir o nosso destino de ser tornar uma grande nação, será que não me contentava somente trocar a ignorância e grosseria para apenas a ignorância que tínhamos em 2014(um pouco diferente de 2014, troca só o ladrão do porto de Santos para ladrão de merendinha escolar)?
Talvez... talvez eu também estivesse nessa prostração.
Obrigado, Ciro e Fattorelli por não deixarem que colocassem uma pedra no lugar do meu coração que bate com esperança.
Você que está convicto de que é só isso mesmo que temos para hoje, é ruim, mas é o que temos, entra aqui na nossa bolha para voltar a sentir esperança e tire esse espinho do coração.
Tenha certeza que o Brasil pode mais...
E Gregório: Um dos motivos que o Bozo teve essa quantidade de votos toda, é a falta de trato, diria até de respeito, à reliosidade do nosso povo...
Não teve graça a parte do Cabo Daciolo. Ele é louquinho, mas tem bom coração e não merecia o bulling.

terça-feira, 3 de maio de 2022

Resgatar a função social da economia - Ladislau Dowbor

Retirado do site do Ladislau Dowbor (https://dowbor.org/)

https://dowbor.org/wp-content/uploads/2022/04/22-Resgatar-func%CC%A7a%CC%83o-social-da-economia.pdf


 RESGATAR A FUNCÃO SOCIAL DA ECONOMIA

Uma questão de dignidade humana


"A desigualdade é antes de tudo uma construção social, histórica e política"

Thomas Piketty


“Podemos certamente dizer que a nossa proficiência tecnológica

excede de longe o nosso desenvolvimento moral, social e político”

Oliver Stone e Peter Kuznick


I – PEQUENA HISTÓRIA DA EXPLORAÇÃO


A revolução digital está tendo impactos tão profundos quanto em outra era teve a

revolução industrial. O que chamamos de capitalismo tem as suas raízes na

industrialização, que envolveu transformações tecnológicas, mas também de relações

sociais de produção, com o trabalho assalariado e o lucro do capitalista, além de um

marco jurídico centrado na propriedade privada dos meios de produção. Com a

revolução digital, que envolve uma expansão radical das tecnologias, bem como a

generalização da economia imaterial, a conectividade global, o dinheiro virtual e o

trabalho precário, a própria base da sociedade capitalista se desloca. Em particular, a

apropriação do produto social por minorias ricas, mas improdutivas, já não exige

geração de emprego e produção de bens e serviços. Passa pela intermediação do

dinheiro, do conhecimento, das comunicações e das informações privadas. Onde

dominava a fábrica hoje temos o domínio das plataformas em escala planetária, que

exploram não só as pessoas, por exemplo através do endividamento, mas também as

próprias empresas produtivas através dos dividendos pagos a acionistas ausentes.

O presente estudo está centrado precisamente no que está mudando no que chamamos

de modo de produção capitalista. A atividade industrial permanece, sem dúvida, como

permaneceu a atividade agrícola diante da revolução industrial, mas o eixo de

dominação e controle já não está nas mãos dos capitães da indústria, está na mão dos

gigantes financeiros como BlackRock, de plataformas de comunicação como Alphabet,

de ferramentas de manipulação como Facebook, de intermediários comerciais como

Amazon. O mecanismo de apropriação do excedente social mudou, e com isso mudou a

própria natureza do sistema. Estamos no meio de uma transformação profunda da

sociedade, nas suas dimensões econômicas, sociais, políticas e culturais, gerando o que

tem sido chamado de crise civilizatória. Estamos transitando para outro modo de

produção, e o presente estudo sistematiza os novos mecanismos. Na última parte

propomos caminhos. 



A eterna exploração

Em diversas eras e sociedades, a apropriação do produto social por minorias sempre

esteve no centro da organização da sociedade como um todo. O ponto de partida é a

própria existência do excedente social. Quando a produtividade de uma sociedade se

eleva, permitindo que se produza mais do que o básico necessário para as famílias,

aparecem elites que reivindicam, por alguma razão, e com justificativas mais ou menos

duvidosas, o direito a ter mais do que os outros, apropriando-se do produto de terceiros.

No modo de produção escravagista, apropriavam-se do que produzem os escravos, uma

apropriação baseada na força, e explicada como legítima propriedade de pessoas.

Quando Lincoln consegue que se aprove, no século 19, o fim da escravidão, não se

indenizou os escravos, e sim os donos de escravos, por perderem “propriedade”. Sempre

houve explicações, que hoje chamamos de narrativas, para justificar o absurdo: eram

pretos, ou selvagens, ou não teriam alma, como se dizia na época, ou ainda foram

capturados em “guerra justa”, como também se dizia. O essencial era que produzissem

um excedente, que permitia o luxo dos proprietários e o financiamento da repressão aos

numerosos levantes. Era o modo de produção escravagista, injusto, mas estável, durou

muitos séculos, inclusive com leis que regiam o sistema da propriedade de seres

humanos e religiões que as sacramentavam. A razão do mais forte sempre busca parecer

justa.

No sistema feudal, elites se apropriaram da terra, base de qualquer economia antes que

surgissem as máquinas. Os senhores feudais, por razões diversas, mas essencialmente

por disporem de armas e fortificações, em luta uns com os outros terminavam por

delimitar os feudos, sendo que a população rural que vivia nas terras não seria

propriedade do aristocrata, mas seria sim regida por sistemas complexos de obrigações

que proibiam que deixassem o feudo. Os homens eram servos, serviam. O excedente

produzido era apropriado, na idade média e em grande parte da renascença – na Rússia

até 1917 – pelos “senhores”. Os trabalhadores da terra eram obrigados a ceder aos

aristocratas grande parte da sua produção, riqueza que permitia que o nobre tivesse um

castelo, vivesse com luxo, e pudesse pagar a tropa que assegurava que o sistema se

mantivesse.

Aqui também houve inúmeras revoltas e repressões. Parte do excedente servia também

para sustentar os conventos, numa religião que, a partir do século IV, se aliara aos

poderosos, e justificava o sistema como vontade divina. As leis asseguravam a

coerência do sistema, as regras do jogo por assim dizer, inclusive, por exemplo, na

Europa, o jus primae noctis, que dava ao aristocrata o direito de se apropriar da primeira

noite de casamento de uma camponesa. Os poderosos gostam da legalidade, conquanto

sejam eles a fazer as leis. E para os que a contestavam havia também a inquisição e

outros sistemas repressivos. De toda forma, era um modo de produção, também durou

séculos, definido por uma base econômica, a terra, relações sociais de produção, a

servidão, e formas de extração do excedente sob forma de imposições de diversos tipos.

O conjunto era regido por regras, em boa parte respeitadas. A apropriação do excedente

era baseada nas leis, justificadas pelo sangue azul dos nobres, sancionada pela igreja

com narrativas, e garantida pela repressão militar. Os bailes de Versalhes ou de Viena 


tinham de ser financiados por alguém. Witold Kula, um historiador polonês, escreveu

para o sistema feudal o que Marx escreveu para o sistema capitalista. Era um sistema,

um modo de produção.

Ainda que os dois sistemas que mencionamos acima, o escravagista e o feudal, nos

pareçam hoje historicamente distantes, precisamos lembrar que a escravidão no Brasil

existiu até o fim do século 19, nos Estados Unidos até a Guerra de Secessão, que a

exploração das populações colonizadas era geral e durou até meados do século passado,

e que o sistema de apartheid durou até ontem na África do Sul e perdura ainda na

Palestina. Nem os Estados Unidos nem o Brasil lograram ainda absorver e ultrapassar a

opressão e as desigualdades herdadas do passado escravagista, a África enfrenta

penosamente a reconstrução necessária. O passado não é assim tão distante. É um rabo

longo que demora a passar. Em muitas nações erigidas em países, ainda é

estruturalmente decisivo.

O modo de produção capitalista nos aparece com outro nível de legitimidade. Na base

da transformação esteve o avanço científico, a revolução energética, o aumento da

produtividade e, portanto, a possibilidade de gerar um ciclo sustentado de

enriquecimento social. O Liberté, Egalité, Fraternité da revolução francesa ecoou pelo

mundo. Com o Iluminismo, a busca dos valores na sociedade passara a abrir frestas no

obscurantismo, reduzira-se o número de mulheres queimadas como bruxas (“não

permitirás que as bruxas vivam” instrui a bíblia, Exodus 22:18), geraram-se a visão de

enriquecimento como fruto legítimo do esforço, e o conceito do mérito como virtude. A

narrativa evoluiu. O trabalhador passou a ter a liberdade de pedir emprego e de ser

explorado. A revolução industrial trouxe outro nível de produtividade, aumentou a

prosperidade, mas não para todos. Um avanço, sem dúvida, e o mecanismo de

exploração evolui, mas se mantém, as narrativas mudam, e a repressão se moderniza.

Em particular, a exploração e violência mais direta se deslocam para o Sul.

No estudo A Formação do Terceiro Mundo apresentamos a dimensão global que o

capitalismo adquire, em que a industrialização da Inglaterra, sistema bem capitalista, se

apoiou na reprodução da escravidão nos Estados Unidos e outros países que lhe

forneciam matéria prima. O capitalismo do império britânico não teve reticências em

usar de escravidão, trabalho forçado e massacres em diversas partes do mundo, e hoje

assistimos impressionados à Inglaterra se desculpando pelo que fez na Índia, no Quênia

e tantos outros países, à França pedindo desculpas a países africanos pelas violências do

passado, os Estados Unidos pelo que fizeram no Irã. Daqui a alguns anos irão se

desculpar pelo que fizeram no Afeganistão. Lembremos que a Bélgica, no Congo, foi

responsável por milhões de mortes, processo documentado no estudo O Fantasma do

Rei Leopoldo. A prosperidade dos países hoje ricos não se deve apenas à produtividade

e racionalidade do sistema capitalista. A fraternité tem claros limites. Muitos até hoje

não se dão conta dos subsistemas primitivos em que se apoiou o chamado liberalismo

capitalista. O Brasil contribuiu muito.

Em termos gerais, o sistema capitalista dos países ricos se baseou em articulações com

sistemas pré-capitalistas nos países colonizados ou simplesmente dependentes. Samir

Amin, em livro clássico, chamou corretamente este sistema de ‘acumulação do capital

em escala mundial’. Essa dimensão da acumulação permitiu uma apropriação do 

excedente, por meio da exploração dos trabalhadores e apropriação da mais valia nos

países centrais, mas também por meio da exploração colonial direta ou a troca desigual,

com a narrativa de trazer a civilização aos povos primitivos, e evidentemente com a

força militar. A religião, aqui também, frequentemente serviu de bálsamo civilizatório.

Isso foi ontem, meus anos de universidade eram contemporâneos com as lutas de

libertação nas colônias. Hoje temos países independentes, que podem decidir livremente

por quem serão explorados, se por sistemas de endividamento ou de troca desigual, ou

ambos. A exploração muda de forma, as narrativas atualizam o discurso, o controle

militar se torna mais sofisticado. Mas estamos sempre servindo elites.


O equilíbrio precário: produzir para quem?

Essa pequena retrospectiva nos ajuda a lembrar a que ponto a barbárie que hoje nos

chocaria – a escravidão, a servidão, o colonialismo, o apartheid – ainda é próxima, e a

que ponto sobrevive e penetra no nosso cotidiano. Basta olhar a cor das pessoas nas

nossas favelas ou nos bairros das periferias urbanas e nas prisões nos Estados Unidos.

Também devemos atentar para o impacto que têm as diversas formas de organização

dos países em desenvolvimento, não só porque seguem em grande parte especializados

em produtos primários, o que trava a modernização, mas porque quem exporta precisa

da mão de obra apenas para o trabalho, não para o consumo: o produto vai para o

mercado externo, e o consumo das elites é em boa parte garantido por produtos

importados. Para quem produz para o mercado externo, e importa os produtos acabados,

não é indispensável o poder de consumo dos seus trabalhadores. Em pleno século XXI

no Brasil, a reprimarização gera o mesmo desprezo pela elevação capacidade de

consumo da população.

A miséria impressionante dos trabalhadores, coisa que vemos até hoje no que

chamamos de países em desenvolvimento, mesmo com tecnologias as mais avançadas,

resulta dessa forma de acumulação de capital, em que dinamizar a capacidade de

compra da base da sociedade não é essencial, pois o ciclo de acumulação se fecha em

boa parte no exterior. Ao mesmo tempo, o avanço tecnológico torna a necessidade de

contratar mão de obra menos essencial, pelo processo de substituição. Assim que há

modernização tecnológica, mas com pouca transformação das relações sociais,

perpetuando a desigualdade e a pobreza. É a herança social da relação Norte-Sul. O

leitor interessado nesse mecanismo poderá consultar o meu Formação do Capitalismo

no Brasil. A ideia essencial, que tive oportunidade de discutir tanto com Samir Amin

como com Caio Prado Júnior, é que o ciclo de reprodução do capital dos países pobres

se fecha no exterior, a necessidade de mão de obra se reduz, e a troca desigual e o

endividamento asseguram o resto. A modernidade tecnológica convive sem problemas

com exploração em grande medida pré-histórica. Nos próprios países industrializados, 

no chamado Ocidente que representa cerca de 15% da população mundial, a tensão entre 

aumentar a exploração e assegurar a capacidade de compra da população se colocou com força. 

Foi preciso o mundo capitalista dominante enfrentar a crise de 1929 para que se tomasse 

consciência de que não basta produzir, é preciso assegurar o consumo, para fechar o ciclo 

de acumulação de capital. As exportações para os países mais pobres, em troca de 

matérias primas, não seriam suficientes, e o New Deal de Roosevelt tem na sua essência 

a geração, por meio do Estado, de maior capacidade de compra por parte da população em geral. 

Sherwood, que escrevia os discursos do Roosevelt, detalhou o programa em brilhante livro,

Roosevelt and Hopkins. Hopkins era o importante na execução do New Deal.

A Guerra de Secessão, nos anos 1860, além da libertação dos escravos, tinha rompido o

ciclo colonial do algodão trocado por importações britânicas, interiorizando o ciclo de

reprodução de capital, nas novas relações entre o nordeste industrial e o sul produtor de

matéria prima. Mas foi o New Deal que gerou uma incorporação ampla da população

americana na prosperidade. O consumo na base da sociedade, financiado inicialmente

pelo Estado, gerou demanda, logo redução dos estoques acumulados nas empresas, e em

seguida a retomada da produção, logo aumento do emprego, gerando ainda mais

demanda, permitindo um ciclo de acumulação do capital desta vez de forma equilibrada.

Eric Hobsbawm, no livro A era dos extremos, detalha essa transformação econômica e

cultural.

Entre os aportes de Keynes que demonstrou a necessidade de se assegurar a demanda

agregada, o impacto do sucesso do New Deal, e o bom senso de um Henry Ford

afirmando que bons salários eram necessários para que os seus carros fossem

comprados, abriu-se uma nova visão, a do Welfare State, Estado de Bem-Estar. Não se

podia mais dizer que os trabalhadores não teriam a ganhar com o capitalismo. Por uma

vez, e em particular durante os 30 anos “gloriosos” do pós-guerra, tivemos uma

dinâmica impressionante nos países ricos, com o equilíbrio da capacidade de produção e

da demanda social, da dinâmica empresarial e do investimento público. Em termos

políticos, gerou-se a socialdemocracia.

Lembremos, uma vez mais, que para uma economia exportadora de bens primários que

importa bens industrializados, o mercado está no exterior, e as tecnologias substituem

empregos, assim que expandir os empregos e aumentar os salários dos trabalhadores

não seriam prioridades. Angola exporta petróleo e importa bens de consumo para as

elites. Na América Latina, quando se tenta democratizar a economia, voltam ditaduras.

Podemos ter democracia, conquanto não a usemos: o resultado é democracia política

formal, o voto, sem a democracia econômica. A pandemia apenas veio escancarar a

fratura econômica, política e social. No Brasil, hoje um dos maiores exportadores de

produtos agrícolas do mundo, temos 19 de milhões de pessoas que passam fome, e 116

milhões em situação de insegurança alimentar, em pleno 2022. Com um andar acima em

termos de tecnologia e de volumes de extração, chegamos a um novo tipo de tecnocolonialismo. 

Com algumas exceções como evidentemente a China, e também alguns

tigres asiáticos, a fratura planetária do capitalismo se tecnifica, mas se aprofunda. 




Estado, empresa e sociedade civil

Na realidade, como nos lembra Mariana Mazzucato no seu excelente O Estado

Empreendedor, a dinâmica dos anos gloriosos do pós-guerra foi fruto da forte

participação das iniciativas públicas. Por um lado, porque o Estado assegurou um

sistema tributário progressivo que permitia manter um razoável equilíbrio social, por

meio de um conjunto de políticas redistributivas. Por outro lado, o Estado assumiu uma

série de políticas como executor, em particular expandindo o acesso gratuito universal

aos serviços de saúde, à educação, à segurança, às infraestruturas básicas e outros

setores, que tanto melhoraram o bem-estar das famílias com o acesso aos bens e

serviços de consumo coletivo, como melhoraram a produtividade da economia ao

expandir infraestruturas como transporte, energia, telecomunicações, água e saneamento

básico, investimentos esses que facilitam muito o funcionamento das próprias empresas

privadas. Os sistemas públicos de pesquisa, que podem se dar ao luxo de desenvolver a

chamada pesquisa fundamental, nos trouxeram as principais inovações científicas, desde

o DNA até os microprocessadores, a informática, a internet e tantas outras

transformações tecnológicas. Até a telinha do celular que podemos manipular com um

dedo resulta de pesquisa em instituições públicas, ainda que para nós apareça como

Samsung ou Apple. O Estado não foi o problema, foi parte muito importante da solução.

As organizações da sociedade civil, tanto sindicatos como inúmeras organizações nãogovernamentais, 

complementaram o equilíbrio do conjunto, o que poderíamos chamar

de arquitetura social, processo decisório equilibrado pela convergência organizada dos

diferentes interesses. Essa dimensão muito subestimada do equilíbrio político geral é

essencial. Setores que se agigantaram na sociedade, como saúde, educação, segurança e

outras políticas sociais não se colocam nas prateleiras de supermercados, são serviços

capilares que têm de chegar a cada criança, a cada pessoa em cada rua, de maneira

diferenciada e personalizada, exigindo gestão descentralizada e participativa. A

sociedade organizada na base é essencial para o sistema funcionar. O sueco médio

participa de 4 organizações não governamentais, acompanha a escola do bairro, as

políticas ambientais, o orçamento da cidade. Kroeber, no seu excelente China’s

Economy, constata que a China é ainda mais descentralizada do que a Suécia.

Democracia resumida ao voto é uma construção frágil, quando não um engodo.


Este modelo de acumulação de capital, com um razoável equilíbrio do Estado, das

empresas e da sociedade civil, em que pesem as desigualdades e em particular os

dramas dos países em desenvolvimento, representou uma modelo de acumulação de

capital dinâmico e que ainda povoa o nosso imaginário quando falamos de capitalismo,

do modo de produção capitalista. Mas o capitalismo que hoje predomina mudou, e não

dá muita importância às nossas saudades. O essencial, ao examinarmos as

transformações em curso, é que o capitalismo da fase socialdemocrata explorava os 

trabalhadores, mas para explorar um trabalhador precisaria pelo menos assegurar-lhe

um emprego: é o condicionamento e limitação da mais valia extraída por baixos

salários. Por outro lado, para ter para quem vender os produtos, cujo volume se

expandia com as novas tecnologias, precisaria limitar a exploração, assegurar salários

mais decentes e políticas sociais, e gerar empregos.

Nesse modelo de acumulação, portanto, a apropriação do excedente social pelas elites

encontrava limites, tanto pela forma de geração de mais valia, baseada na exploração

salarial, como pela necessidade de manter uma elevada demanda agregada, para ter para

quem vender. Seria realista também lembrar que a presença de um urso poderoso no

Leste tendia a tornar os capitalistas mais flexíveis em termos políticos. Tudo isso iria

mudar, levando a um deslocamento profundo no cerne do modo capitalista de produção,

que é o mecanismo de acumulação do capital, a forma de geração e de apropriação do

excedente social.

