Magazine Luiza

quinta-feira, 28 de agosto de 2014

www.wdl.org - A Biblioteca Digital Mundial




"A NOTÍCIA DO LANÇAMENTO NA INTERNET DA WDL, A BIBLIOTECA DIGITAL MUNDIAL.


Já está disponível na Internet, através do site  www.wdl.org

É uma notícia QUE NÃO SÓ VALE A PENA REENVIAR MAS SIM É UM DEVER
ÉTICO, FAZÊ-LO!

Reúne mapas, textos, fotos, gravações e filmes de todos os tempos e explica em sete idiomas as jóias e relíquias culturais de todas as bibliotecas do planeta.

Tem, sobretudo, caráter patrimonial" , antecipou em LA NACION Abdelaziz Abid, coordenador do projecto impulsionado pela UNESCO e outras 32 instituições. A BDM não oferecerá documentos correntes, a não ser "com valor de  patrimônio, que permitirão apreciar e conhecer melhor as culturas do mundo em idiomas diferentes:árabe, chinês, inglês, francês, russo, espanhol e português. Mas há documentos em linha em mais de 50 idiomas".

Entre os documentos mais antigos há alguns códices precolombianos, graças à contribuição do México, e os primeiros mapas da América, desenhados por Diego Gutiérrez para o rei de Espanha em 1562", explicou Abid.

Os tesouros incluem o Hyakumanto darani , um documento em japonês publicado no ano 764 e considerado o primeiro texto impresso da história; um relato dos azetecas que constitui a primeira menção do Menino Jesus no Novo Mundo; trabalhos de cientistas árabes desvelando o mistério da álgebra; ossos utilizados como oráculos e esteiras chinesas; a Bíblia de Gutenberg; antigas fotos latino-americanas da Biblioteca Nacional do Brasil e a célebre Bíblia do Diabo, do século XIII, da Biblioteca Nacional da Suécia.

Fácil de navegar:

Cada jóia da cultura universal aparece acompanhada de uma breve explicação do seu conteúdo e seu significado.. Os documentos foram passados por scanners e incorporados no seu idioma original, mas as explicações aparecem em sete línguas, entre elas O PORTUGUÊS. A biblioteca começa com 1200 documentos, mas foi pensada para receber um número ilimitado de textos, gravados, mapas, fotografias e ilustrações.

Como se acede ao sítio global?

Embora seja apresentado oficialmente  na sede da UNESCO, em Paris, a Biblioteca Digital Mundial já está disponível na Internet, através do sítio:

www.wdl.org

O acesso é gratuito e os usuários podem ingressar directamente pela Web , sem necessidade de se registrarem..

Permite ao internauta orientar a sua busca por épocas, zonas geográficas, tipo de documento e instituição. O sistema propõe as explicações em sete idiomas (árabe, chinês, inglês, francês, russo, espanhol e português), embora os originas existam na sua língua original.

Desse modo, é possível, por exemplo, estudar em detalhe o Evangelho de São Mateus traduzido em aleutiano pelo missionário russo Ioann Veniamiov, em 1840. Com um simples clique, podem-se passar as páginas um livro, aproximar ou afastar os textos e movê-los em todos os sentidos. A excelente definição das imagens permite uma leitura cômoda e minuciosa.

Entre as jóias que contem no momento a BDM está a Declaração de Independência dos Estados Unidos, assim como as Constituições de numerosos países; um texto japonês do século XVI considerado a primeira impressão da história; o jornal de um estudioso veneziano que acompanhou Fernão de Magalhães na sua viagem ao redor do mundo; o original das "Fábulas" de La Fontaine , o primeiro livro publicado nas Filipinas em espanhol e tagalog, a Bíblia de Gutemberg, e umas pinturas rupestres africanas que datam de 8.000 A .C.

Duas regiões do mundo estão particularmente bem representadas:

América Latina e Médio Oriente. Isso deve-se à activa participação da Biblioteca Nacional do Brasil, à biblioteca de Alexandria no Egipto e à Universidade Rei Abdulá da Arábia Saudita.

A estrutura da BDM foi decalcada do projecto de digitalização da Biblioteca do Congresso dos Estados Unidos, que começou em 1991 e atualmente contém 11 milhões de documentos em linha.

Os seus responsáveis afirmam que a BDM está sobretudo destinada a investigadores, professores e alunos. Mas a importância que reveste esse sítio vai muito além da incitação ao estudo das novas gerações que vivem num mundo audiovisual."


