Magazine Luiza

quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

Previsões Tecnológicas para 2013 - O que vem por aí

O que vem por aí  
Não espere por grandes novidades tecnológicas para 2013, mas sim pela consolidação de produtos e serviços já oferecidos. Mobilidade, ultrabook, privacidade e ataques são palavras que muito se ouvirão no correr do ano


Publicação - Jornal Estado de Minas - 27/12/2012 - Caderno Inform@tica - Repórteres Silas Scalioni e Shirley Pacelli

 (VALF)
Depois que o usuário descobriu o conforto e a praticidade da mobilidade, ficou difícil imaginar um mundo sem evoluções e novidades para o segmento. Tudo começou com a plataforma móvel da Apple, adotada em massa por seus consumidores, ganhou maior impulso quando a Google introduziu no mercado o Android e, agora, com o recém-lançamento do Windows 8, tudo caminha para fazer dos dispositivos móveis aparelhos indispensáveis na vida das pessoas. Isso, inclusive, já foi levantado pelo Instituto de Pesquisas Gartner, que põe a mobilidade no topo das principais tendências de TI para o ano que vem.

O Gartner revela, por exemplo, que os celulares vão ultrapassar os PCs no mundo todo como dispositivo de acesso à web. Será cada vez mais comum profissionais utilizarem dispositivos móveis em funções que exigem mobilidade sob responsabilidade da empresa em que trabalham. E até 2015, de acordo com o instituto, a venda de tablets vai atingir cerca de 50% da de laptop, sendo que a plataforma Windows provavelmente ficará em terceiro lugar na preferência dos usuários, atrás do Android e do iOs.

Apesar de a mobilidade ser a palavra de ordem para os próximos anos, a verdade é que poucas novidades estão previstas em equipamentos para 2013. Avanços mesmo, praticamente só no que se refere aos ultrabooks, um conceito de computação pessoal criado pela Intel e que aos poucos parece dominar o mercado de PCs móveis. Quando os preços caírem, isso se tornará ainda mais real. E os ultrabooks chegarão a 2013 com muito mais modelos com tela sensível ao toque e outros na forma de conversíveis, ou seja, que podem funcionar como tablets e notebooks. Outros tipos de comando, como por voz e por gestos, também passarão a integrar tais equipamentos.

INTERNET No tecniquês das previsões de especialistas para a tecnologia em 2013 está, claro, o cloud computing, os Big Datas, os ataques DDoS e os malwares androidianos. Mas, para além desse universo, a farsa de anonimato e, consequentemente, de privacidade na rede pode ter o seu fim decretado no novo ano. O fortalecimento da inteligência coletiva se encarrega de desvendar cada vilão anônimo da rede: do internauta que praticou bullying a uma jovem que acabou se suicidando, até a golpista que sumiu com o dinheiro das clientes de um bazar on-line. Pode ser que, em 2013, a consciência dos internautas aflore e eles percebam que é possível utilizar a rede no que ela tem de melhor, que é a colaboração de cada indivíduo para criar algo novo e melhor.
 
 
Os conversíveis estão chegando 
 O ano de 2013 será da consolidação dos ultrabooks, que vão vir em modelos que podem funcionar como notebooks e tablets. Para demais dispositivos móveis, poucas novidades


Mobilidade é a palavra da moda e vai ditar as tendências em equipamentos para 2013. Mas, com exceção dos ultrabooks, que prometem apresentar coisas verdadeiramente novas, possivelmente não veremos quase nada que possa se dizer realmente inovador em equipamentos. Desde que a Intel criou e investiu nessa categoria de computadores, no ano passado, uma nova forma de ver a computação pessoal passou a inspirar fabricantes. Tanto que apenas alguns meses depois de apresentados (foi na Consummer Electronics Show, feira realizada em Las Vegas – EUA – em janeiro), mais de 140 modelos foram desenvolvidos ao redor do mundo, muitos já presentes no Brasil. É aí que vão estar as grandes inovações de 2013.