Os “trinta anos gloriosos” do pós-guerra foram um sucesso, limitado aos hoje países

desenvolvidos, e duraram, precisamente, apenas 30 anos. Os capitalistas se apropriaram

da gloria do sucesso, proclamando o livre-mercado, a propriedade privada e a livreiniciativa 

como solução definitiva para a humanidade. There is No Alternative (TINA),

proclamou Margareth Thatcher. O Estado não é a solução, o Estado é o problema, ecoou

Ronald Reagan. Milton Friedman daria um lustro acadêmico com a profundidade do

The Business of Business is Business, os especuladores de Wall Street passaram a

repetir em todo fechamento da Bolsa o seu Greed is Good. Os economistas montaram

inúmeros modelos, baseados na simplificação de que não há sociedade, e sim

indivíduos, e de que os indivíduos podem ser simplificados como maximizadores de

vantagens individuais, tornando-se previsíveis. A economia política virou “ciência

econômica”. Nascia o neoliberalismo. Robert Reich resume: “A economia migrou de

produzir coisas para produzir instrumentos financeiros. Empreendedores de produtos

foram substituídos por empreendedores financeiros. ” O capitalismo hoje navega na

lembrança de um passado que funcionou, mas é passado, legitimidade emprestada.



O capitalismo financeiro

A fase do capitalismo razoavelmente equilibrado, nos países ricos, tanto com o New

Deal dos Estados Unidos desde os anos 1930, como de maneira mais generalizada no

pós-guerra, caracterizando o Estado de bem-estar, encerra-se praticamente no final dos

anos 1970, com a evolução muito acelerada para o hoje chamado neoliberalismo. Aqui

nos interessa a mudança no cerne do sistema, que é o mecanismo de apropriação do

excedente social. Na fase anterior, o capitalista, para enriquecer, precisava pelo menos

produzir e gerar empregos, e inclusive pagar impostos, o que enriquecia a sociedade. Na

fase que se inaugura no final dos anos 1970, o capitalista descobre que os mecanismos 

financeiros podem lhe garantir enriquecimento com muito menos esforço, e sem tantos

constrangimentos. Os últimos quarenta anos do capitalismo se caracterizam por um

aumento radical da desigualdade, uma explosão de fortunas no topo da pirâmide social,

e um ritmo muito fraco de crescimento, apesar dos impressionantes avanços

tecnológicos. O contraste destas mudanças estruturais é significativo, pois os avanços

tecnológicos, possibilitando o aumento da produtividade, deveriam permitir tanto a

aceleração do crescimento como o aumento geral da prosperidade. 


O gráfico acima apresenta a evolução do acesso à riqueza nos Estados Unidos. Os anos

80, como sabemos, foram considerados como “a década perdida”, mas o capitalismo

dominante estava se orientando para novas formas de acumulação, centradas no capital

financeiro. Em tom escuro, vemos a acumulação extraordinária de riqueza pelos 10%

mais ricos, no tom mais claro a evolução dos 50% a 90% que constituem

aproximadamente a classe média, e a linha milimétrica e estagnante na base do gráfico

mostra a paralisia econômica dos 50% mais pobres da população. São 30 anos de

acumulação radicalmente desigual, contrastando com a fase do pós-guerra. Não é

misterioso que a base da sociedade norte-americana, que nas últimas décadas, com

democratas ou republicanos, se viu excluída do processo, tivesse aderido com tanta

força à política do ódio, da anti-política.

A pandemia escancarou o processo, na medida em que o contraste entre a paralisia das

economias e o crescimento acelerado das fortunas tornou óbvio que o modelo de

acumulação se tornara disfuncional. Mas a transformação se dá desde os anos 1980.

Thomas Piketty traz os dados da World Inequality Database (WID): “Os tempos têm

sido particularmente acelerados para os que estão mesmo no topo nos Estados Unidos,

com a renda anual explodindo em 205% desde 1980 para o 1% superior, e em 636%

para o 0,001% superior.” 6 São dados absolutamente explosivos, sem relação com o

ritmo de expansão da produção de bens e serviços, de apenas alguns pontos percentuais. 


Trata-se de um enriquecimento em ritmo muito mais elevado do que o que permitia a

exploração do trabalhador, no quadro da tradicional mais-valia. Piketty deixa isso claro,

no mesmo texto: “A importância crescente da renda derivada do capital – e a crescente

concentração de riqueza – têm sido vetores chave da desigualdade. Os ricos estão

ficando mais velhos, e uma parte crescente da sua renda provém da propriedade de

capital passivo em vez de trabalho ativo.”

Importante aqui é que Piketty se refere à “renda que provém da propriedade de capital

passivo e não do trabalho ativo”, o que é profundamente diferente de lucro que provém

da reprodução ampliada do capital, de empresas produtoras de bens e serviços, que

geram valor superior aos seus custos, em particular explorando a mão de obra. Aqui, se

trata de “renda derivada de capital passivo”, com o ‘capital’ entendido como recurso

financeiro aplicado em produtos financeiros, rendendo juros e dividendos sem o aporte

produtivo correspondente. No ciclo de reprodução de capital que conhecemos, dinheiro

que gera processos produtivos, que por sua vez geram mais dinheiro, no clássico D – P

– D’ de Marx, a expansão produtiva tornou-se muito menos necessária para essa classe

de capitalistas. David Harvey escreve com razão que se trata de patrimônio, não de

capital, na medida em que não são recursos que giram e se ampliam no processo de

acumulação de capital. ‘Capital passivo” não é capital, mais bem ‘capital fictício’ como

o chamava Marx. É o próprio processo de acumulação de capital, central no conceito de

capitalismo, que se desloca.

Só o crescimento exponencial de enriquecimento por mecanismos financeiros poderia

assegurar este nível de enriquecimento no topo, sem base produtiva correspondente. O

Inequality.org mostra, por exemplo, que em 2020 a riqueza acumulada da metade mais

pobre da população americana era de US$1,1 trilhão, enquanto 719 bilionários detinham

US$4,56, mais de quatro vezes mais. São 719 pessoas. O número de bilionários no

mundo, em 2020, pulou de 660 para 2.750. Os 20 indivíduos mais ricos no mundo

detêm mais riqueza que toda a metade inferior da humanidade. Lembremos que o

crescimento anual efetivo da produção de bens e serviços no mundo é da ordem de

2,5%. Se tirarmos a China é menos ainda. A força do aporte de Thomas Piketty, no livro

O capital no século XXI, reside na demonstração de que quando as oligarquias, por

meio de processos financeiros, enriquecem em ritmo incomparavelmente superior ao

crescimento da economia real, se trata de uma extração de riqueza que reduz as

capacidades produtivas.

A apropriação do excedente social por oligarquias improdutivas, como vimos, existiu

em diversas épocas e com diferentes formas de organização social, mas volta hoje com

uma escala e um ritmo de enriquecimento novos. Não é nova a exploração da sociedade

por improdutivos, mas sim o fato do processo ter atingido dimensões que transformam o

conjunto da sociedade. Quando empresários, que poderiam investir na produção,

constatam que é mais lucrativo investir em produtos financeiros, ou lucrar com mais

dividendos sobre ações que eles mesmos recompram, é a base mesma da acumulação de 

riqueza que se desloca. Não mais o capitalismo de fortunas merecidas, na medida em

que geravam mais produtos e crescimento econômico: trata-se de rentismo.

Oren Cass, diretor executivo do thinktank conservador American Compass, se refere às

empresas que adotam o sistema como “Eroders”, que geram uma ‘erosão’ do próprio

sistema produtivo. “Um eroder é um tipo estranho de empresa que parece consumir os

seus próprios órgãos para o benefício de curto prazo dos seus acionistas. Ainda que nem

todas as empresas entrem nessa categoria, a grande maioria o faz, representando 90% da

capitalização de mercado do último meio-século.” Essa erosão, segundo Cass,

“representa uma grave ameaça à prosperidade futura da América.” Não é só no Brasil

que ocorre a desindustrialização.

“O problema, escreve Oren Cass, aparece quando o setor financeiro deixa de servir a

economia real e ao invés disso a economia real passa a servir o setor financeiro...Os

ativos da economia real tornam-se apenas o meio que o setor financeiro usa para

desenvolver uma variedade de atividades não-investidoras (non-investment activities)

para o seu próprio lucro...Empresas que não investem em si mesmas estão travando a

sua própria produtividade, o que implica em salários mais baixos para os seus

trabalhadores. Pagamentos massivos para os acionistas beneficiam essencialmente

(overwhelmingly) os ricos, que são donos da maior parte do dinheiro no mercado de

ações. ”

A visão de eroder, do capitalista que drena a própria capacidade produtiva da empresa,

se aproxima muito do conceito de parasita que mata o próprio hospedeiro, o killing the

host, de Michael Hudson: “Essas dinâmicas são diferentes das que regem o capitalismo

industrial, e na realidade solapam a economia industrial ao desviar recursos dela para

pagar ao setor financeiro e aos seus clientes rentistas.”10 No Brasil, o exemplo da

Samarco, que preferiu privilegiar o pagamento de dividendos aos acionistas e bônus aos

executivos do que melhorar a barragem, é neste sentido muito claro. Como a

remuneração dos executivos é diretamente ligada aos dividendos repassados aos 

acionistas, que são do Brasil, mas também de qualquer parte do mundo, nos chamados

“mercados”, gera-se uma solidariedade entre os dois níveis, acionistas e executivos, no

sentido de maximizar a dinâmica extrativa. O resultado é o prejuízo da própria empresa,

na sua capacidade produtiva, e aumento de riqueza financeira, que no caso deixa de ser

capital, e se torna patrimônio. O rentista moderno gosta de se qualificar de capitalista,

mas é mais próximo do Mercador de Veneza, do usurário financeiro, do que do capitão

de indústria do século passado. 



No gráfico acima, vemos que enquanto nos anos 1970 a remuneração dos executivos

americanos era 19,9 vezes o salário médio dos empregados, chega a ser 278,1 vezes

superior no período mais recente.11 A convergência de interesses entre acionistas que

recebem dividendos extorsivos, e os executivos das empresas, leva a uma explosão dos

níveis de remuneração dos dirigentes empresariais, às custas dos trabalhadores, mas

também às custas da capacidade de investimento produtivo das próprias empresas: é a

base da aliança entre os executivos das empresas produtivas – alguém tem de produzir –

e o universo financeiro de gestão de ativos. A mudança da orientação do processo

decisório nas empresas produtivas é essencial.

Marjorie Kelly e Ted Howard chamam este sistema de economia extrativa: “A nossa

economia é ‘do 1%, pelo 1% e para o 1%’ como o apresentou Joseph Stiglitz. No seu 

centro está o que nós, como coautores, chamamos de ‘viés de capital’ (capital bias), um

favoritismo relativamente aos donos de finanças e de riqueza que penetra invisivelmente

por todo o sistema. Podemos chamá-lo de economia extrativa (extractive economy),

pois está desenhado para assegurar que a elite financeira possa extrair o máximo de

ganhos para si, em qualquer parte do globo, sem atenção para o prejuízo causado para

trabalhadores, comunidades, e o meio ambiente.” Não são investidores no sentido

tradicional, produtivo, são “speculative investors” nos termos dos autores, “que detêm

ações por minutos e assumem direitos de proprietários”.

Michael Hudson foca precisamente esta dimensão de travamento da produção e em

particular da indústria: “Marx e muitos dos reformadores menos radicais que lhe foram

contemporâneos viam o papel histórico do capitalismo industrial como sendo o de

remover a herança do feudalismo – os latifundiários, banqueiros e monopolistas que

extraíam renda econômica sem produzir valor real. Mas aquele movimento de reforma

fracassou. Hoje o setor das Finanças, Seguros e Imobiliário (Finance, Insurance, Real

Estate, FIRE) recuperou o controle do governo, criando economias neo-rentistas. O

objetivo deste capitalismo financeiro pós-industrial é o oposto daquele do capitalismo

industrial bem conhecido dos economistas do século XIX: Ele busca riqueza

primariamente através da extração de renta econômica, não da formação de capital

industrial. O favoritismo fiscal para o imobiliário, a privatização do petróleo e da

extração mineral, a banca e os monopólios de infraestrutura aumentam o custo de vida e

de fazer negócio. O trabalho está sendo explorado crescentemente pela dívida à banca,

dívida estudantil, dívida do cartão de crédito, ao passo que a habitação e outros preços

são inflacionados com o crédito, deixando menos rendimento para gastar em bens e

serviços quando economias sofrem deflação da dívida. ”

Apresentamos essa citação mais longa do Michael Hudson, porque explicita um ponto

essencial do presente estudo: uma coisa é constatar a desigualdade explosiva, o aumento

radical da apropriação de riqueza no topo da pirâmide. Outra, é quando constatamos que

o enriquecimento resulta apenas parcialmente de atividades produtivas, e constitui

essencialmente uma apropriação por mecanismos financeiros. Repetindo, ‘ele busca

riqueza primariamente através da extração de renta econômica, não da formação de

capital industrial.’ Trata-se precisamente de ‘renta’, que resulta do rentismo

improdutivo, conceito que não se encontra no Aurélio e que apenas começa a aparecer

na literatura econômica brasileira, mas a distinção é essencial: ‘renta’ aqui é equivalente

a ‘rent’ em inglês (e não income) ou ‘rente’ em francês (e não revenu). Um capitalismo

que reinveste apenas marginalmente na reprodução ampliada do capital, desviando o

essencial dos recursos para a ampliação de fortunas pessoas improdutivas, ainda é o

mesmo sistema? 


O rentismo se torna dominante

Estamos acostumados a chamar de ‘capital’ todo valor acumulado, incluindo casas,

fábricas, ações, e diversos tipos de papeis financeiros. Mas o conceito de capitalismo

está baseado na sua inserção no processo de reprodução de capital, como no caso de um

fabricante de sapatos que investe o seu capital no ciclo produtivo, gerando empregos,

produtos e impostos: trata-se aqui precisamente de ‘acumulação de capital’. A

reprodução ampliada do capital gera enriquecimento social, ainda que gere também

exploração dos trabalhadores. Ter contas gordas, ações, casas e iates significa ter

patrimônio, riqueza (wealth) mas não capital. Riqueza tinham da mesma maneira os

aristocratas franceses, extraída de produtores reais, mas essa riqueza e os castelos não

eram capital inserido no ciclo de reprodução de capital. Constituíam um dreno, como

bem compreendiam os revolucionários franceses de 1789.

Joseph Stiglitz se refere à unearned income, que pode se traduzir por renda nãomerecida, 

e que constitui uma busca de renta, rent-seeking: “Prática de obter riqueza

não por meio de atividade economicamente válida, mas extraindo-a de outros,

frequentemente por meio de exploração. Os exemplos incluem o monopólio que cobra

em excesso pelos seus produtos (rendimentos de monopólio) ou empresas farmacêuticas

que conseguem que o Congresso passe uma lei que permite que cobrem preços muito

altos, bem como fornecer menos bens, serviços e inovação efetiva ao mercado. ”

Trata-se de rendimentos sem a contrapartida produtiva, e não há como chamar isso de

capitalismo. Envolve exploração sem dúvida, mas não é o mesmo que uma pessoa

tomar o risco de investir numa indústria para produzir, ampliando o capital próprio, mas

também a riqueza social.

Marx trata amplamente desta apropriação que esteriliza o capital, por exemplo quando

trata da usura e do capital fictício. Nessa análise, o que o capitalista produtor transfere

para o banco, é apresentado como uma repartição da mais-valia extraída do trabalhador.

O capitalista produtivo tomava crédito, gerando lucro para o banco, mas o próprio

crédito permitia os investimentos produtivos. Era o banco com função de fomento. A

mudança é profunda quando o sistema de intermediação financeira se torna em grande

parte parasita do processo produtivo, gerando fortunas que retornam muito parcialmente

para o processo produtivo. Não é mais o sistema financeiro que ajuda a empresa a

desenvolver a atividade produtiva, mas o sistema produtivo a serviço da acumulação

financeira. Nada que Marx não tivesse detalhado em termos de mecanismo, com a

diferença que o sistema financeiro se tornou dominante. A dominância leva por sua vez

a uma inversão sistêmica: a produção é atividade fim, a intermediação financeira é

atividade meio, e quando os meios se apropriam dos fins, teremos muitos lucros

financeiros, e menos produtos.

Montecino e Epstein, no Roosevelt Institute, estimam que apenas 10% do que é extraído

do processo produtivo pelo sistema financeiro voltam para a economia real.

Mariana Mazzucato estima que possa chegar a 15%. Mas de toda forma, mantém-se a imagem

usada pelos americanos, the tail is waiving the dog, o rabo está abanando o cachorro. O 

essencial do excedente produzido pela sociedade vai para não-produtores, e o modo de

produção precisa ser definido em função do principal modo de enriquecimento das

elites, que é constituído hoje por um conjunto de mecanismos de extração de renta, não

por acumulação produtiva de capital. A acumulação de capital pode hoje ser encontrada

de maneira muito mais clara na China, inclusive permitindo um ritmo impressionante de

desenvolvimento, do que no Ocidente ‘capitalista’. A China usa um sistema misto, mas

com o sistema financeiro canalizado para fomentar atividades produtivas.

Ellen Brown traz de maneira muito clara a mudança sistêmica, com a América passando

do “capitalismo de papai-mamãe” (mom-and-pop capitalism) para o que chamou de

techno-feudalismo: “Esses faraós dos últimos dias, os donos do planeta, os 5% mais

ricos – fazem com que o resto de nós pague todo dia pelo direito de viver no planeta

deles. E à medida que os fazemos mais ricos, eles compram ainda mais o planeta para

eles, e usam sua riqueza e poder para brigar entre eles por mais riqueza – apesar de,

naturalmente, sermos nós que temos de lutar e morrer na guerra deles. ”

O rentismo está no centro do palco, temos mais do que nunca ‘elites do atraso’, como as

chamou Jessé Souza, e não surpreende que o sistema atual tenha sido chamado de

techno-feudalismo por Ellen Brown, de neo-feudalismo por Joel Kotkin, de capitalismo

parasitário por Zygmunt Bauman, que leve ao grito indignado de The Triumph of

Injustice de Saez e Zucman, e tantas qualificações que se multiplicam. O essencial é

compreender que é o núcleo duro do conceito de capitalismo que se deslocou, mudando

o próprio processo de acumulação de capital. Não à toa o mundo estagna quando temos

tanta tecnologia e tanta riqueza – esta última em grande parte improdutiva. Capital

financeiro, capital extrativo, capital passivo, capital parasitário, tantas qualificações

encontramos, na busca de redefinir o sistema. Na realidade o capital subsiste, sem

dúvida, nas empresas produtivas, mas o conjunto do sistema, a lógica do

reinvestimento, obedece aos interesses de rentistas improdutivos, e os que se referem a

um novo feudalismo estão mais próximos da realidade. Há muita proximidade entre os

bailes de Versalhes e as reuniões de Viena de séculos atrás, e o atual glamour de Davos.

Não é misterioso, em termos de mecanismo, e na fase da pandemia, termos tanto

enriquecimento no topo da pirâmide, e Bolsas tão pujantes, quando as economias estão

paralisadas ou em queda. O divórcio entre o crescimento das fortunas e a estagnação da

produção mostra que um já não depende do outro. Otávio Ianni escrevia que “a política

mudou de lugar”. O capital também mudou de lugar. É o sistema que se desloca. Na era

das fábricas e do operariado no centro do processo econômico, podia-se batalhar pela

“socialização dos meios de produção”. Hoje precisamos resgatar o controle do rentismo

improdutivo: finanças, tecnologias, informação, comunicação. O eixo de luta se desloca.