Missão

A Biblioteca Digital Mundial disponibiliza na Internet, gratuitamente e em formato multilíngue, importantes fontes provenientes de países e culturas de todo o mundo.
Os principais objetivos da Biblioteca Digital Mundial são:
  • Promover a compreensão internacional e intercultural;
  • Expandir o volume e a variedade de conteúdo cultural na Internet;
  • Fornecer recursos para educadores, acadêmicos e o público em geral;
  • Desenvolver capacidades em instituições parceiras, a fim de reduzir a lacuna digital dentro dos e entre os países.


Este Site

A Biblioteca Digital Mundial possibilita descobrir, estudar e desfrutar de tesouros culturais de todo o mundo em um único lugar, de diversas formas. Estes tesouros culturais incluem - mas não estão limitados a - manuscritos, mapas, livros raros, partituras, gravações, filmes, gravuras, fotografias e desenhos arquitetônicos.
Os ítens da Biblioteca Digital Mundial podem ser facilmente pesquisados por lugar, período, tema, tipo de item e instituição contribuinte, ou podem ser localizados por uma pesquisa aberta, em vários idiomas. Características especiais incluem agrupamentos geográficos interativos, cronologia, sistema avançado de visualização de imagens, além de capacidades interpretativas. Descrições relacionadas aos ítens e entrevistas com curadores sobre os ítens apresentados fornecem informações adicionais.
Ferramentas de navegação e descrições de conteúdos são fornecidas em árabe, chinês, inglês, francês, português, russo e espanhol. Muitos outros idiomas estão representados nos livros, manuscritos, mapas e fotografias reais e em outros materiais essenciais, que são fornecidos em seus idiomas originais.
A Biblioteca Digital Mundial foi desenvolvida por uma equipe da Biblioteca do Congresso dos EUA, com contribuições de instituições parceiras em muitos países, o apoio das Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO);  e o apoio financeiro de uma série de empresas e fundações privadas.

Experiência

O Bibliotecário do Congresso dos EUA,  James H. Billington, propôs a criação da Biblioteca Digital Mundial em um discurso para a Comissão Nacional dos EUA para a UNESCO em junho de 2005. A idéia básica era criar uma coleção facilmente acessível pela Internet, abrangendo as riquezas culturais do mundo que relatariam as histórias e destacariam as conquistas de todos os países e culturas, promovendo, assim, a conscientização e a compreensão multiculturais. A UNESCO acolheu a idéia como uma contribuição para o cumprimento de seus objetivos estratégicos, que incluem a promoção de sociedades de conhecimento, criação de capacidades nos países em desenvolvimento, além da promoção da diversidade cultural na Internet. O Diretor-Geral da UNESCO, Koichiro Matsuura, designou a Diretoria de Comunicação e Informação da UNESCO, liderada pelo Dr. Abdul Waheed Khan, para trabalhar com a Biblioteca do Congresso no desenvolvimento do projeto.
Em dezembro de 2006, a UNESCO e a Biblioteca do Congresso convocaram uma Reunião de Peritos para discutirem o projeto. Os peritos reunidos, vindos de todas as partes do mundo, identificaram uma série de desafios que o projeto teria que superar para ser bem sucedido. Observaram que pouco conteúdo cultural estava sendo digitalizado em muitos países e que os países em desenvolvimento, particularmente, careciam da capacidade de digitalizar e exibir seus tesouros culturais. Muitas vezes, os web sites existentes possuíam funções de pesquisa e exibição precariamente desenvolvidas. O acesso multinlíngue não estava bem desenvolvido. Muitos web sites mantidos por instituições culturais eram difíceis de utilizar e, em muitos casos, falhavam em atrair usuários, especialmente os usuários jovens.
A Reunião de Peritos levou ao estabelecimento de grupos de trabalho para desenvolver diretrizes para o projeto, bem como a uma decisão da Biblioteca do Congresso, da UNESCO e de cinco instituições parceiras - a Bibliotheca de Alexandria, a Biblioteca Nacional do Brasil, a Biblioteca e os Arquivos Nacionais do Egito, a Biblioteca Nacional da Rússia e a Biblioteca Estadual da Rússia - no sentido de desenvolver e contribuir em conteúdo para um protótipo da Biblioteca Digital Mundial a ser apresentado na Conferência Geral da UNESCO em 2007. Ôs recursos para a concepção do protótipo foram solicitados através de um processo consultivo que envolveu a UNESCO, a Federação Internacional das Associações e Instituições Biblioteconômicas  (IFLA), além de indivíduos e instituições de mais de quarenta países.
A bem sucedida inauguração do protótipo foi seguida por uma decisão tomada por várias bibliotecas no intuito de desenvolver uma versão pública e livremente acessível da Biblioteca Digital Mundial, para lançamento na UNESCO em Abril de 2009. Mais de duas dezenas de instituições forneceram conteúdo para a versão de lançamento do site.
A versão pública do site apresenta ítens digitais de alta qualidade,  refletindo o patrimônio cultural de todos os países-membros da UNESCO. A Biblioteca Digital Mundial continuará a adicionar conteúdo ao site e irá convidar novos parceiros para o projeto, o maior número possível dentre os membros da UNESCO.