Para a Intel, a grande tendência para 2013 é a universalização das novas interfaces, em especial tecnologias de toque, reconhecimento de gestos e sensores. “Os dispositivos que contam com essas tecnologias – entre eles tablets, smartphones e ultrabooks – vão se destacar ainda mais diante de outros tipos de equipamentos e vão se tornar muito presentes na vida das pessoas”, afirma a gerente de Produto Ultrabook para a América Latina da Intel, Wanda Linguevis, ressaltando que o toque de tela, que já é realidade consolidada em smartphones e tablets, vai passar a ser quase que um recurso obrigatório nas próximas gerações de ultrabooks.

NOVA EXPERIÊNCIA Mas as novidades desses novos computadores não vão parar por aí. O ano que vem será marcado também pela presença dos chamados ultrabooks conversíveis. São modelos equipados com a terceira geração dos processadores Intel Core e que, graças à chegada ao mercado do sistema operacional Windows 8, lançado em outubro, vão, de acordo com a empresa de chips, criar uma grande evolução na experiência computacional. O próprio presidente da Microsoft Brasil, Michel Levy, afirmou em entrevista exclusiva ao Informátic@ algumas semanas atrás que uma nova geração de ultrabooks com Windows 8 iria já a partir de 2013 abrir um novo tipo de relacionamento entre o usuário e a máquina.

“Ultrabooks conversíveis são modelos que podem funcionar tanto como um notebook fino quanto como um tablet. A possibilidade de utilizar os recursos do Windows 8, com telas sensíveis ao toque, abre caminho para uma série de novas utilizações”, afirma Wanda Linguevis. “Na década de 90, a combinação Pentium com Windows 95 foi revolucionária. Agora, estamos vendo outro grande salto da computação pessoal se materializar. A experiência da tela sensivel ao toque, o alto poder computacional, os recursos de segurança e a economia de energia dos processadores de terceira geração da família Core são bases dessa revolução implementada pelo Windows 8. Essa será mesmo a grande novidade que vai se consolidar em 2013”, completa.


AINDA MAIS POTÊNCIA
Pelo jeito, a performance dos ultrabooks ainda vai ganhar novos fôlegos em 2013. Isso porque em breve eles vão receber a quarta geração da família do processador Intel Core, de 22nm. E, de acordo com os especialistas, quando isso ocorrer (inclusive com outros PCs), tais chips vão oferecer suporte para a Intel HD graphics (placas de vídeo da empresa), novas instruções para criptografia e aumento do desempenho, novas funcionalidades de segurança baseadas em hardware e processadores capazes de funcionar em estados de baixo consumo, possibilitando uma maior duração da bateria. Para estimular ainda mais a inovação para a computação móvel, segundo Wanda Linguevis, os novos chips de baixa potência da Intel baseados na microarquitetura Haswell vão ampliar os planos de mobilidade da empresa, operando inicialmente com cerca de 10 watts para habilitar designs mais finos e leves para ultrabooks, tablets e designs conversíveis com melhor desempenho e maior duração da bateria.



VITRINE
Finos, leves e potentes

Enquanto não chega a nova geração que poderá, inclusive, trabalhar tanto como notebooks quanto como tablets, conheça oito modelos de ultrabooks presentes no mercado brasileiro e que são interessantes opções para quem pretende viver uma boa experiência em computação pessoal:

Le novo Yoga
» Fabricante: Le Novo
» Sistema operacional: Windows 8
» Armazenamento: HD-128GB SSD
» Memória: 4GB
» Cor: prata
» Preço: R$ 8.999

Acer S7-391-9604
» Fabricante: Acer
» Sistema operacional: Windows 8
» Armazenamento: HD-128 GB SSD
» Memória: 4GB
» Cor: branca
» Preços: R$ 4.999 (com Corel i5) e R$ 5.499 (com Corel i7)

Acer M5-481T-6417
» Fabricante: Acer
» Sistema operacional: Windows 8
» Armazenamento: HD-500GB
» Memória: 6GB
» Cor: prata
» Preço: R$ 3.299