Muitos lamentam com razão a desindustrialização do Brasil. Mas o essencial está no

sistema de financeirização e de intermediação de commodities que gera essa

desindustrialização ao mesmo tempo que fomenta a reprimarização. Mariana Mazzucato

e Robert Skidelsky deixam isso claro: “Deixadas por conta própria, as economias de

mercado tendem a favorecer atividades de curto prazo ou de rentismo — daí as

tendências radicais de financeirização e desindustrialização testemunhadas nas últimas

quatro décadas. ”

O capital vai para onde rende mais, e não é mais na produção.

Um editorial do Guardian aponta para a profundidade da transformação: “Hyman

Minsky foi um pioneiro na compreensão do controle da finança sobre a economia dos

Estados Unidos – a das consequências para a sociedade. Nos anos 1980, ele predisse o

surgimento do “capitalismo de gestão do dinheiro” e anteviu que os investidores

institucionais se tornariam mestres (masters) do universo. Hoje, estamos em um mundo

de “capitalismo gestor da máquina do dinheiro”, em que os algoritmos controlam a

compra e venda de títulos. O pioneiro nesta abordagem é a empresa americana

BlackRock, que é o maior gestor mundial de ativos e no ano passado se tornou também

da Grã-Bretanha. Os humanos ainda definem as regras que os computadores seguem.

Mas a inteligência artificial está diluindo a distinção. Os computadores gerem os

portfólios de investimento oferecendo fundos negociados em bolsas que

automaticamente seguem os índices de ações e títulos. Isso teve tanto sucesso que os

três grandes – as firmas americanas BlackRock, Vanguard e State Street – atualmente

gerem US$19 trilhões em ativos, aproximadamente um décimo dos títulos contados no

mundo.” 

A dimensão aqui é importante: os ativos dos três grupos acima, pouco conhecidos do

público em geral, BlackRock, Vanguard e State Street, são equivalentes ao PIB dos

Estados Unidos (21,5 trilhões), e representam cerca de quatro vezes o orçamento do

governo federal americano. Só a BlackRock tem ativos que em 2022 ultrapassaram 10

trilhões de dólares, mais de cinco vezes o PIB do Brasil. Nada produzem, intermedeiam.

São atravessadores, cobradores de pedágio sobre atividades produtivas. O comércio

mundial de commodities, por exemplo, está essencialmente nas mãos desses grupos.

Constituem os novos vetores de apropriação do excedente social. Ellen Brown, no texto

citado acima, ao buscar uma dimensão propositiva, foca essencialmente a

intermediação: “A reforma do sistema bancário é também outra importante ferramenta.

Bancos operando como uma utilidade pública poderiam alocar crédito para atividades

produtivas servindo os interesses públicos. Outras possibilidades incluem a aplicação da

legislação antimonopólio e a reforma da lei de patentes.” Rentas financeiras, rentas de

monopólio, pedágios sobre o conhecimento, pedágios sobre a comunicação, vigilância

social individualizada por meio de algoritmos, esses são alguns dos eixos dominantes de

apropriação do excedente social, que travam a capacidade de investimento produtivo.20

O sistema baseado na exploração dos escravos constituía um modo de produção

escravagista, o sistema baseado na exploração dos servos no quadro de feudos foi um

modo de produção feudal, o sistema baseado na exploração do operário em fábricas foi 

um sistema capitalista. O sistema que hoje enfrentamos, baseado na extração de renta

através do controle das empresas produtivas (absentee ownership, regime de

proprietários ausentes), da informação e do dinheiro, pode ser considerado um modo de

produção rentista, fruto da revolução digital. Isso é muito mais do que ‘indústria 4.0’. O

capital improdutivo, que se insere apenas marginalmente no processo de produção para

explorá-lo, não constitui o bom velho capitalismo que tanto denunciamos, mas que pelo

menos produzia, gerava empregos e pagava impostos.


***


Um sistema baseado na extração do excedente social por meio das diversas formas de

rentismo, em que a exploração do trabalhador pela mais valia deixa de ser dominante,

tampouco se interessa por criar emprego. Os avanços tecnológicos contribuem sem

dúvida a gerar desemprego pela simples dinâmica de substituição da força de trabalho,

mas o processo é bem mais amplo. No Brasil, com 214 milhões de habitantes, o

emprego formal privado se resume a 33 milhões de pessoas. Somando 11 milhões de

funcionários públicos, são 44 milhões, apenas 41% da força de trabalho de 106 milhões.

No conjunto estamos falando de uma massa de 60 milhões de adultos, em idade de

trabalho. A subutilização da força de trabalho, num país onde há tantas coisas por fazer,

é absolutamente chocante, mas se soma ao próprio processos de substituição

tecnológica. Voltaremos a esta questão mais adiante, pois se trata de um dos eixos

principais de resgate do desenvolvimento.

Na realidade, um sistema cuja principal forma de se apropriar do excedente social se dá

por meio de rentismo improdutivo, precisa cada vez menos de força de trabalho para ter

quem explorar. O vendedor de bugigangas na praia ou nas praças já anda com

“maquininha”, e paga o pedágio para os bancos em cada operação. O antigo

proletariado é hoje cada vez mais qualificado de ‘precariado’. O fato do dreno

financeiro ser feito em grande parte sem exigir aumento de produção e de emprego,

afeta diretamente a força de trabalho. A tendência é mundial. Na África do Norte, por

exemplo, o setor informal supera os 70% da população ativa.

O novo sistema é incomparavelmente mais destrutivo, gerador de desigualdade em

escala qualitativamente superior, e irresponsável quanto aos impactos econômicos,

sociais e ambientais. No essencial, perdeu a sua função de reprodução e expansão do

capital produtivo, do que Marx chamou de reprodução ampliada do capital. As fábricas

não desaparecem com a revolução digital em curso, como a agricultura não desapareceu

com a revolução industrial. Mas o eixo estruturante do sistema, a forma de apropriação

do excedente social, se desloca. Expandir a produção, os empregos e a correspondente

capacidade de compra da população, para poder escoar os produtos, passa a

desempenhar um papel secundário. Veremos a seguir como essas transformações se

concretizam em vários setores da economia. 



II – MECANISMOS DE EXPLORAÇÃO FINANCEIRA


Abaixo traçamos em breves linhas os diversos mecanismos que permitem o que Gar

Alperovitz e Lew Daly chamaram de “apropriação indébita”. São dinâmicas já bem

rodadas nos últimos 40 anos de neoliberalismo, mas que se expandem e atualizam

constantemente, à medida que avançam as tecnologias de apropriação e gestão de ativos

financeiros, e que se fragilizam os sistemas públicos de regulação, que se reforçam as

grandes plataformas com algoritmos que permitem a exploração individualizada e

diferenciada


O endividamento generalizado


Quando o endividamento ultrapassa a capacidade de pagamento da dívida, seja por juros

elevados ou por volume da dívida – e os banqueiros conhecem perfeitamente a situação

do cliente, seja família, empresa ou Estado – gera-se um processo permanente de

transferência de recursos, o chamado serviço da dívida, que leva por exemplo a dívidas

estudantis que pessoas aposentadas ainda estão pagando: os formandos passarão a vida

repassando parte dos seus salários para banqueiros, iludidos que foram pela perspectiva

de grandes ganhos que lhes proporcionaria o diploma, com a propaganda muito ativa

dos bancos. No Brasil, em 2003 a dívida das famílias equivalia a 18% dos rendimentos,

em 2012 chegou a 45%, nível não excessivo em termos internacionais, mas pagando

juros estratosféricos. O financiamento da pequena e média empresa seguiu o mesmo

ritmo, levando ao estrangulamento financeiro. Ampla pesquisa de fins de 2016, sobre o

endividamento privado (famílias e pessoas jurídicas) apresentou o volume de recursos

extraídos da economia real pelos bancos: 1 trilhão de reais, em um ano, equivalentes na

época a 16% do PIB. Somando 6% de juros sobre a dívida pública, é um quinto do PIB

transformado em lucros financeiros improdutivos.

Em 18 de dezembro de 2016, o Estado de São Paulo trazia a manchete: “Crise do

crédito tira R$ 1 tri da economia e piora recessão”. Apresentamos esses dados com

análise detalhada no A Era do Capital Improdutivo, para o caso brasileiro, mas o

endividamento generalizado das famílias, das empresas e dos Estados é planetário, e

envolve tanto o endividamento interno como internacional. Grande parte da

humanidade trabalha para alimentar intermediários financeiros. E as pessoas se

esquecem que o dinheiro emprestado ou é da própria sociedade, ou é simplesmente

emitido, sob forma de sinais magnéticos – dinheiro hoje virtual – pelos próprios bancos,

que cobram juros sobre um dinheiro que não lhes custou nada. São atividades-meio, 

custo líquido para a sociedade que só se justificaria se o aporte para a acumulação do

capital fosse maior do que a extração.

Uma pessoa emitir dinheiro constitui um crime, pois adquire um poder de compra sem

ter contribuído com produção. Os bancos hoje emitem dinheiro. O papel-dinheiro

impresso pelos governos hoje representa, como ordem de grandeza, 3% da liquidez. Os

97% constituem apenas anotações nos computadores, dinheiro virtual, emitido pelos

bancos. Quando um banco nos cobra caro por um dinheiro que não precisou pagar, os

acionistas passam a adquirir um poder de compra sem ter precisado contribuir com a

produção. Lembrando que o Lehman Brothers entrou em falência quando tinha emitido

27 vezes mais dinheiro, sob forma de empréstimos, do que tinha em caixa. O banco

faliu, bastou algumas empresas retirarem seu dinheiro para quebrar, mas os acionistas

embolsaram os dividendos. Com a crise de 2008, os bancos receberam trilhões como

resgate, dinheiro público, dinheiro que podia ter sido utilizado para infraestruturas e

políticas sociais.

A massa da população tem pouca escolha, em particular quando se privatizam as

políticas sociais. Segundo Eric Toussaint, “Bancos privados e outras instituições

privadas investiram muita energia no desenvolvimento de uma política de empréstimos

para pessoas comuns que buscam empréstimos porque as suas rendas são insuficientes

para pagar a educação superior ou os cuidados de saúde. Nos Estados Unidos, a dívida

estudantil chegou a US$1,7 trilhões, com US$165 bilhões de inadimplência sobre

empréstimos estudantis, quando grande parte das garantias são sujeitas a condições

abusivas. ”

Para se apropriar do excedente social, o banco não precisa gerar emprego, e cada vez

menos gerar crédito produtivo: empregados ou não, no Brasil 62 milhões de adultos

estão atolados em dívidas, dos quais 25% em bancarrota pessoal. Com a pandemia,

famílias e empresas em situação crítica se atolaram mais ainda, sem ter como escapar da

agiotagem. Os trabalhos de Varoufakis mostram como a extorsão funciona no nível

internacional, no caso da Grécia.


Extração de dividendos

A lógica aqui é próxima da lógica do endividamento. As pessoas que compram ações

consideram que estão financiando uma empresa, e com isso favorecendo as atividades

empresariais. Mas quando a remuneração das ações (os dividendos), está no limite do

excedente que a empresa gera, ela perde capacidade de reinvestimento. O mecanismo

permite entender por exemplo a dinâmica econômica do Brasil e de outros países, em

que a economia não cresce, mas a Bolsa está bombando, gerando mais rendimentos para

os acionistas. A tragédia de Mariana, em que a Samarco preferiu aumentar os

dividendos dos acionistas, e consequentemente os bônus dos executivos, em vez de

investir na segurança da barragem, é característica. A BP, depois do vazamento no

Golfo do México, para pagar as multas nos Estados Unidos, preferiu vender campos de

petróleo, descapitalizando a empresa, do que reduzir os dividendos dos acionistas. Os

exemplos não faltam.

Aplicação financeira não é investimento, no sentido de construir uma estrada ou uma

fábrica ou uma escola, atividades que geram aumento do capital acumulado da

sociedade. Trata-se, precisamente, de aplicação financeira, ainda que os bancos

qualifiquem de ‘investimento’ qualquer atividade especulativa. Da mesma forma, renta

gerada por habilidade em lidar com papéis financeiros não é a mesma coisa que lucro

sobre um processo produtivo que gera capital fixo, produto, emprego e impostos.

Marjorie Kelly, em livro de grande impacto publicado em 2003, deixa claro o novo

mecanismo: “No desenho do sistema do capitalismo aristocrático, os CEOs são

contratados por acionistas e dirigidos por conselhos para focar apenas um objetivo:

maximizar os retornos dos acionistas. Os executivos são pagos apenas quando atingiram

esse objetivo...Temos hoje indignação (outrage) quanto à falta de legitimidade dos

ganhos dos CEOs. Mas em nenhum lugar encontramos indignação quanto à falta de

legitimidade dos ganhos dos acionistas, pois se trata do sol em volta do qual o sistema

gira. Questioná-lo é questiona o direito divino do capital. ”

A autora explicita que esse tipo de apropriação de recursos equivale à apropriação

indébita dos senhores feudais: “Os detentores de ações se apropriam de uma riqueza

para a criação da qual pouco contribuíram, de forma parecida como os nobres

proclamavam privilégios para os quais não trabalharam...Em vez de capitalizar

empresas, o mercado de ações as descapitaliza. Os detentores de ações durante décadas

têm representado um imenso dreno da liquidez das corporações. Eles são a mais morta

da madeira morta. É até incorreto falar dos detentores de ações como investidores, pois

em verdade são extratores. Quando compramos ações não estamos contribuindo com

capital: estamos comprando o direito de extrair valor. ”

 Lembremos que, como ordem de grandeza 85% das aplicações financeiras estão nas mãos dos 10% mais ricos. 

 É um pedágio generalizado sobre processos produtivos.



Monopólio de demanda: o poder das plataformas


O dinheiro, como vimos, é hoje representado por sinais magnéticos. O dinheiro virtual

permite apropriação de fragmentos de praticamente todas as atividades econômicas por

meio de pedágios financeiros. No caso dos cartões de crédito, no Brasil, onde

antigamente o dinheiro da compra saia do bolso do cliente diretamente para o caixa do

comerciante, hoje com o pagamento por cartão de crédito o banco drena cerca de 5% do

valor da compra, sem produzir nada. Na modalidade “débito”, o dreno é da ordem de

2,5%. Com dezenas de milhões de transações diárias com cartão, o volume se torna

muito elevado. O Dieese calcula que com essas e outras tarifas, sem contar os juros, os

bancos pagam uma vez e meia a sua folha de pagamentos. Em outra era tecnológica não

seria viável inserir pequenos drenos em tantas operações dispersas, mas com a moeda

digital é só colocar a instrução no computador para drenar pequenas quantias de dezenas

de milhões de pessoas. “Enter”. Essa micro-drenagem atinge a todos, sem gerar

atividade econômica ou empregos.

Uma drenagem semelhante é imposta às transferências internacionais para famílias.

Milhões de pessoas hoje trabalham nos Estados Unidos ou na Europa e fazem

regularmente remessas para os países de origem. Trata-se de pequenos montantes, feitos

por pessoas simples, e os intermediários cobram, como ordem de grandeza, 7% do valor

remetido, quando os custos, simples envio de sinais magnéticos no computador, se

contam em centavos por remessa. Trata-se de mais um pedágio que consiste apenas

numa instrução no computador.

A expansão da economia das plataformas, onde antes dominavam unidades

empresariais, generalizou a microdrenagem de maneira dramática. Inúmeros serviços

não são mais comprados, adquire-se o direito de acesso. Jeremy Rifkin escreveu um

excelente livro sobre essa transformação, A Era do Acesso. Pagamos mensalidades para

ter acesso a filmes no Netflix, recebemos inúmeras ofertas com propostas de

mensalidades baixas, inclusive alguns meses gratuitos no início. O fato é que esses

microdrenos se somam, cortar o vínculo é burocraticamente irritante, e aqui são

centenas de milhões pessoas que veem as suas contas no banco reduzidas, quer utilizem

os serviços ou não.

A BBC é paga, pelo preço do custo. Um britânico paga pelo serviço, que é público, e

tem boa programação sem publicidade, no que tem sido qualificado de “a melhor

televisão do mundo”. Nas TVs comerciais, a TV aberta se apresenta “sem custos”, mas

o pagamento é simplesmente indireto. A publicidade que interrompe os programas

representa custos para as empresas que promovem os seus produtos, custos que são

incorporados nos preços dos produtos que compramos. De toda forma o dinheiro sai do

nosso bolso, mas de forma indireta. E temos de enfrentar os intervalos publicitários,

pagos do nosso bolso.

O básico hoje, em termos de acesso aos serviços de comunicação, é o acesso à internet,

a uma linha de celular, e a canais de TV minimamente decentes. Os pacotes oferecidos

estão na mão de algumas empresas apenas, que cobram o que querem pois se trata de

serviços essenciais e porque constituem um oligopólio. Aqui também não é algo que

compramos, e sim uma mensalidade que passamos a pagar para ter “acesso”, para estar

conectado. Os custos são ridículos se comparados com os preços cobrados, simples 

retransmissão de sinais. Não à toa o mexicano Carlos Slim tem uma fortuna na altura do

Bill Gates. É um intermediário da comunicação. No Brasil controla a Claro.

As maiores fortunas mundiais hoje não são mais baseadas em atividades produtivas,

mas de intermediação do dinheiro, e de intermediação da comunicação. O Facebook,

por exemplo, é gratuito na aparência. As fortunas que fluem para a empresa vêm da

publicidade, que é paga por empresas que as incluem nos custos de produção, da mesma

forma que no caso da TV aberta, e terminam saindo do nosso bolso. Aqui tampouco

temos opção, se trata de ‘monopólio de demanda’, ou seja, somos obrigados a utilizar o

que os outros utilizam, o que leva a uma situação em que a empresa lucra com bilhões

de pessoas que pagam os custos, incorporados nos produtos que compram. As

gigantescas fortunas que surgem da uberização da economia fazem parte desta

capacidade técnica de colocar drenos de tantas coisas pequenas que pagamos, dinheiro

que flui para as sedes mundiais dos grandes grupos, plataformas de pedágio. Estamos

falando aqui das maiores fortunas do mundo, no sistema que permite que fragmentos do

que ganha um simples entregador com a sua moto ou sua bicicleta seja aspirado para os

grandes grupos mundiais.

O fato é que em grande parte o capitalismo de pedágio não exige esforços por parte de

quem cobra, o dinheiro é deduzido da conta bancária, do salário, ou incorporado no

preço da compra, ou disfarçado como tarifas que nos parecem módicas, e o resultado

são fortunas monumentais que resultam de simples intermediação. Não é inevitável.

Lembremos que um serviço essencial e de uso diário generalizado é o WorldWideWeb,

o www que colocamos em qualquer comunicação, não gera nenhum custo. É

administrado por um consórcio mundial sem fins lucrativos, e é nessa rede sem custos

que navegam os serviços comerciais que drenam as nossas contas. Tim Berners-Lee,

criador do WWW, se recusou a cobrar tarifas de intermediação, dizendo que

simplesmente não faria sentido: a comunicação é de utilidade pública.


Privatizações e apropriação de recursos naturais


As fortunas modernas encontraram na narrativa de que o Estado mínimo é melhor, o

caminho para se apropriarem de riqueza sem precisar investir, herdando a baixo custo

um capital construído pelo setor público com os recursos públicos. É o caso em

particular da apropriação de extração mineral, produtos naturais que fazem parte da

nação, e que são exportados em bruto, rendendo imensas fortunas para os acionistas. O

Banco Mundial desde 1993 propõe contabilizar a extração de petróleo, por exemplo,

como descapitalização do país, e não como aumento do PIB.

O caso da Petrobrás constitui um exemplo. Das negociações que se desenrolaram na

primeira década do milênio, resultou uma legislação importante: o petróleo sendo da

nação, os lucros da sua venda deveriam ser canalizados para financiar o

desenvolvimento do pais, haveria ‘partilha’ e não entrega. Com a privatização, as 

reservas servirão para alimentar dividendos de acionistas do Brasil e do resto do mundo,

resultando em rentismo improdutivo, e aparência de progresso ao aumentar o PIB.