Marcos cronológicos da Biblioteca Digital Mundial

  • Junho de 2005: O Bibliotecário do Congresso, James H. Billington, propõe a criação de uma Biblioteca Digital Mundial para a UNESCO.
  • Dezembro de 2006: A UNESCO e a Biblioteca do Congresso co-patrocinam uma Reunião de Peritos com as principais partes interessadas de todas as regiões do mundo. A Reunião de Peritos resulta em uma decisão de estabelecer grupos de trabalho para desenvolver normas e diretrizes para seleção de conteúdos.
  • Outubro de 2007: A Biblioteca do Congresso e cinco instituições parceiras apresentam um protótipo da futura Biblioteca Digital Mundial na Conferência Geral da UNESCO
  • Abril de 2009: A Biblioteca Digital Mundial é lançada  para o público internacional, com conteúdo sobre cada estado-membro da UNESCO.

Principais Características

A Biblioteca Digital Mundial representa uma mudança em projetos de bibliotecas digitais, do enfoque em quantidade por si só,  para qualidade; a quantidade continua a ser uma prioridade, mas não à custa das normas de qualidade estabelecidas durante a fase inicial.
A Biblioteca Digital Mundial proporciona novas experiências nas seguintes áreas, cada uma representando significativos investimentos de tempo e de esforços:
  1. Metadados consistentes: Cada item é descrito por um conjunto coerente de informações bibliográficas (ou metadados) relativos à sua abordagem geográfica, temporal e temática, entre outros requisitos. Metadados consistentes fornecem a base para um site que seja fácil e interessante de se explorar e que ajude a revelar as ligações entre os itens. Os metadados também melhoram as ferramentas externas de busca.
  2. Descrição: Entre as mais impressionantes características da Biblioteca Digital Mundial estão as descrições de cada item, respondendo as questões: "O que é este item e por que ele é importante?" Esta informação, escrita por curadores e outros especialistas, fornece um contexto essencial para os usuários e é concebida para incitar a curiosidade de estudantes e do público em geral para aprender mais sobre o patrimônio cultural de todos os países.
  3. Multilingualismo: Os metadados, a navegação e o conteúdo de suporte (por exemplo, vídeos de curadores) estão traduzidos em sete idiomas: árabe, chinês, inglês, francês, português, russo e espanhol. Esta funcionalidade prolongou o desenvolvimento do site e também complica a manutenção, mas aproxima a Biblioteca Digital Mundial da meta de tornar-se realmente universal.
  4. Desenvolvimento técnico da biblioteca digital: A equipe da Biblioteca Digital Mundial, trabalhando com as mais modernas ferramentas e tecnologias, resultou em avanços na catalogação e no desenvolvimento do Web site multilingue:
    • Foi desenvolvido um novo programa aplicativo de catalogação adequado aos requisitos dos metadados.
    • Foi utilizada uma ferramenta centralizada com uma memória de tradução, o que evita que os tradutores tenham que traduzir a mesma palavra ou frase duas vezes.
    • Foi desenvolvida uma interface que apresenta o conteúdo da Biblioteca Digital Mundial de forma atrativa para usuários não tradicionais, incentivando a exploração de fontes primárias.
    • Novas tecnologias continuam a ser desenvolvidas, melhorando o fluxo de trabalho e reduzindo o tempo decorrido entre a seleção do conteúdo e a disponibilidade no site.
  5. Rede de colaboração: A Biblioteca Digital Mundial enfatiza a abertura em todos os aspectos do projeto: acesso aos conteúdos; transferência de tecnologia para a criação de capacidades; e a participação de parceiros, interessados diretos e usuários. As redes técnicas e programáticas são vistas como vitais para a sustentabilidade e o crescimento da Biblioteca Digital Mundial.