Samsung NP900X3D-AD1
» Fabricante: Samsung
» Sistema operacional: Windows 8 (64-bit)
» Armazenamento: HD-128 GB SSD SATA
» Memória: 4GB DDR3
» Cor: prata
» Preço: R$ 3.999

Ultrabook F3
» Fabricante: Digibrás/CCE Info
» Sistema operacional: Windows 8
» Armazenamento: HD-500GB HD + 32 SSD
» Memória: 4GB
» Cor: prata (alumínio)
» Preço: R$ 1.899

HP Envy 4-1150
» Fabricante: HP
» Sistema operacional: Windows 8 Pro
» Armazenamento: HD-500GB + SSD 32GB
» Memória: 4GB
» Cor: preta
» Preço: R$ 3.299

Sony SVT13115FBS
» Fabricante: Sony
» Sistema operacional: Windows 7 Premium
» Armazenamento: HD-320GB HDD-32GB SSD
» Memória: 4GB RAM
» Cor: prata
» Preço: R$ 2.999

T13 Touch
» Fabricante: Sony
» Sistema Operacional: Windows 8
» Armazenamento: HD 320GB HDD-32GBSSD
» Memória: 4GB RAM
» Cor: prata
» Tela: 13” touchscreen
» Preço sugerido: R$ 3.899

2013 pede mais cuidado na rede  
Vão cair de vez as farsas de anonimato e privacidade na internet. Dispositivos Android se tornarão os queridinhos dos cibercriminosos na caça aos usuários mais desatentos

 
 
Perfil Sala Maria, no Facebook, deu golpe em 40 vítimas com contas no site de relacionamento (Golpe Natal Sala Maria/Reprodução de Internet)
Perfil Sala Maria, no Facebook, deu golpe em 40 vítimas com contas no site de relacionamento
 Se, enfim, passamos pelas previsões apocalípticas maias, é hora de anunciar, para o ano que vem, o fim de duas lendas do universo digital: o anonimato e a privacidade na rede. Este ano, vários sinais desfizeram a forte ilusão, que habitava o imaginário popular, da existência desses dois elementos. Nem mesmo a Titia Shame, conhecida como detonadora master de blogueiras de moda no Brasil, passou ilesa por 2012. Em julho, um erro de sincronização das contas do Twitter e Instagram revelou a mineira Priscilla Rezende à websfera, depois de passar quase um ano no anonimato. Do alto da inteligência, cuidado e organização, própria dos grupos de hackers, um dos líderes do LulzSec – Héctor Xavier Monsegur, o Sabu – também foi descoberto. Por meio dele, outros cinco hackers caíram na rede do FBI, a polícia federal norte-americana.

Para Wanderson Castilho, especialista em crimes eletrônicos e autor do livro Manual do detetive virtual, nunca houve anonimato na rede. “As pessoas tinham essa falsa ilusão devido à pouca experiência no mundo virtual, não pela eficácia da rede em garanti-lo”, explica. Castilho acredita que os internautas começaram a tomar consciência de que nada pode ficar escondido na web, principalmente, pela maior divulgação de casos em que não só foi possível identificar como também punir o sujeito envolvido na ação. Por isso, está havendo uma emigração dos cibercriminosos: “As pessoas cometiam os crimes virtuais com os próprios mouses, agora elas podem contratar empresas idôneas para cometer o ato”, complementa. Segundo ele, há companhias que vendem pacotes de difamação por até R$ 60 mil.