A privatização da Eletrobrás segue no mesmo caminho. O Brasil possui uma base

importante de produção de energia hidroelétrica, e realizou, com os impostos da

população, infraestruturas de grande porte, tanto de geração como de transmissão e de

capacidade de gestão. “Estimativas calculam que o valor de mercado da Eletrobrás é de

pelo menos R$ 400 bilhões, podendo chegar a R$ 1 trilhão. E o governo quer entregar

por R$ 60 bilhões... A Eletrobrás tem R$ 15 bilhões em caixa e, graças a seus bons

indicadores financeiros, pode tranquilamente alavancar mais R$ 40 bilhões. Tem total

condições de realizar novos investimentos. Desde 2019, já distribuiu R$ 7,6 bilhões só

em dividendos.”  Aqui também, há uma apropriação de bens públicos sem a

contrapartida correspondente, e recursos gerados com investimento público passarão a

alimentar com proporção radicalmente superior grupos financeiros não produtivos, que

poderão inclusive aumentar preços – prioridade dos acionistas – e encarecer a energia

elétrica tanto para famílias como para empresas. O preço do quilowatt seguirá o preço

do botijão de gás.

A tendência é planetária, gerando mais apropriação do excedente social e dos recursos

naturais por grupos financeiros improdutivos. George Monbiot apresenta essa dinâmica:

“Cortar o financiamento das repartições, eliminar as equipes e descartar os expertos que

as apoiavam, fechar programas de pesquisa, perseguir os funcionários públicos que

permanecem, o estado que odeia a si mesmo está destruindo o próprio aparato de

governo. Ao mesmo tempo, está destruindo as proteções públicas que nos protegem do

desastre...As forças que ameaçam destruir o nosso bem-estar são também as mesmas

por toda parte: essencialmente o poder de lobby dos grandes negócios e do grande

dinheiro, que veem a administração pública como um impedimento aos seus interesses

imediatos.”


Os investidores institucionais privados que adquiriram a empresa pública irão sem

dúvida explorar os trabalhadores, na linha da mais-valia tradicional, mas a sua posição

de força lhes permitirá gerar renta de monopólio, sob forma de dividendos e de preços

mais elevados, que todos os cidadãos irão pagar. 



Apropriação dos bens e serviços de consumo coletivo


Em economias que funcionam de maneira razoável, o bem-estar das famílias depende

em grande parte do acesso gratuito a bens de consumo coletivo. Como ordem de

grandeza, podemos dizer que 60% do conforto familiar depende do dinheiro no bolso,

que permite fazer as compras, pagar o aluguel, coisas que permitem que nos sintamos

mais seguros e donos das nossas vidas. Mas os outros 40% constituem o que tem sido

chamado de salário indireto, e consiste no acesso aos bens de consumo coletivo.

Precisamos de segurança, mas não se compra a delegacia de polícia. Temos de ter 

acesso aos serviços de saúde, não só curativos como preventivos, sob forma de

saneamento básico, controle de emissões, restrição aos agrotóxicos e antibióticos na

nossa comida. O acesso à educação precisa ser generalizado, gratuito, público e

universal, toda criança precisa ter a sua chance na vida, e a desigualdade do acesso trava

o imenso potencial de contribuição econômica e social da massa mais pobre da

população, constituindo uma esterilização das possibilidades de desenvolvimento.

Thomas Piketty trabalha com razão a desigualdade educacional no mesmo nível crítico

que a desigualdade de renda e de patrimônio.

O rentismo nessa área surge, no Brasil como em outros países, do fato que as restrições

do acesso aos bens de consumo coletivo obrigam as famílias a se voltarem para os

serviços privados. É o caso, por exemplo dos planos privados de saúde. Ainda que

representem solução adequada para os mais ricos, que querem ter um serviço sob

medida, a saúde privada deixa de fora a ampla maioria da população. A lei do Teto de

Gastos, ao reduzir os recursos do SUS, por exemplo, força as pessoas a contratarem

planos privados, ainda que estejam no limite em termos de renda. A fragilização da

educação pública tende a ter o mesmo efeito, empurrando os pais a se sacrificarem para

assegurar um melhor futuro para os seus filhos, com uma base mais sólida de

conhecimentos. A guerra contra as universidades federais tende a ter o mesmo efeito, de

forçar mais clientes para o que se tornou uma indústria do diploma. Uma geração de

estudantes que saem das universidades com grandes dívidas, para descobrir que o

emprego sonhado não é garantido, faz pouco sentido.

Não são médicos os que comandam os planos privados de saúde, nem educadores no

caso das escolas, e sim grupos financeiros. A revista Forbes apresenta as fortunas

pessoais acumuladas em 2019. Carlos Wizard tem uma fortuna pessoal de 3 bilhões de

reais: “Wizard voltou ao mundo da educação em 2017, com a compra de 35% da Wiser

Educação, dona das redes WiseUp e NumberOne, do também bilionário Flávio Augusto

da Silva. Em abril deste ano, o grupo vendeu participação minoritária do grupo para o

Itaú, por meio do seu fundo de investimentos Kinea, por 200 milhões. ” Educadores?

É importante notar que se trata de negócios, numa era em que o acesso à educação está

se tornando fundamental. Chaim Zaher acumulou uma fortuna de 2,5 bilhões, vendendo

as marcas Dom Bosco, Pueri Domus, Name e COC para a financeira britânica Pearson

por 888 milhões, e a rede de ensino superior UniSEB para o grupo Estácio por 615

milhões. (p.101) O paraibano Janguiê Diniz é o principal acionista da Ser Educacional,

abriu capital na Bovespa em 2013, comprou a Univeritas de Minas Gerais em 2016, e

investe em educação a distância, uma grande indústria com baixos custos, elevados

lucros, e frágeis resultados educacionais.

Na área da saúde é característico o comportamento de Paulo Sérgio Barabanti, com uma

fortuna de 1,6 bilhão, que vendeu a Intermédica para a private equity norte-americana

Bain Capital, se retirou da atividade e vive da fortuna acumulada. Para que se tenha uma

ordem de grandeza, uma pessoa que aplica a fortuna de 1 bilhão para um módico 

rendimento de 5% ao ano está ganhando 137 mil reais por dia, de mão no bolso. É o

caso igualmente de José Seripieri Filho, com uma fortuna de 1,2 bilhão, que fez fortuna

com a Qualicorp, que administra planos de saúde coletivos no Brasil. Repassou a

atividade para outros, e passou a viver do rendimento de ações. É um comportamento

generalizado: empresários que começaram uma atividade produtiva, vendem a empresa

para grupos financeiros, muitas vezes estrangeiros, como a Pearson na área da

educação, ou a BlackRock na área da saúde, e passam a viver do rendimento das ações.

As empresas, por sua vez, passam a ser utilizadas para extrair o máximo de dividendos.

Os 11 bilionários que vivem de explorar o setor da saúde acumularam uma fortuna de

56,88 bilhões de reais. As empresas que gerem essas fortunas buscam extrair o máximo.

A educação dos jovens e a saúde das famílias constituem apenas uma fonte. The

business of business is business.

O raciocínio pode ser aplicado a numerosos setores. Tanto o conforto das famílias como

a produtividade das empresas dependem por exemplo de ruas asfaltadas, de redes de

estradas e semelhantes. O essencial aqui, é que grande parte das infraestruturas foi

construída com recursos públicos, permitindo rendimentos mais elevados do setor

privado sem que as empresas tenham contribuído significativamente para os custos. A

produtividade sistêmica de um país, e o lucro ampliado das empresas, dependem muito

das infraestruturas e dos serviços de consumo coletivo, lucro líquido para as empresas,

que irão se referir apenas à própria criatividade e ao poder mágico dos ‘mercados’. Essa

dimensão simplesmente não aparece nas contas econômicas, mas sim nas análises de

Hazel Henderson, que apresenta a necessidade de ajuste na contabilidade nacional,

incluindo a contribuição produtiva das infraestruturas geradas pelo setor público.

Mariana Mazzucato e Robert Skidelsky denunciam a política fiscal contracionista, e

resgatam esse papel das políticas públicas: “A crise do covid-19 tornou as falhas do

modelo ortodoxo ainda mais óbvias, ao ressaltar a grave deficiência de bens públicos,

desde a infraestrutura básica de saúde até equipamentos de proteção individual...Agora

que o COVID-19 expôs os danos causados pelo paradigma anterior, é hora de começar a

mapear uma nova era de investimento público para remodelar nosso cenário

tecnológico, produtivo e social. Deixadas por conta própria, as economias de mercado

tendem a favorecer atividades de curto prazo ou de rentismo — daí as tendências

radicais de financeirização e desindustrialização testemunhadas nas últimas quatro

décadas.” Quando corporações usam serviços públicos mas praticam a evasão fiscal,

trata-se do free-riding de rentistas. 


Evasão fiscal

O dinheiro ganho pelos rentistas gera imensas fortunas sem contribuição produtiva, mas

também sem pagar impostos. O sistema econômico em geral depende em grande parte

de capital público acumulado, hoje muito amplo nos países ricos, mas também no

Brasil, sob forma de infraestruturas energéticas, de transportes, de comunicação, de 

saneamento, além dos sistemas de saúde, educação, segurança e outros que são

essenciais para a sociedade como um todo. O excedente produzido pela sociedade

depende vitalmente do capital público acumulado. Essa base essencial da produtividade

econômica foi financiada com recursos públicos, e pagar os impostos constitui um dever

tanto do cidadão como das empresas que usam essas infraestruturas. Boas

infraestruturas reduzem custos de produção, constituindo economias externas para as

empresas. Mas as grandes fortunas têm suficiente força política para evitar de pagar a

sua parte.

No caso Brasileiro é absurda a lei de 1995 que isenta de tributação lucros e dividendos

distribuídos. Mas o caso dos magnatas mundiais não é muito diferente, como se viu com

os dados fiscais dos maiores bilionários americanos vazados em 2021. Um sistema

infantil de simples permite uma evasão gigantesca: nos Estados Unidos, os bilionários

mantêm as suas fortunas em ações, imóveis, objetos de luxo, que só seriam taxados

quando vendidos. “O sistema tributário dos Estados Unidos foca na renda, não no que é

chamado de ganhos não-realizados sobre ações não vendidas, imóveis ou outros

ativos...Ninguém entre os 25 mais ricos evitou tanto imposto como Buffett, o ancião

centibilionário. Isso talvez seja surpreendente, dada a sua imagem pública como

advogado de impostos mais elevados para os ricos. De acordo com a Forbes, a sua

riqueza aumentou em US$24 bilhões entre 2014 e 2018. Durante esses anos, os dados

mostram, Buffett informou ter pago US$23,7 milhões em impostos. Isso representa uma

alíquota efetiva de 0,1%, ou seja, menos de 10 centavos para cada US$100 que ele

acrescentou à sua riqueza.” Os dados do ProPublica mostram que o comportamento é

generalizado, envolvendo as maiores fortunas.

Robert Reich, que foi secretário do trabalho de Clinton, mostra a relação entre a evasão

fiscal absurda – quanto mais ganham, menos pagam – e a apropriação do processo

decisório público nos Estados Unidos: “A bomba que representou o relatório do

ProPublica sobre o fato dos super-ricos americanos pagarem pouco ou nada em

impostos revela não só a sua riqueza espantosa como também a forma como traduziram

essa riqueza em poder político para encolher os seus impostos para quase nada.”

Eric Toussaint, um especialista em dívida, traz com clareza o impacto dos ricos não

pagarem impostos sobre o crescimento da dívida pública: “A dívida pública continua a

explodir em volume porque os governos estão se endividando massivamente para evitar

de taxar os ricos no pagamento das medidas de resistência à Covid-19, e não demorarão

a retomar a sua ofensiva de austeridade.” Mariana Mazzucato apresenta os

mecanismos que permitem que as corporações usem recursos desenvolvidos no setor 

público, cobrando dos consumidores pelo que não produziram, e sonegando impostos

sobre os lucros obtidos.


Paraísos fiscais

Os paraísos fiscais jogam um papel hoje fundamental na perda de controle por parte dos

Estados. O exemplo da Microsoft é ilustrativo do comportamento geral das grandes

corporações: “Uma subsidiária irlandesa da Microsoft teve um lucro de US$315 bilhões

no ano passado mas não pagou imposto sobre corporações já que é ‘residente’, para

efeitos tributários, em Bermuda. O lucro gerado pela Microsoft Round Island One é

igual a quase três-quartos do PIB da Irlanda – ainda que a empresa não tenha

empregados. A subsidiária, que recolhe direitos de licenciamento para o uso de software

da Microsoft sujeito a copyrights, apresentou um lucro anual de US$314,7 bilhões no

ano até o final de junho de 2020, de acordo com as contas prestadas na Irish Companies

Registration Office.” A Microsoft não era uma empresa americana?

O Roosevelt Institute aponta igualmente o peso dos paraísos fiscais e a perda de

controle público sobre as grandes corporações, na ausência de instrumentos

multilaterais de regulação: “A legitimidade das instituições econômicas multilaterais

depende de elas produzirem resultados que líderes de estados soberanos e democráticos

possam abraçar. Quando corporações multinacionais transferem US$1,38 trilhões dos

seus países de origem para paraísos fiscais como Luxemburgo ou as Ilhas Cayman para

evitar de pagar impostos, e companhias como Facebook detêm um poder

desproporcional nas nossas democracias, as instituições multilaterais podem e devem

servir como poder coletivo de contrapeso para prevenir a extração de riqueza às

expensas da nossa população...Agora é o tempo de nos movermos para além da ordem

neoliberal e para uma nova era de igualdade e justiça. Agora é o momento de

reescrevermos as leis internacionais.” Felícia Wong, do Roosevelt Institute, estima que

precisamos de um novo Bretton Woods, e lembra corretamente que as opções

pertencem a nós como sociedade, são regras (rules) e não “leis” econômicas

imaginárias: “Os resultados econômicos são o produto de instituições políticas, de

escolhas humanas, e de regras que estruturam os mercados.” 

Depois de anos de hesitações, em meados de 2021 finalmente aparece no horizonte uma

proposta de uma taxa de 15% sobre os lucros das corporações transnacionais. Dani

Rodrik resume: “O acordo do G7 tem dois eixos. Primeiro, propõe um imposto mínimo

de 15% sobre as maiores corporações. Segundo, uma parte do lucro global dessas

corporações será trazido de volta aos países onde fazem os negócios, 

independentemente da localização das suas sedes físicas.”  A importância da decisão

do G7 é sem dúvida o fato de possibilitar financiamento adicional de políticas públicas,

mas também do fato dos fluxos financeiros internacionais passarem a ser registrados, e

o Economist avalia que se trata de uma restrição drástica ao papel dos paraísos fiscais

em geral. Mas por enquanto o sistema segue se expandindo, como se constata nas

sucessivas revelações do ICIJ sobre os Panama Papers, Paradise Papers e Pandora

Papers.


Para quem pensa que a evasão fiscal por meio de paraísos fiscais é um processo

marginal, o Economist traz os números básicos: ”Um estudo de 2018 concluiu que cerca

de 40% dos lucros das multinacionais realizados no exterior são artificialmente

transferidos para países de impostos baixos. Um funcionário envolvido de perto nas

discussões atuais pensa que o acordo que está tomando forma poderia “praticamente

matar os paraísos”...A parte dos lucros no exterior das multinacionais registrados nos

paraísos fiscais subiu de 30% duas décadas atrás para cerca de 60% hoje.” São 60%

dos lucros, e dobrando em duas décadas.

Apresentamos os dados de forma mais detalhada no livro A Era do Capital

Improdutivo. O que nos interessa aqui, é que esses recursos não fazem parte de um

processo de reprodução do capital, é literalmente dinheiro gerando dinheiro, processos

extrativos que asseguram uma apropriação radicalmente mais intensiva do excedente

social por elites improdutivas. Lembremos que Marx, no livro II de O Capital,

considerava essa evolução para a ampliação do capital fictício como previsível. O que

para nós é essencial, é que o capital fictício, tornando-se dominante, com capacidade

inclusive de se apropriar das políticas públicas, e prejudicando a acumulação produtiva

do capital que era central no sistema capitalista, apresenta dinâmicas estruturalmente

diferentes quando se torna dominante. Neste mundo governos nacionais enfrentando

dinheiro global. Gerou-se o caos financeiro, um cassino especulativo insustentável. 


Outros drenos

A breve apresentação das formas de apropriação improdutiva do excedente social que

aqui desenhamos pode ser expandida. Por exemplo, a manipulação das pessoas, que

ainda chamamos inocentemente de marketing, transformou-se em gigante econômico.

Envolve a análise detalhada e comercialização dos nossos comportamentos, canalização 

individualizada de mensagens comerciais e políticas por meio de algoritmos, que geram

a força econômica do Alphabet, com quase dois de trilhões de dólares (mais do que o

PIB do Brasil), ou do Facebook, acima de 1 trilhão. Esse dreno financeiro atinge o bolso

de cada um de nós, ao ser incorporado, pelas empresas que usam esses serviços, nos

custos de produção do que compramos. Usar o Face aparece como gratuito, mas os

custos são cobrados de todos nós, indiretamente. Custos reduzidíssimos, lucros

desproporcionais. É rentismo de intermediação da comunicação, mas também poder.

Usar o Facebook, Meta, é gratuito, a publicidade é gratuita, mas todos pagamos os seus

custos e os seus lucros ao pagarmos qualquer produto. 

É igualmente importante estudar o dreno financeiro que representa a especulação

imobiliária, tão bem apresentada no Brasil por Ermínia Maricato. Gigantescas fortunas

são colocadas ao abrigo do fisco ao serem investidas em imóveis. As áreas nobres de

Londres, por exemplo, têm inúmeras residências que pertencem a magnatas dos mais

diversos países, esperando valorização. A cidade de Vancouver, no Canadá, viu os

custos de habitação explodir sob pressão de capitais chineses aplicados em imóveis, em

geral não habitados, apenas reserva de valor que aumenta à medida que a pressão

demográfica aumenta. É enriquecimento que não acrescenta disponibilidade de

habitações, e sim gera apropriação especulativa. A compra de terras por grupos

financeiros gera também encarecimento do seu uso para a agricultura. O verbete na

Wikipédia sugere o óbvio: “Um imposto sobre o valor da terra remove os incentivos

financeiros para a posse de terra parada apenas para valorização, tornando mais terra

disponível para usos produtivos. ”  O rentismo drena investimentos que poderiam ser

produtivos.

Aparece hoje como igualmente importante o dreno financeiro que constituem os direitos

sobre as mais variadas tecnologias e o conhecimento científico, por meio de patentes,

copyrights e royalties dos mais diversos tipos. Estudamos esta dimensão no artigo Da

propriedade intelectual à economia do conhecimento, e Mariana Mazzucato apresenta

uma excelente sistematização no já citado O Estado Empreendedor. Hoje generalizouse 

a compreensão de que o sistema de patentes, longe de recompensar a inovação,

tornou-se um entrave: assegurar um monopólio de 20 anos sobre uma ideia podia ser

realista há um século atrás, mas com o ritmo de hoje, como se constata no escândalo das

patentes sobre vacinas contra a Covid-19. Travar o acesso ao conhecimento científico 

quando este se tornou o principal fator de progresso econômico e social, é

profundamente contraprodutivo. Gerou-se um autêntico capitalismo de pedágio. 


***


Não se trata de discussão semântica. Pois muito além da exploração salarial, temos de

entender melhor os mecanismos atuais de apropriação do excedente social por meio do

endividamento generalizado, do aumento extorsivo dos dividendos, de intermináveis

patentes, da evasão fiscal, dos paraísos fiscais, da apropriação do capital natural do

planeta, da microdrenagem de recursos por tarifas, das taxas sobre transferências

internacionais, de cobranças sobre os cartões de crédito, do rentismo dos monopólios,

dos monopólios de demanda, da especulação imobiliária, do comércio de informações

pessoais, da manipulação publicitária individualizada e outros mecanismos que

entendemos muito menos, e que somos individualmente incapazes de enfrentar. Um

salário extorsivo pode levar a uma greve, lutas, paralisia e acordos com a empresa.