Parceiros

Consulte uma lista atual de parceiros.
Parceiros são principalmente bibliotecas, arquivos ou outras instituições que possuem coleções de conteúdos culturais, os quais são contribuidos para a Biblioteca Digital Mundial. Os parceiros podem, também, incluir instituições, fundações e empresas privadas que contribuem para o projeto de outras formas, por exemplo, compartilhando tecnologia, convocando ou co-patrocinando reuniões de grupos de trabalho ou contribuindo financeiramente.

Centros de Digitalização

Enquanto muitos dos parceiros ou parceiros em potencial que pretendem contribuir com conteúdos para a Biblioteca Digital Mundial tenham programas de digitalização bem estabelecidos, com  equipamentos e funcionários dedicados, outros, especialmente nos países em desenvolvimento, não têm acesso a essas capacidades. Ao longo dos anos, a Biblioteca do Congresso vem trabalhando com parceiros no Brasil, Egito, Iraque e Rússia a fim de estabelecer centros de conversão digital para produzir imagens digitais de alta qualidade. Grande parte do conteúdo da Biblioteca Digital Mundial foi produzida nestes centros.
A Biblioteca Digital Mundial apoia a missão da UNESCO no desenvolvimento de capacidades nos países em desenvolvimento e pretende trabalhar com a UNESCO, os parceiros destes países e os financiadores externos para estabelecer centros de conversão digital adicionais em todo o mundo. Estes centros produzirão conteúdos não só para a Biblioteca Digital Mundial, mas também para outros projetos nacionais e internacionais.

Grupos de Trabalho da Biblioteca Digital Mundial

Os Grupos de Trabalho da Biblioteca Digital Mundial, criados depois da Reunião de Peritos de dezembro de 2006, incluem o Grupo de Trabalho de Seleção de Conteúdos e um Grupo de Trabalho Técnico Arquitetônico. Estes grupos são constituídos, inicialmente, por representantes de instituições parceiras.
A Federação Internacional de Associações e Instituições Biblioteconômicas (IFLA) e a Biblioteca do Congresso co-patrocinaram um grupo de trabalho com o intuito de desenvolver diretrizes para bibliotecas digitais, inclusive a Biblioteca Digital Mundial.
A Universidade de Ciência e Tecnologia King Abdullah, em parceria com a Biblioteca do Congresso e a UNESCO, patrocinam um Comitê Internacional de Consultoria sobre a História da Ciência Árabe e Islâmica a fim de identificar livros científicos e manuscritos importantes do mundo árabe e islâmico, além de facilitar a inclusão destes itens na Biblioteca Digital Mundial.