O especialista acredita que a popularidade das redes sociais, além dos sites de buscas, tem ajudado a descobrir os misteriosos pela internet. Os próprios usuários fazem uma busca de informações sobre aqueles que os ofenderam. Neste Natal, houve um caso intrigante de pessoas que foram enganadas pela dona de um bazar de vendas on-line. Uma mulher abriu um perfil no Facebook, chamado Sala Maria, em que divulgava a venda de artigos, como eletrônicos, balanços, piscinas e bonecas, trazidos direto de Lisboa (Portugal). Depois de pegar o dinheiro das clientes, ela não postou as encomendas, a maioria, presentes de Natal, e deletou a página. As cerca de 40 vítimas criaram o blog Golpe Natal Sala Maria (golpenatalsalamaria.blogspot.com.br) para reunir e trocar informações sobre a golpista. Juntas, as mulheres descobriram toda uma rede de suspeitos. É a inteligência coletiva sendo executada.

TERMOS DA DISCÓRIDA Na última semana, uma insurreição surgiu contra o Instagram, após o anúncio do novo termo de uso do aplicativo. O problema? De acordo com o texto, o serviço poderia vender as fotos dos usuários para empresas de publicidade e não pagar nada por isso. Assim, além de não respeitar os limites de privacidade, desconsiderava os direitos de imagem. O burburinho foi tamanho na internet, que a empresa voltou atrás e disse que os termos foram escritos de maneira incorreta e que, na verdade, só colocaria publicidade ao redor do conteúdo, como já ocorre com o Facebook.

Antes disso, a rede de Zuckerberg, que fazia votações sobre os termos de uso dos dados recolhidos desde 2009, resolveu mudar seu método. Segundo o site, o processo era capaz de contabilizar a quantidade de votos, não a qualidade das opiniões vindas dos usuários. Agora, eles planejam implementar novos canais de interação. Resta saber se eles serão tão ineficazes quanto a antiga votação.

O Google, claro, campeão quando o assunto é recolher dados dos clientes, atualizou sua política de privacidade no início do ano. Pela primeira vez, o tema despertou discussões até no Congresso brasileiro, pois unificava os dados de todos nos mais de 60 produtos e serviços. Dessa forma, além do resultado personalizado, haveria mais informações em poder da empresa.

Para Victor Haikal, especialista em direito digital do PPP Advogados, o Google não passou a fazer nada do que já fazia antes. O problema, segundo ele, é que as pessoas assinam os termos sem dar a devida atenção. “Há uma proteção à privacidade, mas não é taxativa. Protege o direito, mas cabe a cada pessoa fazer o próprio controle. Há pessoas que colocam fotos e vídeos no Facebook e deixam o perfil aberto, por exemplo”, explica. Ele alerta que as pessoas têm o poder sobre o que postam, mas depois que está na rede quase não é mais possível.

Para ele, afirmar que não existe privacidade na web é um pouco arriscado. O que tem ocorrido, nos últimos anos, é uma maior exposição na internet. Haikal ainda lembra que a coleta de dados dos usuários por servidores de e-mail, redes sociais e outras aplicações é a moeda de troca deles. “Costumo dizer que almoço grátis não existe”, brinca. Segundo o especialista, se você não quer ser alvo, o ideal é que não contrate esses serviços, pois a invasão de privacidade não é considerada crime no Brasil, a não ser que seja violação de correspondência. “A Lei Carolina Dieckmann seria a punição mais próxima disso, mas só vale se quebrar um sistema de segurança já existente”, ressalva. Infelizmente, conceituar privacidade, para legislar sobre a invasão dela, é uma tarefa árdua. Ele lembra que o conceito se transforma ao longo do tempo, e o que valia para o século 19 pode ser desatualizado para os tempos atuais.


Os androidianos que se cuidem




Fábio Assolini justifica o maior índice de ataques à plataforma da Google devido à liberdade que oferece (Kaspersky/Divulgação)
Fábio Assolini justifica o maior índice de ataques à plataforma da Google devido à liberdade que oferece
 Se os vilões estão na berlinda com o fim do anonimato na rede,  eles ganharam mais um nicho de disseminações de vírus: os dispositivos móveis, especialmente os da plataforma Android. A Kaspersky verificou que 99% dos malwares detectados durante o ano foram criados para o sistema operacional móvel do Google, totalizando mais de 35 mil programas maliciosos – número seis vezes maior do que o do ano passado. Segundo Fábio Assolini, analista de malware da Kaspersky Lab no Brasil, existem vários motivos para o direcionamento do ataque. Entre eles está a liberdade da plataforma, que oferece diferentes marcas, aparelhos mais baratos, tornando-o líder de vendas e de mercado. “Hoje, mais de 60% dos dispositivos rodam Android”, detalha.