Quem é extorquido por uma taxa elevada de juros vai manifestar frente a uma agência

bancária? Uma parte importante do que você pagou no Uber vai para grupos financeiros

nos Estados Unidos. Não é preciso fazer um cheque ou uma ordem de pagamento: é

automático. O dinheiro imaterial é muito fluido, e vaza por todos os lados. Quanto mais

os intermediários privados drenam os nossos recursos, mais desviam a nossa atenção

para os impostos.

É importante lembrar que o sistema financeiro mundial não gera os seus lucros apenas

ganhando dinheiro com dinheiro (pecunia pecuniam parit, diziam os antigos). Exemplo

prático: eu, em São Paulo, paga 200 reais pelo dia da minha faxineira. Ela tem

problemas de saúde, e com a fragilização do SUS pelo governo, passou a pagar um

plano privado de saúde. No caso, o grupo financeiro que controla esse plano de saúde

tem a BlackRock como acionista. Ou seja, parte do dinheiro que pago para a minha

faxineira vai contribuir para os acionistas da BlackRock em qualquer parte do planeta.

São formas muito diversificadas de microdrenagem de dinheiro que penalizam bilhões

de pessoas. Alguém tem de pagar pelos gigantescos lucros da indústria de gestão de

ativos e outros agentes financeiros que hoje dominam: as novas tecnologias permitem

fazer funcionar uma teia de drenos que atinge a base da sociedade em qualquer parte do

planeta. Cada um de nós contribui quando faz um pagamento com cartão, ou toma um

Uber. A desigualdade tem sólidas raízes e estamos todos nos debatendo na teia.

A transformação nas formas de exploração nos obriga a repensar e redirecionar nossas

frentes de luta. Com a pandemia, por exemplo, tornou-se evidente o caráter explorador

da grande indústria farmacêutica, e as pessoas passaram a se dar conta da importância

de repensar o sistema de patentes. O pagamento quase nulo de impostos pelos

bilionários improdutivos mostra a que ponto é importante gerar um sistema articulado

de cobrança internacional. O travamento do acesso ao conhecimento científico por parte

dos oligopólios mostra a necessidade de expandir o Creative Commons, Open Access e

outros mecanismos colaborativos e gratuitos de comunicação científica. O

endividamento generalizado das famílias, das empresas e dos Estados aponta para a

necessidade de assegurar, por meio de finanças públicas e de finanças de proximidade,

que os recursos sejam direcionados para o desenvolvimento sustentável. O peso da

indústria de gestão de fortunas (asset management industry) e de ativos financeiros em

geral, BlackRock e semelhantes, precisa ser drasticamente reduzido: o dinheiro não é

deles, e são gestores de capital improdutivo.

A lógica geral propositiva, é que quando os mecanismos de apropriação do excedente

social se deslocam, mudam também as frentes de luta para que os recursos, que são da

sociedade e não dos intermediários, voltem a servir à sociedade. Em outros tempos a

luta era por socializar os meios de produção, as fábricas. Hoje o poder sobre as próprias

fábricas de deslocou: o desafio principal está nos gestores improdutivos que se

apropriaram do conjunto, inclusive em boa parte do sistema público, como por exemplo

do Banco Central no Brasil.

Um desafio particularmente complexo, é que o dreno dos recursos econômicos da

sociedade pelos intermediários dos mais diversos tipos, afeta também a base política das

transformações. As grandes plataformas de comunicação e os sistemas online de

serviços financeiros, e inclusive o sistema de exportação primária atual, geram

pouquíssimos empregos. Estamos na era da uberização, do telemarketing, dos empregos

precários e da massa de trabalhadores subutilizados, conforme vimos, porque os

sistemas de pedágio econômico que passaram a predominar simplesmente não precisam

de muitos trabalhadores. “O que há de novidade no mundo do trabalho no Brasil é

justamente a plataformização, que joga uma pá de cal no processo histórico de

flexibilização e precarização do trabalho, agora em parceria com financeirização,

dataficação e racionalidade neoliberal.”49 A força social de transformação que

representavam os trabalhadores formais nas grandes empresas diminuiu em número,

ficou mais fragmentada em segmentos especializados, é frequentemente manejada a

distância por algoritmos, e os sindicatos e diversas formas de representação se

fragilizaram. O precariado nos leva a um outro conceito de luta de classes.

E a revolução digital, que caracteriza os novos tempos, nos leva a pensar no potencial

de uma mudança cultural profunda na sociedade, deslocando o eixo principal de

relações sociais baseado na competição, para uma sociedade centrada na colaboração.

Não se trata aqui de um sonho humanista, e sim do fato que numa sociedade em que o

principal fator de produção é o conhecimento, os processos colaborativos são

simplesmente muito mais produtivos do que competição. Robin Ahnel resume:

“Campanhas que já estão em curso podem começar com a transição da economia da

competição e ganância (greed) para a economia de cooperação equitável. ” 50 Grohmann

apresenta as numerosas iniciativas no resgate do potencial da conectividade para uma

gestão colaborativa em rede: “As plataformas cooperativas podem ser de trabalhadores,

consumidores ou multilaterais, o que mostra as múltiplas possibilidades nos seus

desenhos institucionais.” São novas frentes de luta, muito além do nível de 

remuneração. O processo tecnológico não irá se reverter, precisa ter o seu sentido

político revertido para que sirva à sociedade, e não às próprias plataformas.

Essa transformação tem sólida base: quando o principal fator de produção é o

conhecimento, que com a conectividade online pode ser replicado ao infinito sem custos

adicionais para quem o produziu, podemos generalizar o acesso, remunerando apenas os

custos iniciais da sua geração, e multiplicando os benefícios por milhões de utilizadores.

Na China, no quadro do CORE (China Open Resources for Education), um inovador

recebe um bônus da instituição, e o avanço é repassado para toda a rede de

universidades e de centros de pesquisa, assim que ninguém fica reinventando a roda,

todos trabalham na crista da inovação. Gera-se um ambiente colaborativo

sistemicamente inovador. Wikipédia, Open Access, Creative commons, OCW do MIT e

tantas outras experiências, apresentadas entre outros no livro Wikinomics, apontam para

um caminho muito mais equilibrado e produtivo.

O processo de construção interativa e colaborativa de conhecimento em rede é mais

justo, pois permite reduzir o impacto de atravessadores que travam o acesso a um

conhecimento que poderia multiplicar a produtividade de outros agentes. Gar Alperovitz

e Lew Daly trazem aqui uma excelente análise, no livro Apropriação Indébita,

mostrando por exemplo que se não fossem os avanços sobre a tecnologia do transistor e

do microprocessador desenvolvidos por outros, um Bill Gates estaria na sua garagem

brincando com tubos catódicos. Pagamos fortunas por um produto para o qual a sua

empresa contribuiu muito pouco, aproveitando conhecimentos desenvolvidos por outras

instituições e centros de pesquisa, e destruindo competidores. Hoje somos forçados a

utilizar o Word, por exemplo, simplesmente porque temos de utilizar o que os outros

usam. Não há mercado nem competição, apenas monopólio de demanda e rentismo. Até

quando ficaremos pagando esse pedágio? O conhecimento é uma construção social, e o

seu retorno deve ser para a sociedade. O objetivo não é controlar o conhecimento, é

liberá-lo dos atravessadores. 

A conectividade planetária permite muito mais gestão horizontal em rede, no lugar das

gigantescas pirâmides de poder verticalizado. A riqueza do planeta, fruto dos avanços

científicos e do desenvolvimento da capacidade produtiva, atingiu um nível que hoje

permite que todos vivam de maneira digna e confortável, bastando para isso uma

redistribuição moderada de riqueza, e em particular o controle do dreno financeiro por

parte de agentes econômicos improdutivos. A guerra de todos contra todos, o homo

homini lupus, com as tecnologias modernas de guerra, de sabotagem cibernética, de

manipulação biológica, das técnicas de vigilância, nos apresenta um horizonte

destrutivo. Somos todos tripulantes da espaçonave terra, mas há os que preferem ser

passageiros de luxo, ou até comandantes, e estão destruindo a própria nave.

A exploração por meio de salários baixos, a tradicional mais-valia extraída dos

trabalhadores, continua sem dúvida presente. Mas a apropriação do excedente social se

ampliou radicalmente, por parte de atravessadores de diversos tipos, que cobram 

pedágio sobre praticamente todas as nossas atividades, quer contribuam produtivamente

ou não. Não há dúvidas quanto ao poder financeiro, midiático, militar e até de controle

das pessoas pelos algoritmos individualmente direcionados, por parte dos gigantes

corporativos. Mas é também fato que são não só improdutivos, como destroem a nossa

base natural de sobrevivência, nos jogam numa situação de desigualdade explosiva,

obrigam a massa da população a recorrer a atividades humilhantes para sobreviver no

setor informal, isso quando a riqueza acumulada, os conhecimentos científicos e as

tecnologias modernas permitem que o mundo se desenvolva de maneira sustentável e

equilibrada.

Em particular, não há nenhuma razão econômica para tanta destruição, violência e

sofrimento. Uma conta simples ajuda: os 90 trilhões de dólares que representam o PIB

mundial, divididos pela população mundial de 8 bilhões de pessoas, equivalem a 20 mil

reais por mês por família de quatro pessoas. No Brasil, o equivalente é 11 mil reais por

mês. Com uma moderada redução das desigualdades, com o que produzimos hoje

poderíamos assegurar a todos uma vida digna e confortável, e financiar medidas para

parar de destruir o planeta. A catástrofe em câmara lenta que vivemos não é

inevitável. Não se trata de “leis” econômicas, são escolhas. Thomas Piketty deixa isso

claro: “A desigualdade é antes de tudo uma construção social, histórica e política. Dito

de outra forma, para o mesmo nível de desenvolvimento econômico ou tecnológico,

existem sempre múltiplas formas de organizar um sistema de propriedade ou um regime

de fronteira, um sistema social e político, um regime fiscal e educativo. Essas escolhas

são de natureza política. ” 

Como escreveu Martin Wolf, economista chefe do Financial Times, este sistema perdeu

a sua legitimidade. É um gigante financeiro, mas com pés de barro por travar o

desenvolvimento. Cabe a nós batalhar por uma sociedade que faça sentido, olhando o

potencial colaborativo que se abre com a revolução digital. Construir o futuro é mais

promissor do que tentar consertar o passado. A história da humanidade tem sido

dominada por minorias que se apropriam do excedente social e que geram sucessivas

narrativas ou contos de fadas para justificar a exploração. E para os que não acreditam

em contos de fadas, naturalmente, há o porrete. Mecanismos de exploração, narrativas e

o porrete continuam ativos. É tempo de nos civilizarmos. 


III – A SUBUTILIZAÇÃO DOS POTENCIAIS EXISTENTES

O capitalismo financeiro é eficiente em extrair recursos, mas deixou de ser um eficiente

organizador dos processos produtivos. Pode ser eficiente no nível interno de

organização de uma empresa, no sentido de maximização do retorno financeiro, mas a

sua ineficiência sistêmica é simplesmente impressionante. Keynes, nos anos 1930 já, se

espantava de tanta gente parada com tanta coisa por fazer. Hoje esta compreensão é

mais atual do que nunca. Ficarmos aguardando que os mercados “resolvam”, reduzindo

impostos, eliminando mecanismos de regulação, fechando os olhos sobre os desastres

ambientais e a desigualdade explosiva que provocam, é um contrassenso. A inclusão

produtiva se organiza, aproveitando todos os recursos, tanto os mecanismos de

mercado, como o planejamento e regulação públicos, e os sistemas participativos da

sociedade civil. Um enfoque muito útil, trabalhado em particular por Ignacy Sachs,

consiste em inventariar os recursos subutilizados, o potencial parado ou mal aproveitado

que existe no país. Isso permite ter uma visão de conjunto, uma compreensão das peças

que precisam ser articuladas.

A subutilização de fatores de produção no Brasil, tema que envolve tanto a economia

como a política, e tem tudo a ver com a dimensão estrutural dos nossos dramas. É uma

visão prática. Qualquer pessoa que já administrou uma empresa, um projeto, um

território, ao ver pessoas paradas, máquinas paradas, terra subutilizada, capital sem

utilidade, pensa em como articular o conjunto. É uma questão de organização, não de

esperar a fada da ‘confiança’. O capitalismo atual é de uma ineficiência sistêmica

impressionante. 



A subutilização da mão de obra

Voltamos aos números que vimos acima, com mais detalhe. A realidade é chocante:

neste país de 214 milhões de habitantes, o emprego formal privado, com carteira

assinada (excluído trabalho doméstico) se resume a 33 milhões de pessoas. Somando

11 milhões de funcionários públicos, são 44 milhões, apenas 42% da força de trabalho

de 106 milhões. A subutilização da força de trabalho constitui uma dimensão

particularmente gritante da nossa fragilidade econômica, pois se trata, para além do

drama social, de uma enorme insensatez econômica. A Síntese de Indicadores Sociais

2019 do IBGE traz uma seção sobre essa questão.

Como ordem de grandeza, temos 40 milhões de pessoas no setor informal. Segundo o

IBGE, a renda desses trabalhadores é a metade da renda que o trabalhador formal 

aufere. São pessoas que no essencial “se viram”. Ser ‘empreendedor individual’ sem

dúvida frequentemente assegura uma aparência mais digna à subutilização, mas vemos

na própria uberização e terceirizações irresponsáveis o que isso pode significar. E temos

15 milhões de pessoas formalmente desempregadas. Somando os 40 milhões do setor

informal e os 15 milhões de desempregados, são 55 milhões, a metade da força de

trabalho. A esse contingente precisamos acrescentar o imenso desalento, pessoas que

estão em idade de trabalho, mas desistiram de procurar, e ainda as pessoas classificadas

como empregadas, mas que trabalham apenas algumas horas.

No conjunto, a subutilização da força de trabalho, num país onde há tantas coisas por

fazer, é absolutamente chocante. Em cada um dos 5.570 municípios do país, temos por

exemplo pessoas desempregadas e terra parada. Não é complicado pensar que se possa

organizar um cinturão verde hortifrutigranjeiro em torno de cada um, simplesmente

articulando os fatores de produção parados. Em Santos, no tempo de David Capistrano,

acompanhei o projeto em que os desempregados da cidade foram cadastrados e

organizados na Operação Praia Limpa, que permitiu realizar as obras de saneamento,

tirando os esgotos dos canais pluviais, o que recuperou a balneabilidade das praias, e em

consequência o turismo, a atividade hoteleira e semelhantes, transformando uma

operação temporária em empregos permanentes. O prefeito não ficou esperando “os

mercados”: gerou a base da sua dinamização. Exemplos não faltam, planejamento

econômico e social consiste em boa parte em articular fatores subutilizados.

Um argumento ideológico sempre buscou justificar a desigualdade com a falta de

iniciativa dos pobres: o pobre não precisa que lhe ensinem disposição para trabalhar,

precisa de oportunidades. Isso envolve planejamento e iniciativas públicas, em vez de

discursos ideológicos. 


A subutilização da terra

O censo agropecuário de 2017 nos dá outra dimensão da subutilização dos fatores. O

Brasil é imenso. Os 8,5 milhões de quilómetros quadrados correspondem a 850 milhões

de hectares. Segundo o censo, 353 milhões de hectares constituem estabelecimentos

agrícolas. Nesses, 225 milhões de hectares constituem solo agricultável, portanto

disponível para atividades produtivas, tanto pela qualidade do solo como pela

disponibilidade de água. O que choca, é que somando a lavoura permanente e

temporária, o uso produtivo no sentido pleno ocupa 63 milhões de hectares.

Arredondando, temos 160 milhões de hectares de solo agrícola parado ou subutilizado.

Essa área representa 5 vezes o território da Itália. Precisamos desmatar a Amazônia?

Quem conhece a Europa ou a China e viaja pelo interior do Brasil, fica espantado com

as gigantescas áreas de terra parada, ou subutilizada.

Grande parte dessa terra parada ou subutilizada é ocupada pela pecuária extensiva. O

limite entre terra produtiva e improdutiva gerou um amplo debate devido à pressão

secular pela reforma agrária no país. Usar imensas regiões com quase um hectare por

cabeça de gado gera sem dúvida fortunas para os conglomerados agroexportadores de 

carne, mas para quem conhece formas modernas de criação de gado semi-confinado,

com as unidades de pecuária plantando forragem, o desperdício torna-se evidente.

Numa imensa parte do Brasil, o solo constitui apenas a base para um rentismo

improdutivo. A pecuária extensiva gera pouquíssimo emprego, poucos impostos, e está

articulada com os grandes traders internacionais de commodities.

Um resgate do ITR, Imposto Territorial Rural, que no Brasil constitui uma ficção,

permitiria sem dúvida estimular a produtividade: como na Europa e em outras regiões, o

fato de pagarem impostos sobre terra parada estimula os proprietários a utilizá-la de

maneira mais produtiva, ou vendê-la para quem produza. Em particular, é preciso

tributar o rentismo, em que se valorizam terras com a simples expansão de

infraestruturas e da urbanização. Em Imperatriz do Maranhão, mais de 80% dos

produtos nas gôndolas dos supermercados vêm de São Paulo, enquanto em volta da

cidade dormem imensas extensões de terra parada, que se valoriza passivamente com a

expansão urbana. Estamos esperando que “os mercados” resolvam?


A subutilização do capital


Tão gritante como a subutilização da força de trabalho e da terra no Brasil, é a

subutilização do capital, que se transforma em patrimônio familiar e aplicações

financeiras em vez de investimentos produtivos. Isso trava o desenvolvimento de

infraestruturas, a produção de bens e serviços e o emprego. No Brasil são raros os que

fazem a distinção tão essencial entre aplicação financeira e investimento produtivo. Em

francês, a diferença entre placements financiers e investissements é bastante clara. O

Economist, por falta de conceito de aplicação financeira, distingue speculative

investments e productive investments. Mariana Mazzucato utiliza financial investments

para caracterizar a diferença. O fato é que no Brasil o que os bancos chamam de

investimento constitui uma imensa esterilização dos nossos recursos. Especuladores

gostam de se chamarem de ‘investidores’.

Os 315 bilionários brasileiros apresentados na edição especial da Fortune são

essencialmente donos de holdings, acionistas, controladores de fundos de investimentos,

donos de cotas acionárias, e naturalmente banqueiros ou acionistas de bancos. Grande

parte são simplesmente herdeiros. A intermediação financeira transformou-se entre nós

em autêntica extorsão. Um dos principais mecanismos são as taxas usurárias de juros,

representando como ordem de grandeza ao mês o que no resto do mundo se cobra ao

ano. Exemplos de custo efetivo total de crédito apresentados pela ANEFAC

(Associação Nacional de Executivos de Finanças, Administração e Contábeis) incluem,

para pessoa física em dezembro de 2021, 81% em média no crediário comercial, 347%

no cartão de crédito, 141% no cheque especial, 55% no empréstimo pessoal nos bancos.

A título de comparação os juros sobre cartão de crédito no Canadá eram 22% ao ano,

reduzidos por ordem do governo para 11% com a pandemia. No Brasil, neste início de

2022, atingem quase 350%. Nas financeiras, onde no andar de baixo muita gente vai

buscar dinheiro de emergência, o crédito pessoal atinge 120%. Na Europa se situa na

faixa de 5% ao ano. 

Para pessoa jurídica a média apresentada é de 51%. Todas essas taxas estão no mesmo

nível desde 2013, independentemente das variações da taxa básica de juros (taxa

Selic). O resultado é que duas forças essenciais de propulsão da economia, a demanda

das famílias e o investimento das empresas, se viram drasticamente reduzidas, ainda

antes da pandemia, que apenas agravou a extração improdutiva. Lembrando que o

último ano de crescimento significativo da economia brasileira foi 2013, de 3,0%. Com

a ofensiva contra a fase desenvolvimentista e distributiva em 2013 e 2014, a guerra da

Lavajato e o caos pré- e pós-eleitoral, a economia brasileira está no nono ano de

paralisia. O dreno dos recursos pelos grupos financeiros desarticulou a economia e a

mantém parada.