Perguntas Frequentemente Feitas

  1. Como você selecionou o conteúdo?O Grupo de Trabalho de Seleção de Conteúdos da Biblioteca Digital Mundial desenvolveu, inicialmente, diretrizes gerais para a seleção. Além disso, os parceiros da Biblioteca Digital Mundial trabalharam para incluir conteúdos importantes e culturalmente significativos sobre cada país-membro da UNESCO. O conteúdo está em uma variedade de formatos e idiomas, de diferentes lugares e períodos. A Biblioteca Digital Mundial concentra-se em materiais básicos importantes que incluem manuscritos, mapas, livros raros, gravações, filmes, gravuras, fotografias, desenhos arquitetônicos e outros tipos de fontes básicas. Um dos objetivos do conteúdo da Biblioteca Digital Mundial será trabalhar em estreita colaboração com o programa Memória do Mundo, da UNESCO, visando tornar as versões digitais destes acervos acessíveis ao público.
  2. Como você traduziu o conteúdo?O conteúdo não é traduzido. Os materiais básicos - livros, mapas, manuscritos, etc - aparecem em seu idioma original. O que reallmente traduzimos são os metadados (dados sobre o material), que tornarão possível pesquisar e navegar no site em sete idiomas. A equipe da Biblioteca Digital Mundial considera uma série de abordagens para a tradução, inclusive aquela auxiliada por computador, ou tradução mecânica, a tradução através de redes de voluntários (o modelo wiki) ou uma combinação destas. Estamos empenhados em oferecer traduções de alta qualidade e trabalharemos para melhorar o processo de tradução. Ao preparar-se para o lançamento inicial do site, a equipe da Biblioteca Digital Mundial utilizou uma ferramenta centralizada com memória de tradução.
  3. Quem classificou o conteúdo por lugar, tempo, assunto e  tipo de item?Trabalho deste tipo normalmente é feito por profissionais conhecidos como catalogadores, que trabalham de acordo com regras estabelecidas por qualquer um, dentre vários amplamente utilizados, sistema de catalogação nacionais e internacionais  para produzir dados bibliográficos (também conhecidos como metadados). Na medida do possível, a Biblioteca Digital Mundial contou com registros catalográficos existentes fornecidos pelas instituições parceiras, complementando estas informações conforme necessário, a fim de assegurar uma navegação adequada. Para a classificação por assunto, a WDL depende do Sistema de Classificação Decimal Dewey, que foi disponibilizado pela OCLC nos sete idiomas de interface. O Sistema de Classificação Decimal Dewey está passando por um processo de adaptação e de internacionalização, para melhorar sua capacidade de classificar o conteúdo proveniente de uma multiplicidade de países e culturas.
  4. Por que estes sete idiomas? Serão adicionados outros idiomas de interface?Árabe, chinês, inglês, francês, russo e espanhol são as línguas oficiais das Nações Unidas. O português é uma das principais línguas do mundo e as instituições do Brasil, o maior país de língua portuguesa do mundo, desempenharam um importante papel no desenvolvimento inicial da Biblioteca Digital Mundial. O acréscimo de outros idiomas está em estudos, mas não deve competir com outras prioridades mais urgentes, inclusive o aumento do volume e da diversidade de conteúdos de e sobre todos os países em todos os idiomas e o estabelecimento de capacidades digitais nos países em desenvolvimento.
  5. Como posso utilizar o conteúdo deste site? O conteúdo encontrado no web site da Biblioteca Digital Mundial é fornecido por parceiros da Biblioteca Digital Mundial. Questões relacionadas a direitos autorais sobre conteúdos de parceiros deverão ser direcionadas a esse parceiro. Ao publicar ou, de outra forma, distribuir materiais encontrados em coleções de um parceiro da Biblioteca Digital Mundial, o pesquisador tem a obrigação de determinar e satisfazer direitos autorais nacionais e internacionais ou quaisquer outras restrições de uso. Você pode encontrar mais informações sobre as leis de direitos autorais na Organização Mundial da Propriedade Intelectual dos estados-membros em http://www.wipo.int/about-ip/en/. Muitos itens da Biblioteca Digital Mundial contêm links para web sites parceiros. Os sites parceiros também estão conectados a partir página parceira da Biblioteca Digital Mundial.
  6. Como é financiado este projeto?TA Biblioteca Digital Mundial é um projeto de colaboração entre a Biblioteca do Congresso dos EUA, a UNESCO e parceiros por todo o mundo. Parceiros da Biblioteca Digital Mundial contribuem com conteúdos, bem como experiência em curadoria, catalogação, linguística e técnica. O projeto também recebeu apoio do setor privado. Mais informações sobre estas contribuições estão disponíveis nas páginas de Contribuintes Financeiros e de Agradecimentos. A Biblioteca Digital Mundial vem trabalhando no sentido de estabelecer parcerias adicionais com empresas tecnológicas e fundações privadas para apoiar o desenvolvimento deste projeto.
  7. Quem utilizará o site?Qualquer pessoa com um interesse mais amplo no mundo. Estudantes, professores, acadêmicos e o público em geral podem acessá-lo de diversas formas, mas há algo de interesse para todos.
  8. Que bibliotecas e instituições poderão participar?Qualquer biblioteca, museu, arquivo ou outra instituição cultural que tenha conteúdo histórico e cultural interessante poderá participar.