Em termos de teoria econômica, o conceito de financeirização se tornou essencial. Os

trabalhos de Thomas Piketty, de Joseph Stiglitz, de Marjorie Kelly, de Ann Pettifor, de

Ellen Brown, de Hazel Henderson e de tantos outros permitiram uma reviravolta depois

de 40 anos de dominância do discurso neoliberal. A base é simples: a produção de bens

e serviços, o PIB no mundo, aumenta em cerca de 2% a 2,5% ao ano. Os rendimentos

de aplicações financeiras em volumes elevados se situam entre 7% e 9%. Entre juros e

dividendos, ganhar dinheiro, o grande dinheiro, se divorciou em grande parte dos

processos produtivos. O capital vai para onde rende mais. O mecanismo básico de

apropriação do excedente social se deslocou: para explorar um assalariado, o empresário

precisa pelo menos gerar um posto de trabalho. Hoje o endividamento das famílias é

generalizado, as tarifas absurdas nos cartões atingem a todos. E os dividendos elevados

nas empresas produtivas tornam a expansão produtiva pouco viável.

O empresário efetivamente produtivo não precisa de “confiança” ou de discurso

ideológico, precisa de famílias com capacidade de compra, para ter para quem vender, e

de juros baratos para poder financiar a produção. No Brasil, ele não tem nem uma coisa

nem outra. Após tantos anos de Ponte para o Futuro em diversos formatos, as empresas

no Brasil estão trabalhando com 30% de capacidade ociosa. Harvey tem razão, o que era

capital, portanto dinheiro inserido no processo de acumulação produtiva do capital, hoje

é essencialmente patrimônio. Entre 2020 e 2021os 315 bilionários brasileiros

aumentaram os seus patrimônios em 700 bilhões, um aumento da ordem de 50% numa

economia parada. Já no início da pandemia, nos 4 meses entre março e julho de 2020, o

grupo mais restrito de 42 bilionários em dólares aumentou as suas fortunas em 180

bilhões de reais: é o equivalente a 6 anos de bolsa-família, para 42 pessoas, em 4 meses, 

em plena pandemia. Lembrando ainda que desde 1995 esse tipo de ganhos é isento de

impostos (lucros e dividendos distribuídos).

A dinâmica econômica da China, ou da Coreia do Sul, por exemplo, não constitui um

milagre, tratou-se simplesmente de assegurar a orientação dos recursos financeiros para

atividades produtivas. Um relatório da ONU resume a questão: ”A prosperidade para

todos não pode ser assegurada por políticos com visão de austeridade, corporações

centradas no rentismo e banqueiros especulativos. O que necessitamos urgentemente

agora é um novo pacto global. ”  O dinheiro tem de voltar a ser útil. 


A subutilização do potencial científico-tecnológico


Hoje o principal fator de produção é o conhecimento. O que está se formando é muito

mais do que uma ‘indústria 4.0’. A mudança é sísmica. Adotamos aqui a mesma visão

expressa no New Scientist: “A tecnologia tem um potencial tão grande que a expectativa

geral é que o seu impacto seja tão profundo quanto o da revolução industrial.” Não é

só o dinheiro que se desmaterializou, simples sinais magnéticos registrados em

computadores, é o conjunto da economia que desloca as suas formas de organização

para o que André Gorz chamou de “o imaterial”. Não é mais a General Motors e

semelhantes que dominam o jogo, são os sistemas de controle das finanças e das

tecnologias, o GAFAM nos Estados Unidos, o BAT na China, os SIFIs (Systemically

Important Financial Institutions). No centro da economia, não está mais a fábrica, estão

as plataformas, os gestores de fortunas, os controladores da comunicação e da

informação pessoal.

É impressionante o recuo do Brasil com a submissão aos Estados Unidos no caso da

tecnologia do G5, a desestruturação das capacidades de pesquisa da Petrobrás, o

fechamento do programa de formação de cientistas no exterior, o travamento das bolsas

de pesquisa e de pós-graduação, a venda mal abortada da Embraer, a transformação do

país em mero comprador de patentes: o recuo nesta área terá impactos avassaladores

sobre o futuro do país. Temos mais de um terço da população sem acesso à internet,

numa era em que ficar fora do sistema digital significa isolamento social e desconexão

com as dinâmicas econômicas. Ainda temos universidades em que os alunos tiram

xerox de capítulos acumulados nas pastas de professores.

Ainda travamos acesso aos textos científicos quando o MIT os disponibiliza na

plataforma OCW (Open Course Ware), a China no sistema CORE (China Open 

Resources for Education). O Japão há décadas possui sistemas online de apoio

tecnológico para pequenos produtores, inclusive de agricultura familiar. A Finlândia há

50 anos lançou o programa de generalização de elevação científico-tecnológica do país,

com programas educacionais públicos, gratuitos e universais. No Brasil ainda se discute

a privatização e distribuição de vouchers, proposta dos tempos de Ronald Reagan nos

Estados Unidos. A subutilização da imensa capacidade criativa da população, ao se

travar as oportunidades para a imensa maioria, constitui um crime contra as próximas

gerações, e demonstra uma profunda ignorância do que Jessé Souza chamou

adequadamente de A elite do atraso. 


A subutilização das políticas públicas


Celso Furtado tinha a ideia clara da importância do Estado e do planejamento. No nosso

caso, em nome de ideologias ultrapassadas, está se paralisando o país, mas também

comprometendo o seu futuro. A ideia do ‘Estado mínimo’ é simplesmente burra. Há

coisas que a empresa privada faz melhor, como produzir tomate, bicicleta ou automóvel.

Entregar para grupos privados serviços básicos como saúde, educação, cultura,

segurança e outras políticas sociais leva a perdas radicais de eficiência. O maior setor

econômico dos Estados Unidos é hoje a saúde, cerca de 20% do PIB. O custo dos

serviços americanos de saúde, em grande parte privatizados, é de 10.400 dólares por

pessoa por ano. No Canadá, onde os serviços de saúde são públicos, gratuitos e de

acesso universal, o custo é de 4.400 dólares. O Canadá está entre os primeiros em

termos de qualidade da saúde da população, no conjunto dos países da OCDE, enquanto

os Estados Unidos estão entre os últimos.

Mariana Mazzucato, no seu O Estado Empreendedor, e no mais recente The Value of

Everything, traz com força a importância do papel do Estado na promoção de políticas.

Não se trata do tamanho do Estado, e sim dos efeitos multiplicadores, em termos de

produtividade sistêmica do país, que pode assegurar um Estado forte e orientado pelos

interesses da nação. No nosso caso, com a apropriação de funções-chave do Estado por

grupos privados, e a liquidação da regulação financeira, é o conjunto das atividades do

país que é prejudicado, atingindo inclusive tantas empresas produtivas que apoiaram os

retrocessos políticos, acreditando no conto de fadas. Entramos na era da pandemia com

6 anos acumulados de marasmo econômico e social. Resgatar o papel do Estado como

indutor de desenvolvimento, resgatar a função do planejamento na articulação dos

recursos subutilizados, e em particular resgatar a regulação do sistema financeiro, para

que financie o que é necessário ao país, são pontos de partida simplesmente necessários.

É impressionante ler no editorial do Financial Times de 4 de abril de 2020, já em plena

pandemia, de que “os governos terão que aceitar um papel mais ativo na economia, e

devem ver os serviços públicos como investimentos, não como obrigações.” Aqui

economistas pré-históricos falam em Estado-mínimo e qualificam os serviços públicos

como “gastos”. 


***


No conjunto, a subutilização de fatores de produção no Brasil é impressionante, e torna

clara a dimensão central da paralisia econômica e social, que é a perda de produtividade

sistêmica. São imensos recursos parados, ou drenados de forma improdutiva, enquanto

o Estado, que é o principal articulador do conjunto, é imobilizado. As soluções residem

na organização da sinergia: juntar a terra parada e as pessoas paradas, mobilizar

finanças para assegurar o apoio científico tecnológico e compra de insumos

correspondentes, assegurar renda que dinamize a demanda para a produção crescente –

não há mistérios quanto às medidas a tomar. Em vez de bobagens como Estado mínimo,

privatização, juros elevados, prioridade às exportações ou teto de gastos, medidas que

enriquecem elites improdutivas, trata-se de orientar os recursos para onde terão efeitos

multiplicadores. O denominador comum dos países que funcionam, mesmo com

sistemas políticos diferenciados, é o de orientar a economia para o bem-estar das

famílias, mobilizando para isso não só as empresas como o Estado e as organizações da

sociedade civil.


IV – RESUMO DE POLÍTICAS: PROPOSTAS


Esta quarta parte sistematiza as propostas para uma sociedade que funcione, objetivo

que envolve tanto as dimensões econômicas, como de organização social e política, e

em particular um deslocamento da própria base cultural do que chamamos de

desenvolvimento. Agrupamos as propostas em quatro eixos: 1) a inclusão produtiva,

focando em particular o nosso principal dilema, a desigualdade; 2) os mecanismos

financeiros, focando as medidas necessárias para que os recursos sirvam ao

desenvolvimento equilibrado, e não apenas à alimentação de fortunas privadas; 3) a

modernização da gestão, dos processos decisórios hoje inoperantes, no sentido da

descentralização e da reapropriação pela base da sociedade, inclusive aproveitando as

novas tecnologias e a conectividade em rede; 4) e o repensar da base política de sustento

às novas dinâmicas de desenvolvimento inclusivo, em particular articulando as

desigualdades de renda, de riqueza, mas também regionais, de gerações, de raça, de

gênero, de sexualidade, buscando o resgate da dignidade humana para o conjunto da

sociedade: trata-se da dimensão político-cultural das transformações que temos pela

frente.



1) Inclusão produtiva

A inclusão produtiva como eixo estratégico está diretamente ligada à imensa

subutilização de fatores de produção que vimos acima. Lamentar o déficit público

quando se paralisou a fonte de recursos, que é a base produtiva do país, não faz sentido.

Ao fragilizar o consumo da população, ao travar o acesso às políticas sociais, ao reduzir

os investimentos em infraestruturas e ao aumentar o desemprego, o resultado é uma

paralisia geral. As propostas vão no sentido da dinamização da economia pela base,

gerando um ciclo virtuoso de desenvolvimento: renda, políticas sociais, investimentos

em infraestruturas e políticas públicas de emprego.


• Assegurar renda na base da sociedade

No Brasil de 2022 temos 19 milhões de pessoas passando fome, dos quais cerca de 25%

são crianças. Isso é um crime. Mas temos 116 milhões de pessoas em situação de

insegurança alimentar, ou seja, ora têm, ora não têm comida. Isso num país que produz

alimento para o exterior, simplesmente porque com a Lei Kandir, que isenta exportações

de impostos, e a valorização do dólar, exportar rende mais para os traders de

commodities. Mas faltam habitações, um déficit de cerca de 6 milhões de unidades, e

outros bens e serviços básicos, enquanto as empresas funcionam com uma capacidade

ociosa entre 25% e 30%, simplesmente porque não há mercado, ou seja, pessoas com

capacidade de compra. O fato é central para o desenho de uma estratégia de 

desenvolvimento, já que temos ao mesmo tempo necessidades não preenchidas e

subutilização de capacidade.

Colocar recursos na base das sociedade, por meio de uma renda básica, da elevação do

salário mínimo, com a reconstrução da previdência, a garantia de preços mínimos para o

pequeno agricultor – sabemos bem como assegurar um fluxo maior de renda para a base

da sociedade – gera bem-estar das famílias, dinamiza as empresas, amplia o emprego e

não gera inflação, como não gerou durante a fase de inclusão produtiva dos anos 2003 a

2013 no Brasil, nem nas outras experiências distributivas como o New Deal americano

ou o Estado de Bem-Estar de numerosos países.

Algumas coisas não podem faltar a ninguém: é um crime termos crianças e adultos

passando fome quando há comida, uma mãe não ter como pagar um medicamento para

os filhos, gente vivendo na rua em situações sub-humanas. O Bolsa Família foi um

imenso progresso, gerou formas eficientes de organização e controle, mas não podemos

ficar com famílias que ora não recebem, ora recebem 600 reais como em 2020, ou cerca

de 300 com diferenciações, ou ainda 400 reais, segundo fluxos e refluxos políticos: o

básico não pode faltar a ninguém, e a universalização do acesso a um mínimo é uma

questão de bom senso econômico, mas também de sentimento de segurança e de

tranquilidade essencial para a vida das famílias. Temos os recursos financeiros,

desenvolvemos todas as tecnologias necessárias de transferência e controle, e sabemos

que é politicamente certo e humanamente justo assegurar um fluxo estável, previsível de

renda para base da sociedade. Em particular, sabemos que num país de imensos recursos

subutilizados, dinamizar a economia pela demanda agregada é fundamental, e os

recursos financeiros retornam com sobras. Sugerir que se as pessoas tiverem uma renda

básica irão “se encostar” é um preconceito intolerável, inclusive desmentido pelos fatos:

trata-se de um piso, (floor, em inglês, é mais explícito), que permite que as pessoas

possam construir suas vidas.



Assegurar os investimentos em políticas sociais


O bem-estar faz famílias não depende apenas de dinheiro no bolso. Como ordem de

grandeza, 60% do equilíbrio econômico das famílias depende de poder pagar contas e

compras, mas os outros 40% dependem do acesso a bens de consumo coletivo:

precisamos de segurança, mas não se compram delegacias. Não se compram escolas,

hospitais, parques necessários ao convívio urbano, rios limpos, ruas arborizadas e tantos

serviços essenciais para uma vida digna. O Teto de Gastos e outras limitações de

prestação de políticas sociais de acesso gratuito universal constituem um contrassenso

econômico. Privatizações na área da saúde resultam na indústria da doença (vejam-se os

custos e ineficiência dos planos privados de saúde), na educação geram elitização e uma

autêntica indústria do diploma, na segurança geram milícias, como vemos tanto no

Brasil como nos Estados Unidos. 


Em vez de discursos ideológicos sobre ‘Estado mínimo’ e ‘redução de gastos’, temos de

resgatar a dimensão pública e de acesso universal a serviços que afinal são

absolutamente essenciais, como saúde, educação, segurança, e evidentemente a

sustentabilidade ambiental. Com exceção dos Estados Unidos, os países que funcionam

asseguram o acesso público, gratuito e universal simplesmente porque é

incomparavelmente mais desburocratizado e eficiente, como vimos acima na

comparação dos serviços de saúde entre o Canadá e os Estados Unidos.

Para o Brasil este resgate das políticas sociais através do Estado é particularmente

importante, na medida em que o acesso público, gratuito e universal, constitui uma

poderosa ferramenta de redução das desigualdades, nosso principal entrave estrutural. E

os impactos sistêmicos são imensos, na medida em que uma população mais saudável,

com níveis cada vez mais elevados de educação e conhecimentos científicos, com mais

acesso à cultura, não apenas tem melhor qualidade de vida, como se torna mais

produtiva. Qualificar políticas sociais como “gastos”, e colocar um teto, enquanto

recursos transferidos para os grupos financeiros são qualificados de ‘lucros e

dividendos’ e isentos de impostos, é simplesmente absurdo em termos econômicos,

ainda que compreensível em termos dos interesses das corporações financeiras que

drenam o país. Políticas sociais constituem investimentos de primeira importância para

o nosso futuro.


Ampliar investimentos em infraestruturas

As políticas sociais de acesso público, gratuito e universal são essenciais para o bemestar 

das famílias, que é o objetivo do desenvolvimento, mas também para a

produtividade de todo o sistema produtivo: mão de obra saudável, bem formada, riqueza

cultural, segurança, melhores equilíbrios sociais são essenciais para um ambiente

dinâmico de construção do país. Mas igualmente importantes são os investimentos em

infraestruturas, que tanto melhoram o conforto das famílias – com ruas asfaltadas,

sistemas públicos de transporte, infraestruturas de internet, acesso à energia barata,

sistemas de abastecimento de água e de tratamento de esgotos por exemplo – como

melhoram a produtividade das empresas. Neste sentido, o uso de recursos públicos pode

ser fortemente ampliado, pois ao gerar produtividade mais elevada, assegura o retorno

sobre o investimento. O essencial, naturalmente, é investir de maneira planejada de

forma a assegurar a elevação da produtividade sistêmica da economia.

O papel do Estado é fundamental, como se constatou nos investimentos em

infraestrutura tanto na Europa como na China, na Coreia do Sul e outros países: redes

integradas e articuladas de infraestruturas de transporte, de comunicações, de energia e

de água e saneamento asseguram economias externas para o conjunto das atividades

produtivas. As opções guiadas apenas por interesses privados, como no caso dos

transportes no Brasil, levaram a que o transporte das pessoas nas cidades seja em grande

parte individual, que o transporte de carga seja essencialmente por estrada e caminhão,

que o transporte interurbano de pessoas seja por avião – em todos os casos as opções

menos eficientes, comparadas com o transporte público de massa, a cabotagem e redes

ferroviárias para carga, e trens de grande velocidade para a mobilidade regional 

interurbana. Ou seja, com planejamento, há imensos ganhos em termos de

produtividade sistêmica a serem resgatados.

Aqui o Brasil tem tanto os recursos financeiros – investimentos que aumentam a

produtividade retornam – como as capacidades técnicas, aliás fragilizadas pelos grupos

corporativos que se apropriaram da política. E a reorganização das infraestruturas no

país pode ser fonte de um conjunto de iniciativas intensivas em mão de obra, políticas

que geram ao mesmo tempo melhor produtividade sistêmica pela qualidade das

infraestruturas, renda para as famílias pelos empregos gerados na construção das

infraestruturas, e dinamização da demanda agregada na base da sociedade. 


Políticas públicas de emprego


A imensa massa de recursos humanos subutilizados constitui um desafio e uma

oportunidade: como sugeriu Celso Furtado, quando a produção de uma pessoa é zero,

qualquer atividade é lucro. A Operação Praia Limpa, organizada há décadas pelo

prefeito de Santos David Capistrano representa um exemplo que pode ser multiplicado

por todo o país, segundo as circunstâncias: foi feito um cadastro dos desempregados e

subempregados do município, e com recursos do município foram realizadas obras de

saneamento básico e limpeza das praias, contaminadas pelos esgotos dos prédios,

ilegalmente conectados com galerias pluviais. O resultado foi a geração de milhares de

empregos, com financiamento da prefeitura. O impacto indireto foi o resgate da

balneabilidade nas praias, a dinamização do turismo, e a geração de numerosos

empregos permanentes na hotelaria, restaurantes e outros serviços, por sua vez gerando

recursos para o município. São recursos que se multiplicam.

Considerando as dimensões da subutilização da mão de obra no Brasil, inclusive com

muitos técnicos com curso superior, ficar esperando que “os mercados” resolvam não

faz o mínimo sentido, em particular considerando a penetração de novas tecnologias nos

processos produtivos. O Governo Biden está estudando o Public Employment Program,

a Índia tem programas municipais de projetos públicos intensivos em mão de obra

(National Rural Employment Guarantee Act, 2005) que garantem 100 dias de emprego

pago ao ano. Obras de saneamento básico, por exemplo, que costumam ser intensivas

em mão de obra, geram economias na área da saúde que são da ordem de 4 vezes o

custo do saneamento: são investimentos que geram emprego e multiplicam recursos.

Exemplos nacionais e internacionais não faltam, o drama do desemprego, da

informalidade e da subutilização de recursos humanos, com todo o sofrimento que

geram, pode e precisa ser transformado em produtividade: não são gastos, são

investimentos. Precisamos de políticas públicas de emprego, com as formas de

organização correspondentes, em particular iniciativas municipais, já que a mão de obra

é local. Os 5.570 municípios do país podem se transformar em canteiros de obras, com

infraestruturas, manutenção urbana, arborização, e tantas iniciativas que elevam a

produtividade sistêmica do território.


E há inúmeras oportunidades de geração de emprego ao assegurar apoio de microcrédito

e tecnologia para pequenos produtores, compras governamentais locais, garantia de

preços, melhoria das infraestruturas de transporte e comunicações, generalização do

acesso à internet e outras iniciativas que asseguram melhores condições de iniciativa

empresarial, como se viu em tantos empreendimentos na década 2003-2014, por

exemplo com o programa de microcrédito produtivo e orientado dos bancos públicos.

Trata-se de liberar capacidades produtivas e potenciais imobilizados no quadro das

absurdas políticas de “austeridade”, em que em nome da responsabilidade fiscal se

paralisou o país. 


***


Este primeiro eixo, que podemos resumir como de inclusão produtiva, segue a

orientação geral de dinamização do conjunto da economia pela base, ampliando a

demanda de bens e serviços de consumo individual, o acesso a bens e serviços de

consumo coletivo como saúde, educação e segurança, os investimentos em

infraestruturas que melhoram a produtividade geral, e aproveitando o imenso potencial

subutilizado de mão de obra. Tudo isso representa investimentos por parte do Estado,

mas ao dinamizar recursos parados, gera retorno. A demanda na base da sociedade

estimula a produção e investimentos empresariais, o acesso a bens públicos de consumo

coletivo reduz os custos pelas economias de escala e de organização, melhores

infraestruturas reduzem os custos de produção de todos os setores, enquanto o melhor

aproveitamento da mão de obra generaliza tanto o bem-estar das famílias como a

produtividade sistêmica. É um ganha-ganha, o chamado win-win. 


2) Políticas de financiamento


A política de inclusão produtiva passa pelo uso inteligente do dinheiro, o que em

economia chamamos de alocação racional de recursos. Vimos acima que o Brasil não é

um país pobre, é um país onde os recursos financeiros são desviados para atividade

improdutivas, as riquezas naturais para exportação (sem pagar impostos), os bens

públicos para grupos privados nacionais internacionais: é a grande farra corporativa que

caracteriza a política pós-2014. Repetindo, o que produzimos anualmente de bens e

serviços, o PIB, de 7,5 trilhões em 2020, para uma população de 214 milhões de

habitantes, representa cerca de 11 mil reais por mês por família de 4 pessoas. Com uma

carga tributária da ordem de 34% do PIB, o Estado dispõe de recursos suficientes para

financiar as políticas necessárias. O problema central é a profunda deformação da

incidência da carga tributária, a agiotagem generalizada no sistema de crédito, e a

política fiscal que privilegia grupos financeiros e intermediários que drenam a economia

em vez de fomentá-la. As três principais mudanças necessárias se referem à política

tributária, política de crédito e política fiscal. Ou seja, de onde vem o dinheiro, como é

intermediado, e em que é investido. 


Política tributária


A política tributária no Brasil é injusta, improdutiva e ineficiente. Os debates no

Congresso são intermináveis porque se trata de homens, brancos e ricos que organizam

a cobrança e o uso dos impostos em proveito de si mesmos. O básico é que os países

que funcionam usam os impostos para redistribuir, equilibrando melhor a sociedade. No

Brasil a tributação é utilizada para concentrar ainda mais. Precisamos de tributação

progressiva, não regressiva. A metade dos nossos tributos vem de impostos indiretos,

embutidos nos preços dos produtos que compramos. Como a massa da população gasta

quase tudo o que ganha em compras, os pobres e remediados do país pagam

proporcionalmente muito mais. Somos dos poucos países com este absurdo. O imposto

sobre a renda tem papel reduzido, quando deveria constituir uma ferramenta de redução

das desigualdades: uma alíquota máxima de 27,5% faz com que eu como professor

pague o mesmo que os ricos. Desde 1995 os lucros e dividendos distribuídos são isentos

de impostos, aprofundando as desigualdades. Todos precisamos de serviços públicos, de

políticas sociais, de infraestruturas, e os ricos que afirmam que “evasão fiscal não é

roubo” gostam de ter os seus filhos estudando em universidades públicas, de viver com

ruas asfaltadas. As obrigações devem ser equilibradas. O princípio ético, de redução das

injustiças, é fundamental.

Neste país em que a desigualdade estrutural é o principal entrave ao desenvolvimento,

devemos também pensar os impostos em termos de produtividade da própria tributação.

O ITR, Imposto Territorial Rural, praticamente não é cobrado, o que faz com que

tenhamos imensas áreas de terra parada, em mãos de quem nem a usa nem a deixa usar,

esperando apenas a valorização de longo prazo que resulta da abertura de estradas, da

pressão demográfica e de outros fatores. Cobrar imposto sobre terra parada estimula os

proprietários a trabalhá-la, ou a vendê-la a quem a trabalhe. O capital parado precisa de

impostos para que seja estimulado a voltar a produzir. Isso vale igualmente para o

imposto sobre lucros e dividendos, esse absurdo que gera um universo de aplicações

financeiras improdutivas. Vale também para a Lei Kandir, que isenta de impostos a

produção destinada à exportação. O slogan propagandístico da época, 1996, era

“exportar é o que importa”. Hoje o único setor produtivo que funciona é o de exportação

primária, gerando um neocolonialismo tecnologicamente avançado, mas desastroso para

o país: gera poucos empregos, mas muitos desastres ambientais, e descapitaliza o país

em vez de usar os recursos naturais para financiar o desenvolvimento industrial.

Generalização de fortunas financeiras improdutivas, desastres ambientais e

reprimarização da economia é o resultado do sistema. 

Uma terceira deformação do sistema tributário consiste na extrema concentração dos

recursos em Brasília, com acesso muito limitado aos recursos por parte dos governos de

Estados, e em particular dos 5.570 municípios do país. Com 87% de população urbana,

praticamente todos os municípios do país têm hoje núcleos urbanos que permitem uma

descentralização efetiva de acesso aos recursos, permitindo o uso diferenciado em

função das realidades locais. Os poderes locais numa Suécia administram cerca de 70%

dos recursos públicos, no Brasil estamos no nível da ordem de menos de 20%, com

prefeitos viajando para Brasília para buscar uma fatia de emendas parlamentares,

transformando a política em negociata permanente. É importante lembrar que o sistema

integrado informatizado permite hoje seguir os fluxos de recursos, e que os municípios

menores têm se organizado em consórcios intermunicipais que asseguram outro nível de

eficiência. O princípio geral que tem caracterizado os sistemas que funcionam, é que o

dinheiro será utilizado de maneira mais eficiente quando a decisão do seu uso é mais

próxima das comunidades interessadas. A China, segundo Kroeber, é mais

descentralizada ainda do que a Suécia: tem um governo central politicamente forte, mas

as iniciativas e a organização são locais.

A política tributária atual é simplesmente escandalosa, e paralisa o país. É injusta,

improdutiva e ineficiente. Usa-se o argumento de que fazer os ricos pagar impostos os

fará levar o dinheiro para fora. Não precisam fugir: a evasão fiscal hoje já é da ordem de

8% do PIB, e temos centenas de bilhões de dólares em paraísos fiscais. Temos é de

resgatar a política tributária no país, de forma justa e honesta. 


Política de crédito

O dinheiro que está nos bancos é nosso, da população e das empresas, não é dos bancos,

instituições que podem ser privadas mas têm de receber uma autorização do Banco

Central, uma carta patente que os autoriza a trabalhar com o dinheiro de terceiros.

Inclusive o dinheiro que financia a dívida pública é nosso dinheiro, dos nossos

impostos. O essencial é que os intermediários financeiros que administram os nossos

recursos têm de fazê-lo de maneira útil para a sociedade. No Brasil, no conjunto, o

sistema de intermediação financeira, em vez de prestar serviços de intermediação e de

promover o fomento da economia, transformou-se em um sistema de drenos financeiros,

travando o consumo das famílias, o investimento empresarial, e o investimento público

através do chamado serviço da dívida. Apresentamos os mecanismos em detalhe no

livro A Era do Capital Improdutivo, em particular no capítulo 12.


O essencial, em termos econômicos, é que intermediando dinheiro dos outros, ou

emitindo papeis e inclusive dinheiro sob forma de dívida, ganha-se mais dinheiro do

que produzindo. Quando os juros, e temos de incluir as inúmeras tarifas e

“reciprocidades” cobrados, são superiores ao rendimento que asseguram aos tomadores

de crédito, o resultado são pessoas e empresas indefinidamente endividadas, que

“rolam” a dívida sem conseguir sair do ciclo de endividamento. Um ponto de referência

simples é utilizar a média dos juros cobrados nos países da OCDE. Como vimos, e para

ter uma ordem de grandeza, os juros sobre o rotativo do cartão no Canadá são de 11%

ao ano, enquanto no Brasil são da ordem de 350% no início de 2022. A agiotagem tem

de voltar a constituir crime, como estava estipulado no artigo 192º da Constituição de

1988. E tem de ser retomada a política adotada pela presidente Dilma em 2013, que era

de utilizar os bancos públicos para oferecer crédito com juros adequados à economia,

forçando assim a ruptura do cartel dos grandes bancos privados e da agiotagem que

permite. Isso envolve também os crediários, que no Brasil geram lucros fabulosos para

grandes redes comerciais que se tornaram mais financiadores do que intermediários

comerciais.

As medidas, aqui também, são conhecidas, o Banco Central tem de voltar a ter um papel

regulador do sistema de crédito, os bancos têm de voltar a servir a sociedade cujo

dinheiro administram, e não apenas se servirem. Adotar medidas próximas da média da

OCDE não só assegura essa funcionalidade, como evita fluxos especulativos com o

mercado financeiro externo. As limitações são de ordem política, não técnica ou

financeira. Tanto acionistas nacionais como internacionais se acostumaram a drenar a

economia brasileira, gerando fortunas improdutivas em volumes espantosos, e qualquer

mexida no rentismo financeiro que se instalou nos anos 1990 gera oposição violenta

entre as elites, como se viu com a redução das taxas de juros e taxação de lucros

especulativos (carry trade) adotadas pelo governo Dilma, e que originou o golpe.

Grande parte da impunidade com a qual grupos financeiros drenam a economia resulta

da pouca compreensão dos mecanismos financeiros por parte da população, como se vê

com o absurdo da elevação da taxa Selic com o pretexto de combater a inflação,

justificação sem sentido numa inflação que não é de demanda, ou com a apresentação

de juros ao mês, quando o resto do mundo trabalha com taxas anuais. O sistema

financeiro precisa se tornar transparente, e o Banco Central tem um papel importante a

desempenhar e que precisa ser resgatado. Os meios de comunicação comerciais jogam a

culpa nos tomadores de crédito, dizendo que precisam de educação financeira, quando

não há educação financeira que resolva frente ao cartel da agiotagem. 


Alocação racional de recursos: política fiscal

O problema principal do país, em termos de financiamento, não é a falta de recursos,

mas a sua alocação que privilegia ganhos financeiros improdutivos em vez de fomentar

a economia. Como vimos, uma parte da dinâmica a ser corrigida é a política tributária,

desonerando o consumo e atividades produtivas e cobrando impostos sobre as grandes

fortunas e usos improdutivos. De forma semelhante, a política de crédito deve favorecer 

o financiamento de atividades produtivas. A política fiscal visa racionalizar o uso do

dinheiro público. No conjunto, o financiamento público deve buscar os efeitos

multiplicadores dos recursos. Como vimos acima, assegurar a renda básica gera retorno

superior ao que o governo repassa à base da sociedade. Financiar saneamento básico

gera economias ao reduzir os custos com doenças. Financiar o apoio à agricultura

familiar assegura efeitos produtivos que também multiplicam os recursos. As políticas

de seguridade social geram bem-estar e demanda na base da sociedade.

O Brasil adquiriu, através em particular da Caixa Econômica Federal e do Banco do

Brasil, mas também dos bancos públicos regionais, uma grande capacidade de gestão

produtiva de recursos financeiros. A partir de 2015, a prioridade passou a ser o aumento

do lucro dos bancos, e consequentemente dos acionistas, e não o efeito multiplicador de

atividades produtivas. Em termos gerais, em vez de apontar o déficit e propor redução

de “gastos”, em nome da “austeridade”, o governo precisa orientar os recursos para

dinamizar a base produtiva subutilizada, reduzindo o déficit através da expansão da base

produtiva. Isso envolve priorizar a inclusão produtiva que vimos acima, com renda

básica, expansão das políticas sociais e dos investimentos em infraestruturas e as

políticas de geração de emprego. 


***


O problema básico não é “de onde” vêm os recursos, que são dos impostos, e podem ser

de conversão das reservas cambiais, do endividamento ou até de emissão monetária

pública, e sim “para onde” vão: um bom investimento gera retorno e equilibra as contas.

Não há como não ver a pilhagem generalizada dos recursos públicos que gerou a

situação de se vive no país em 2022, com paralisia econômica, déficit público elevado,

inflação crescente, taxas absurdas de juros, entrega de recursos naturais, inclusive do

petróleo, tão importante para financiar o desenvolvimento. A convergência dos absurdos

de uma tributação regressiva, de agiotagem nas políticas de crédito, e de uma política

fiscal que privilegia corporações financeiras em vez do fomento da economia, gera uma

catástrofe com dimensões simultaneamente econômicas, políticas e sociais. 


3) Racionalização da gestão: o processo decisório

Temos os recursos financeiros e tecnológicos, sabemos o que deve ser feito – em nível

global trata-se de buscar uma sociedade economicamente viável, socialmente justa e

ambientalmente sustentável – e inclusive temos os detalhamentos nos 17 Objetivos de

Desenvolvimento Sustentável, 169 metas e 230 indicadores. Conhecemos os nossos

dramas, a fome, as insuficiências e desigualdade na educação, os dramas da saúde, a

destruição ambiental, o caos financeiro e tantos problemas que enfrentamos.

Sistematizar, quantificar e divulgar os nossos problemas é fundamental, mas quando

temos uma convergência de tantas dinâmicas críticas, temos de pensar não só nos

dramas, mas nos processos de gestão que os geram, ou que impedem que sejam

enfrentados. Com simplificações ideológicas absurdas como esperar que os mercados

resolvam, Estado mínimo, privatizações, e sobre tudo a priorização generalizada de

ganhos financeiros, temos uma crise do próprio processo de solução de problemas. A 

impotência institucional que assola o país tem de ser enfrentada, gerando a governança

necessária, racionalizando o processo decisório da sociedade. 


A articulação do Estado, das empresas e da sociedade civil


Os mercados sozinhos não resolvem. Onde em outra era tínhamos inúmeras empresas

que se enfrentavam no mercado para prestar serviços adequados, hoje temos gigantes

corporativos, plataformas que controlam as finanças, as comunicações, a informação e

inclusive os comportamentos privados e têm peso decisivo no parlamento, no executivo

e em grande parte no judiciário. A apropriação privada das políticas públicas constitui

um desafio central, e significa que perdemos tanto o poder regulador da livre

concorrência empresarial – que subsiste apenas em áreas da pequena e média empresa –

como os sistemas de planejamento de médio e longo prazo que tiveram e têm papel

importante tanto na União Europeia como evidentemente na China e outros países. O

mundo globalizado e financeirizado perdeu os seus dois principais mecanismos

reguladores, a concorrência empresarial e o planejamento econômico e social.

Somos sociedades demasiado complexas para sermos geridos por simplificações

ideológicas como o neoliberalismo. No estudo mencionado O Pão Nosso de Cada Dia:

opções econômicas para sair da crise, propusemos um conjunto de soluções baseadas

não no maniqueísmo ideológico, mas no acompanhamento do que funciona, em que

condições e com que formas de organização, nos mais diversos setores: produzir carros,

camisetas e tomates pode ser regulado no quadro da propriedade privada e com

mecanismos de mercado, mas as grandes infraestruturas, como transportes, energia,

comunicações e água e saneamento precisam de visão sistêmica, planejamento de longo

prazo e participação decisiva do Estado. Outra área vital da economia, que hoje se

tornou dominante, que são os serviços de intermediação como finanças, comércio de

commodities, intermediação jurídica e semelhantes – os cobradores de pedágio de

qualquer atividade econômica – precisam de sistemas de regulação e em particular de

setores estatais para reduzir a força da cartelização: hoje a economia é dominada por

intermediários que “facilitam”, mas na realidade são atravessadores. E uma quarta área

que se agigantou, a das políticas sociais, com saúde, educação, segurança e semelhantes,

onde funciona, é assegurada sob forma de políticas públicas, gratuitas e de acesso

universal.

Em outros termos, ao olharmos como e onde funcionam de forma adequada as diversas

áreas de atividade, a educação na Finlândia, as políticas urbanas na Dinamarca, o

sistema financeiro na China, na Alemanha e na Suécia, o sistema de saúde no Canadá, a

conclusão a que chegamos é que não se trata de Estado máximo ou mínimo, mas do

Estado dirigir os setores em que a visão pública e sistêmica é essencial. As empresas

produtivas podem sim se regular por mecanismos de mercado, dentro de um marco

jurídico que controle a formação de monopólios e os impactos ambientais. As grandes

redes de infraestruturas precisam de visão de longo prazo, objetivos sistêmicos e de

planejamento público, com forte participação do Estado. As plataformas de

intermediação financeira e de comunicação precisam ser confrontadas fortemente com

regulação, pois tendem naturalmente a formar monopólios de demanda. As políticas 

sociais exigem formas descentralizadas e participativas de gestão, já que se trata de

redes capilares de serviços que devem chegar a cada casa, a cada criança, a cada

comunidade. Ou seja, em vez de simplificações ideológicas, precisamos optar pelas

formas de organização e processos decisórios que melhor funcionem segundo as

diferentes áreas de atividade. Podemos chamar isso de sistemas mistos e articulados de

gestão. Não se trata de simplificações ideológicas, e sim da aplicação do bom senso.

Privatizar a Petrobrás e submeter o conjunto do país às oscilações dos mercados

internacionais, quando temos a matéria prima e a cadeia técnica completa nas nossas

mãos é compreensível pelos interesses envolvidos, mas é um desastre para o país, e uma

idiotice em termos de gestão. 


Gestão descentralizada em rede

As formas atualizadas de gestão se deslocaram tanto no setor público como no setor

privado. Grandes corporações privadas com unidades em numerosos países e em vários

setores trabalham com sistemas descentralizados, e articulados em rede, para otimizar o

processo decisório. No caso do Brasil, com o gigantismo territorial, diversidade regional

e os 5.570 municípios, o sistema centralizado atual, em que a alocação de recursos

termina ficando essencialmente em Brasília, é irracional tanto para a base da sociedade,

que não dispõe dos recursos correspondentes aos encargos, como para o governo

central, atolado em micro negociações. O estudo de Marcélio Uchôa, O que os gestores

públicos municipais precisam saber, (2019), mostra em particular a impotência dos

pequenos e médios municípios. A descentralização de recursos, acompanhada de uma

gestão em rede permitirá aos diversos níveis governamentais acompanhar em detalhe os

fluxos financeiros e as realizações, dependendo naturalmente de se assegurar a inclusão

digital generalizada, condição prévia para qualquer gestão racional de recursos, com os

devidos controles.

Para os municípios, como vimos acima relativamente à subutilização das capacidades de

gestão, é essencial a descentralização de recursos, a possibilidade de organizar finanças

de proximidade, com bancos públicos municipais (como na Alemanha, na China, na

Califórnia e em numerosos outros casos), bancos comunitários de desenvolvimento, e

evidentemente o aumento de transferências previsíveis, permitindo um planejamento

local adequado. A Constituição de 1988 é neste plano desequilibrada, com transferência

de mais encargos para os municípios, mas não dos recursos correspondentes, exigindo

um pacto federativo reformulado. É importante reiterar que o sistema em rede

informatizado permite que o conjunto dos fluxos seja acompanhado nos diversos níveis

de governo, assegurando ao mesmo tempo o controle necessário e a flexibilidade da

gestão em função da diversidade dos municípios e das regiões. Conforme mencionado

acima, o relatório de pesquisa Política Nacional de Apoio ao Desenvolvimento Local,

(2009) sistematiza em 8 setores e 89 propostas o que poderia ser uma racionalização do

processo decisório a partir da unidade básica da gestão pública que é o município.