  9. Meu país está representado?Existe um conteúdo sobre cada país-membro da UNESCO no mundo. A Biblioteca Digital Mundial visa estabelecer as capacidades, especialmente nos países em desenvolvimento, a fim de permitir que as instituições de todos os países contribuam com conteúdo adicional para o projeto. Isto aumentará o volume e a diversidade cultural dos itens do site e ajudará a reduzir a lacuna digital.
  10. Como meu país (ou instituição) poderá aderir à Biblioteca Digital Mundial?Bibliotecas, arquivos, museus e outras instituições interessadas em se tornar parceiros devem entrar em contato com a equipe da Biblioteca Digital Mundial. A Biblioteca Digital Mundial trabalhará com parceiros em potencial para identificar importantes coleções para uma possível inclusão, pesquisar projetos e capacidades existentes, além de desenvolver planos de participação.
  11. Como poderei participar?A melhor forma de participar é identificar coleções importantes que representem um determinado país ou cultura e trabalhar com a equipe da Biblioteca Digital Mundial para que sejam incluídos no projeto. O ponto de partida é o conteúdo. Teremos o maior prazer em fornecer informações sobre oportunidades de voluntariado e discutir sugestões para o projeto com pessoas que entrarem em contato conosco.
  12. Como este projeto está relacionado com a Europeana?A Europeana e a Biblioteca Digital Mundial são projetos distintos. Europeana concentra-se na Europa e em coleções sobre a Europa mantidas em bibliotecas, arquivos e museus europeus. A Biblioteca Digital Mundial apresenta um enfoque mundial. As instituições que fazem parte da Europeana são bem-vindas a participar da Biblioteca Digital Mundial.
  13. Quem mantém o site da Web?O site da Biblioteca Digital Mundial é hospedado pela Biblioteca do Congresso dos EUA. Uma equipe com base na Biblioteca do Congresso mantém o site.
  14. Que mudanças estão previstas para o futuro?Estamos buscando ativamente mais instituições parceiras e contribuições de conteúdo, e trabalhando para melhorar a catalogação, a tradução e outras funções.
  15. De onde vem o conteúdo?De bibliotecas e outras instituições culturais da África, Ásia, Europa e Américas, do Norte e do Sul. Na época do lançamento público da Biblioteca Digital Mundial, em abril de 2009, havia contribuições de 26 instituições de 19 países, incluindo as principais instituições culturais (principalmente bibliotecas nacionais) dos maiores países das línguas: árabe, chinesa, inglesa, francesa, portuguesa, russa e espanhola. Uma lista atual de parceiros está disponível na página de parceiros da Biblioteca Digital Mundial.
  16. Quem estabeleceu os padrões de digitalização?Os padrões de metadados, digitalização e transferência de arquivos foram estabelecidos pela Biblioteca do Congresso e outros parceiros da Biblioteca Digital Mundial, com a contribuição de grupos de trabalho da Biblioteca Digital Mundial.
  17. Como o site será mantido e administrado no futuro?O crescimento sustentável será baseado no estabelecimento de uma rede mundial para a produção, apresentação, catalogação e tradução de conteúdos. A UNESCO e a Biblioteca do Congresso lançaram um apelo universal à participação e estão desenvolvendo uma licença multilateral. A licença da Biblioteca Digital Mundial proporcionará uma estrutura de governança, incluindo reuniões anuais de parceiros para desenvolver um modelo de sustentabilidade financeira a longo prazo e desenvolver políticas relativas à propriedade intelectual e à localização e manutenção de sites-espelho para hospedagem, entre outras questões.
  18. Como poderão as bibliotecas, instituições, organizações do setor privado e os indivíduos apoiar este projeto?Parceiros com coleções culturalmente importantes e interessantes e capacidade de digitalização são necessários para expandir e diversificar o site. Alguns parceiros precisam de equipamentos e treinamento para participar, especialmente no mundo em desenvolvimento. Contribuições significativas nas seguintes áreas ajudariam a construir a capacidade da Biblioteca Digital Mundial e assegurar seu crescimento:
    • Treinamento e equipamentos de digitalização: O desafio é desenvolver ferramentas e procedimentos para a criação e processamento de grandes volumes de conteúdo, sem comprometer a qualidade (funcionalidade, investigabilidade e experiência do usuário) do Web site.
    • Divulgação e sensibilização pública: Publicidade eletrônica e impressa são necessárias para direcionar o tráfego até o site. Mecanismos de entrega alternativos (incluindo dispositivos móveis) aumentarão a utilização, especialmente em países com baixa penetração de banda larga e/ou de Internet.
    • Assistência com catalogação e tradução: Estão sendo consideradas estratégias para envolver comunidades de voluntários (modelo wiki) para ajudarem a identificar e descrever recursos primários e para traduzir metadados.
    • Apoio Financeiro: Faz-se necessário um  financiamento plurianual substancial para o estabelecimento de centros de conversão digital,  criação e transformação de conteúdos digitais e um desenvolvimento maior da Biblioteca Digital Mundial como rede de produção.
    Entre em contato com a equipe da Biblioteca Digital Mundial se você estiver interessado em participar através destas ou de outras formas.