Inclusão digital

Com o deslocamento do conjunto das atividades para a economia imaterial, a inclusão

digital de qualidade, a conectividade generalizada de todos os agentes econômicos e

sociais, e inclusive dos indivíduos, tornaram-se fundamentais. Em termos de custobenefício, 

a inclusão digital constitui a iniciativa de maior efeito multiplicador, ao

aumentar radicalmente as opções de que dispõem tanto as pessoas físicas, como as

pessoas jurídicas e os diversos níveis de administração pública. No Brasil é um recurso

amplamente subutilizado, como se constata nos relatórios do Comité Gestor da Internet

(CGI), com um quarto da população excluída, e uma parcela limitada da população com

acesso pleno de qualidade. A exclusão, ou inclusão digital apenas parcial, aprofundam a

desigualdade: como pode estudar a criança sem acesso à internet?

Ainda que seja associada a atividades econômicas de ponta, hoje a inclusão digital e o

acesso a tecnologias em geral são vitais para qualquer pequeno produtor. O pequeno

agricultor precisa de inseminação artificial, de análise de solo, de informação

meteorológica, de informação de preços, de consulta com potenciais clientes: a

conectividade rompe o isolamento, permite inclusive romper os pedágios de

atravessadores ao facilitar a venda da produção ao consumidor final. É preciso lembrar

que a rede de transportes permite articular os agentes econômicos do território, mas

envolve custos muito elevados. A conectividade em rede tem custos baixíssimos, pois

as ondas eletromagnéticas são da natureza, veículo natural de articulação de todas as

atividades. Os preços que pagamos pelo acesso não resultam dos custos, e sim dos

lucros elevados dos oligopólios que cobram pedágios sobre canais de transmissão que

são da natureza. Tal como as redes de abastecimento de água e de energia, o acesso de

alto nível e generalizado pode ser assegurado como serviço público, cobrindo

essencialmente os custos.

Iniciativas pioneiras como Piraí Digital, que assegurou a cobertura de sinal internet em

todo o território municipal, com custos baixíssimos, mostram como uma economia pode

ser dinamizada ao se liberar o acesso à comunicação, ao conhecimento, às articulações

em rede em todas as áreas de atividade. As experiências do Quênia e inúmeros outros

mostram como o contato direto entre agentes econômicos permite escapar aos custos

impostos pelos bancos e outros intermediários financeiros. Na era da economia e da

sociedade do conhecimento, o atraso que o Brasil está demonstrando na base técnica e

no processo de inclusão digital é catastrófico. A recusa do ministro Paulo Guedes, em

2021, de autorizar o financiamento de 3,5 bilhões de reais para assegurar acesso à

internet em escolas públicas mostra uma incompreensão radical das prioridades e das

dimensões científico-tecnológicas do desenvolvimento. Na realidade, com o 

conhecimento se tornando o principal fator de produção das economias modernas,

assegurar sistemas performantes de acesso para todos tornou-se essencial. 


***


É importante entender que a gestão interna das grandes corporações como os bancos, os

produtores e exportadores de bens primários (agroindústria, mineração) é hoje muito

moderna e avançada, mas simplesmente usa o país para maximizar lucros, num

ambiente descontrolado e que abdicou de qualquer soberania. Não há nenhum problema

em exportar petróleo, se os impostos cobrados e os recursos angariados servem para

financiar a industrialização e avanços científicos. A gestão pública, no entanto, está na

pré-história, o que permite precisamente que as corporações se tornem drenos das

riquezas em vez de contribuírem para o desenvolvimento. Os países que funcionam,

como vimos, asseguram um equilíbrio razoável entre Estado, empresas (e em particular

os gigantes transnacionais) e os diversos níveis de organização da sociedade civil, em

particular sindicatos e outros tipos de associações. No Brasil os dramas como a fome, a

desindustrialização, a reprimarização, o atraso científico e educacional e outras

deformações, são bastante estudados e conhecidos, mas precisamos voltar a atenção

para o processo decisório que permitiu e continua permitindo o divórcio entre os

interesses privados de curto prazo, inclusive internacionais, e os interesses da nação.

Precisamos de um choque de gestão moderna tanto na administração pública como nos

seus relacionamentos com os diversos agentes econômicos e sociais. Reinventar o

governo não seria uma expressão exagerada. 



4) As bases políticas: democratização

Não há como não se dar conta de que estamos vivendo numa democracia de faz-deconta. 

O governo das oligarquias, articuladas com interesses internos e internacionais,

que é o que tem caracterizado a nossa política, com raros intervalos, deforma o

desenvolvimento na medida em que favorece a auto-reprodução de privilégios, e

reproduz a fratura social do país. O mesmo processo favorece a erosão da soberania do

país, já que os grupos efetivamente no poder são hoje essencialmente associados com os

gigantes financeiros internacionais, os traders de comercialização de commodities, os

interesses das grandes potências por acesso a matérias primas baratas, sem consideração

para os dramas sociais, econômicos e ambientais gerados. O alinhamento com interesses

externos rompe o equilíbrio necessário entre as pressões externas e as necessidades de

longo prazo do nosso desenvolvimento. Nunca haverá soberania total neste mundo hoje

interdependente, mas se não houver um governo capaz de negociar os interesses do

Brasil, o país será simplesmente usado, como está sendo desde o golpe. A

democratização é vital para o conjunto dos nossos objetivos.


Democracia participativa

A democracia não se sustenta apenas no voto, necessita de formas democráticas de

consulta regular, acompanhamento das iniciativas, participação nas diferentes

iniciativas. Como vimos, isso envolve uma forte descentralização do processo decisório,

em particular para o nível municipal, que é onde a população conhece os problemas, os

personagens políticos, os desafios a enfrentar. Isso pode perfeitamente coexistir com

formas modernas de controle financeiro e de resultados, no quadro da gestão

descentralizada em rede que vimos acima. Não se trata de ideais, é simplesmente muito

mais eficiente cada cidade poder resolver os problemas do seu cotidiano, a formação de

um cinturão verde horti-fruti-granjeiro, políticas de emprego, melhoria de

infraestruturas e assim por diante. As escolas, colégios e faculdades podem hoje se

articular em níveis regionais para o intercâmbio científico. Isso inclusive melhora a

gestão no nível do governo central, que pode se concentrar nas questões mais amplas.

As tecnologias modernas apropriadas por gigantes corporativos geraram um sistema de

centralização de poder e de concentração de riqueza intolerável, desastroso em termos

econômicos, sociais e ambientais. A sua democratização e generalização, perfeitamente

possível em termos técnicos, e com baixos custos, pode abrir espaço para uma

reapropriação das iniciativas pela base. Na era do conhecimento, e com as tecnologias

disponíveis, a ideia de uma sociedade descentralizada e participativa se torna

simplesmente realista, como vemos em numerosos países. O exemplo do bairro da Casa

Verde, em São Paulo, em que uma plataforma colaborativa permite que as empresas,

clubes, escolas de samba e até famílias se articulem no próprio bairro em função das

suas necessidades e projetos, mostra o espaço de oportunidades que se abrem.74

Não estamos mais na pré-história em que uma minoria tinha acesso à educação e aos

conhecimentos gerais. Em toda parte, hoje, há gente escolarizada, e a conectividade

global permite interações colaborativas. É a base de um sistema democrático muito mais

participativo que precisamos assegurar, fazendo contrapeso ao sistema centralizado de

interesses das grandes corporações e das suas articulações políticas. É fundamental

entender que quando o principal fator de produção é o conhecimento, imaterial e,

portanto, passível de reprodução infinita sem custos adicionais, abrem-se imensas

oportunidades em que a colaboração é mais eficiente do que a competição. De certa

maneira é a base tecnológica da transformação política.



O resgate da dignidade humana

A desigualdade medida em termos econômicos, em particular de renda e de riqueza,

continua fundamental. Mas as suas manifestações se dão em complexas dinâmicas 

sociais, em que a desigualdade econômica se articula com a desigualdade de gênero, de

raça, de sexo, de regiões, ou até de bairros. A desigualdade tem de ser analisada e

enfrentada no plural, tal como as Nações Unidas hoje trabalham com o conceito de

pobreza multidimensional. O conceito mais amplo de resgate da dignidade humana, que

envolve desde assegurar o piso econômico para todos, até o enfrentamento das mais

variadas formas de prepotência, de humilhações que atingem a maior parte da

população, reflete melhor o impacto sistêmico das várias formas de desigualdade. As

contradições de classe continuam essenciais, mas as suas ramificações e manifestações

diferenciadas vão muito além das dimensões econômicas. Temos de organizar a política

na linha da convergência das diversas formas de combate à discriminação.

A lei de cotas adotada no Brasil foi um sucesso impressionante, em particular porque a

inclusão por meio da educação e do acesso ao conhecimento em geral tem impactos

estruturais e de longo prazo, e vai ser cada vez mais determinante, à medida em que a

dimensão do conhecimento nos processos produtivos segue se tornarndo dominante.

Vimos no caso das comunidades organizadas pelo MST como a inclusão produtiva

precisa ser acompanhada de uma mudança cultural profunda no respeito mútuo, no

sentimento de pertencer a uma construção social mais ampla. Inúmeras atividades

econômicas, como vimos com as iniciativas de economia solidária promovidas em

particular por Paul Singer, e os avanços dos sistemas cooperativos, contribuem para

gerar dinâmicas ao mesmo tempo produtivas e colaborativas, em que as dimensões

econômica, política, social e cultural se encontram e se tornam sinérgicas. 


O resgate da relação com a natureza

Até há relativamente pouco tempo, os desafios ambientais eram defendidos por

minorias informadas, mas hoje, com a dimensão das catástrofes, cada vez mais gente se

convence de que não é questão de baleias e de ursos pandas, mas da nossa

sobrevivência. É sem dúvida mais fácil mobilizar as pessoas em torno a problemas de

curto prazo, mas o cenário mudou, e muitos, em particular na nova geração, já

entenderam e se mobilizam, como constatamos nos movimentos no Chile e em muitos

outros países. Trata-se de uma mudança cultural profunda, que abre a possibilidade de

mobilizar as pessoas não só em torno aos seus desafios imediatos, mas em torno a

desafios sistêmicos e de médio e longo prazo. Estamos indo muito além dos “verdes”. É

um desafio da humanidade.

O conceito básico de uma sociedade economicamente viável, mas também socialmente

justa e ambientalmente sustentável, muito presente em nível internacional, faz parte

desta dimensão mais ampla da mobilização da sociedade. Chega de barbárie. Por um

lado, isso envolve capacidade de regulação por parte do Estado, para coibir dramas

como Mariana, queima das florestas e do cerrado, agrotóxicos em todos os alimentos e

nos rios e assim por diante. Por outro lado, envolve o imenso potencial de políticas

públicas de emprego, com saneamento básico, arborização urbana, e tantas

possibilidades, no nível dos municípios, com cofinanciamento dos Estados e da

Federação, gerando ao mesmo tempo emprego, renda e vida mais saudável na base da 

sociedade. Igualmente importante é o fato que o país aderir a políticas ambientais

coerentes é hoje de primeira importância para as relações internacionais e a abertura de

mercados. 


Uma civilização baseada no conhecimento e na colaboração


É sonhar demais com uma mudança profunda de valores, da própria cultura de

competição, de exploração, de guerra de todos contra todos? Na realidade, trata-se de

evitar o pesadelo. Hoje temos uma explosão de estudos que mostram que estamos

caminhando rapidamente para uma destruição da nossa própria civilização, tanto pelos

dramas ambientais – nós somos parte da natureza que estamos destruindo – quanto pela

desigualdade explosiva que nos torna ingovernáveis, e pela desarticulação deste

pequeno avanço que tivemos ao longo dos últimos séculos, o conceito de uma sociedade

democrática. Os desafios foram bem resumidos por David Wallace-Wells, no seu A

Terra Inabitável, e hoje temos um sem número de estudos que detalham o passo a

passo e as projeções da catástrofe em câmara lente que enfrentamos. A cultura da guerra

de todos contra todos, com as tecnologias modernas, gera uma dinâmica simplesmente

destrutiva. Não se trata de ‘destrutiva’ no sentido acadêmico, ou parlamentar, e sim de

destrutiva no sentido físico, dos nossos filhos e netos, quando não de nós mesmos na

pandemia que se espraiou pelo planeta. Temos de aprender a colaborar, e a colocar

orelhas de asnos, como já se fez com maus alunos nas escolas, nos bilionários que se

lambuzam de dinheiro e poder e geram o caos.

A diferenciação de interesses pontuais e interesses difusos ajuda muito na compreensão

dos dilemas. A maioria da população brasileira apoia sem dúvida a preservação da

Amazônia, mas são interesses difusos, fragmentados na consciência de milhões de

pessoas, enquanto os interesses individualizados das corporações que lucram com a

madeira, a soja, a carne e os minérios se articulam para comprar políticos, mudar as leis

ou promover golpes se necessário: são interesses organizados que se tornam muito mais

poderosos do que os interesses difusos da humanidade, e inclusive ampliam a sua base

de apoio com o pagamento de dividendos a tantos acionistas. Encontramos esta

dinâmica na contaminação planetária dos aquíferos, rios e mares, na ampliação da

mudança climática, na destruição da biodiversidade, na redução de centenas de milhões

de pessoas ao desespero e à fome. The business of business is business, justificava

Milton Friedman.

Hoje temos as estatísticas, mas não o poder de mudá-las. A OMS apresenta em detalhe

os 8 milhões de mortes prematuras causadas pelo cigarro, 7 milhões de fumantes e 1,2

milhão por exposição passiva. Morrem cerca de 4,2 milhões por poluição do ar, 3,6

milhões por poluição da água. Total 15,8 milhões por ano, com causas conhecidas, e

evitáveis. A obesidade, causada em grande parte por alimentos industrializados, causa

mais 5 milhões de mortes prematuras. O câncer, em boa parte causado por produtos

químicos, gera 10 milhões de mortes anuais, e hoje atinge até jovens e crianças. As 

empresas que causam essas mortes conhecem perfeitamente os números. Mas a

prioridade é obter mais lucros e dividendos para os acionistas, grandes grupos

financeiros. Todos eles assinam os princípios de ESG. Lembram quantos anos levou e

que batalha foi tirar o chumbo dos combustíveis? Ou para as empresas de tabaco

reconhecerem que sabiam da ligação do cigarro com câncer? Os que contaminam a água

com agrotóxicos são desinformados? Os que liquidam a vida nos oceanos não

conhecem os números?



***

Temos de organizar a inclusão produtiva, de assegurar as bases financeiras

correspondentes, de atualizar as formas de gestão para que as políticas funcionem, e de

ampliar as bases políticas para que essas mudanças sejam possíveis. Nesse último

ponto, somos por toda parte herdeiros de simplificações ideológicas, em particular na

economia, em que justificamos a barbárie agitando o perigo de uma barbárie ainda

maior. Eric Hobsbawm com razão escreveu que as teorias econômicas dos neoclássicos

passaram a ser defendidas como uma teologia. O essencial é que as populações, as

organizações da sociedade civil, as pequenas e médias empresas, o conjunto dos agentes

sociais, precisam ter uma presença muito mais ativa e cotidiana na gestão dos interesses

do conjunto da sociedade. Frente à força das grandes corporações mundiais, teremos

democracia participativa ou não teremos democracia. E em particular, precisamos

resgatar mais Paulo Freire, Franz Fanon e tantos indignados do planeta que buscaram

uma vida digna para todos. Não hesitaria em dizer que precisamos de um novo

humanismo, e das formas correspondentes de organização de como a sociedade decide

os seus rumos. 


REALISMO E ESPERANÇAS

Voltemos ao principal: conhecemos os dramas e os desafios, sabemos o que deve ser

feito, temos de sobra os recursos financeiros e tecnológicos necessários para assegurar a

todos uma vida digna e confortável no quadro de uma sociedade sustentável, sem

precisar impor um igualitarismo opressivo. Até quando aceitaremos as narrativas

absurdas difundidas pela mídia comercial, financiada por corporações, quando

precisamos de uma sociedade informada e de uma governança responsável? Estamos à

beira de decisões de não-retorno. No filme Não Olhe para Cima, o personagem desaba

em choro na entrevista na TV comercial, por sentimento de impotência e incompreensão

diante do que ele sabe que são fatos. George Monbiot, que não é personagem fictício,

mas um dos melhores analistas da realidade atual, colunista do The Guardian, conta que

teve uma semelhante e humilhante crise de choro em entrevista na BBC: até quando

vamos manter o faz-de-conta, até quando toleraremos um sistema que está nos

destruindo?

As vacinas contra a pandemia e suas sucessivas variantes foram desenvolvidas por

empresas privadas ou instituições públicas em diversos países, sobre a base de

conhecimentos do genoma construídos por milhares de instituições públicas e privadas,

mas a sua generalização é radicalmente travada por interesses corporativos. Privar

bilhões de pessoas do acesso vai favorecer o aparecimento de novas cepas, e vender a

vacina a preços elevados mantém o drama, ainda que gere imensas fortunas privadas. É

grave, mas apenas mais um exemplo: a deformação é sistêmica. A reversão da

destruição da camada de ozônio, conseguida por meio de colaboração internacional,

oferece um raro exemplo de choque de bom-senso planetário. Hoje precisamos construir

este bom-senso de maneira generalizada, com uma sociedade efetivamente informada, e

uma política voltada para o bem-comum, e não apenas destinada a assegurar um marco

institucional confortável para a acumulação de fortunas às custas do futuro de todos nós.

O Nosso Futuro Comum, no final dos anos 1980, já apontava os rumos. Hoje temos os

Objetivos do Desenvolvimento sustentável, muitas reuniões e comissões.

O tempo urge, e nos horizontes políticos concretos de cada país, temos de inserir com

força não só os desafios imediatos, como a visão sistêmica de uma sociedade civilizada.

No título do presente estudo, colocamos “a exploração, as narrativas e o porrete”. Pois

ao estudar a história da humanidade, sempre houve um mix desses três elementos. A

escravidão exigia menos narrativa e mais porrete, e a exploração era mais evidente.

Mesmo assim conseguiam suficientes narrativas para acalmar os eventuais problemas de

consciência. Usou-se Darwin para justificar os comportamentos mais desumanos. Hoje,

com o poder da invasão da nossa intimidade, e algoritmos que permitem adequar as

narrativas às nossas personalidades individualizadas, além da invasão incessante do

nosso espaço consciente com mensagens tanto racionais como absurdas, gerou-se um

tipo de neblina cerebral e de sentimento de impotência. As pessoas desorientadas se

agarram a simplificações.

Os rumos não são promissores. Tenho chamado isso de impotência institucional. Todos

sabemos que temos de mudar de rumos, mas muito pouco acontece. Os computadores 

das corporações que definem onde serão aplicadas imensas massas de recursos

financeiros seguem os algoritmos de maximização de retorno no mais curto prazo,

enquanto os departamentos de relações públicas lançam declarações sobre a importância

do ESG. É um universo de faz de conta. O que temos a fazer é conscientizar, batalhar

por mudanças, por um choque de bom-senso. O mais provável, no entanto, é que só com

o aprofundamento da catástrofe planetária a humanidade despertará para realmente

mudar as formas como a sociedade se administra. Foi o choque profunda da tragédia da

II Guerra Mundial que gerou a força política para criar a ONU e instituições de

regulação internacional, hoje ultrapassadas ou inoperantes. Até quando durará esta

observação passiva da catástrofe em câmara lenta? Ficar repetindo que “os mercados”

vão resolver é domínio de idiotas, e de pessoas com interesses. Frequentemente ambos.