Associados

Os associados WDL são, principalmente, bibliotecas, arquivos ou outras instituições que possuem coleções de conteúdo cultural, as quais eles contribuem para WDL. Associados podem, também, incluir instituições, fundações e companhias privadas que contribuem para o projeto de outras formas, por exemplo, compartilhando tecnologia, convocando ou patrocinando reuniões de grupos de trabalho, ou contribuindo financeiramente.

Contribuintes Financeiros

A Biblioteca do Congresso e seus parceiros da Biblioteca Digital Mundial agradecem aos seguintes contribuintes financeiros:

$3.000.000+

Corporação Carnegie de Nova Iorque
Biblioteca Nacional do Catar, da Fundação para Educação, Ciência e Desenvolvimento Comunitário do Catar

$1.000.000-$3.000.000

Google, Inc.
Universidade de Ciência e Tecnologia King Abdullah, Arábia Saudita
Microsoft, Inc.

$500.000-$999.999

Third Century Fund da Biblioteca do Congresso (Fundo Jeffersoniano)

$250.000-$499.999

Conselho James Madison da Biblioteca do Congresso
Glenn R. Jones
Raja W. Sidawi

$50.000-$249.999

Roger S. e Julie Baskes
Consuelo Duroc-Danner
Marguerite e Gerry Lenfest
Fundação Lawrence e Mary Ann Tucker
Susan Carmel Lehrman

$25.000-49.999

Buffy M. Cafritz
William e Inger Ginsburg
Fundação Cotswold, Martha H. Morris

Apoio adicional

Fundação Bridges of Understanding
Robert H. Enslow
Nancy Hart Glanville
Fundação Legacy Works
Tom e Kaye Martin
Thomas e Jamel Perkins
Albert H. Small


Agradecimentos

A Biblioteca Digital Mundial reconhece, agradecida, o apoio de seus contribuintes financeiros, da UNESCO, das instituições parceiras que contribuíram para o conteúdo do site, da Federação Internacional das Associações e Instituições Biblioteconômicas (IFLA), da Apple, Inc., da OCLC, dos membros dos grupos de trabalho da Biblioteca Digital Mundial e dos participantes nos grupos de trabalho e nas reuniões de peritos da Biblioteca Digital Mundial.




Biblioteca Digital Mundial já está disponível na Internet

15 de julho de 2013 ·

Mapa do Brasil feito aproximadamente em 1631 por Willem Blaeu (1571-1638).
Milhares de documentos em árabe, chinês, inglês, francês, russo, espanhol e português estão à disposição do público através da Biblioteca Digital Mundial (WDL, em sua sigla em inglês), um projeto da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) em parceria com outras 32 instituições.
De acordo com Abdelaziz Abid, coordenador da iniciativa, a WDL não é uma biblioteca comum porque não tem em seu acervo publicações atuais: “nosso acervo tem valor patrimonial, para ajudar a compreender melhor as culturas do mundo.” Entre os documentos mais antigos estão alguns códigos pré-colombianos – uma contribuição do México – e os primeiros mapas da América, desenhados por Diego Gutiérrez para o rei da Espanha em 1562.
O acervo inclui o Hyakumanto Darani, um documento japonês publicado em 764 e considerado o primeiro texto impresso da história; trabalhos científicos árabes que revelam o mistério da álgebra, a Bíblia de Gutenberg e fotos antigas da América Latina provenientes da Biblioteca Nacional do Brasil.
Cada um destes itens da cultura mundial é acompanhado por uma breve explicação do seu conteúdo e significado. Os documentos foram digitalizados e incorporados no idioma original, mas as explicações aparecem em sete línguas, incluindo o português.
A biblioteca foi lançada com 1.200 documentos, mas foi projetada para receber um número ilimitado de textos, gravuras, mapas, fotografias e ilustrações.
Clique aqui para acessar a Biblioteca Digital Mundial.
O acesso é gratuito e é possível realizar buscas por períodos históricos, zonas geográficas, tipo de documento e instituição.