Com tamanha abertura em seu sistema, o usuário pode instalar softwares que sejam oferecidos fora da loja oficial. E, mesmo baixando aplicativos do Google Play, você continua vulnerável, apesar da recente instalação do Bouncer, sistema automatizado de verificação dos programas antes de fornecê-los aos clientes. Segundo uma pesquisa de uma universidade norte-americana, a tecnologia só detecta 15% dos aplicativos mal-intencionados na plataforma.

E o que, afinal, fazem esses vírus nos smartphones? Roubam seus créditos. O malware predileto dos criminosos é o que se instala no celular e dispara dois a três SMSs para os chamados números premiados. De repente, a pessoa percebe que tem menos R$ 4,99 e vai cobrar respostas da operadora, que, nesse caso, realmente não é a responsável. Outra tendência apontada pela Kaspersky são os vírus do tipo Drive by download, que se instala no dispositivo, só de a pessoa entrar no site. Depois de adquirir o código malicioso, seu celular pode ser usado para enviar spams ou torpedos com links suspeitos para os seus contatos.

Algumas dessas pragas são silenciosas, outras dão vários sinais, como consumo exagerado do plano de dados ou travamento do celular. Para se safar dos criminosos digitais, não há como fugir dos antivírus. Há diversas opções gratuitas na loja do Google (http://bit.ly/UfWFv4).

HACKTIVISMO De sites de bancos a instituições do governo, muitos portais sofreram o ataque de negação de serviço (Distributed Denial of Service- DDoS) em 2012. Muito comum fora do Brasil, esse tipo de crime ganhou força este ano no país e deverá se tornar mas efetivo em 2013. A maioria das ações são realizadas em respostas a resoluções oficiais que são rechaçadas por determinados grupos da sociedade. O maior ataque DDoS do ano: a operação #OpWeeksPayment, de autoria dos Anonymous, derrubou o acesso ao internet banking de cinco empresas, por horas. O grupo reivindicava mais transparência na rede e muitos dos computadores usados no ataque, os chamados zumbis, participaram da ação com o conhecimento dos seus proprietários. No ano que vem, cada polêmica sobre o universo virtual pode causar uma nova manifestação.


5 Tendências virtuais para o ano que vem

1) Fim da farsa do anonimato
2) Mais exposição, menos privacidade
3) Grande disseminação de vírus para aparelhos Android
4) Ataques DDoS como forma de manifesto
5) Punição mais frequente para crimes on-line

 O que mais reserva o mercado



Apesar de não apresentar nada de muito inovador, 2013 trará, entretanto, algumas novidades nos segmentos de smartphones e tablets e algumas disputas interessantes. Na briga pelo mercado de smartphones, os maiores rivais continuarão sendo Samsung e Apple. A fabricante coreana está na frente no desenvolvimento de telas de Oled (LEDs orgânicos) flexíveis, que apresentam mais densidade de pixels por polegada (imagens mais perfeitas), menor consumo de energia, são mais finas e apresentam menos chances de quebrar por serem flexíveis. Atualmente 90% de todas as telas de Oled vendidas no mundo são fabricadas pela Samsung (sim, até a tela do iPad 3 é produzida pela Samsung).

A Google está desenvolvendo em sua divisão de celulares, comprada da Motorola, um smartphone conhecido internamente pelo nome de “X Phone”, que, dando asas à imaginação, poderá ameaçar a disputa Apple x Samsung. Apesar de serem apenas indícios, possivelmente será uma boa novidade para 2013.

A tendência para o ano que vem no geral são os smartphones quad-cores (com quatro núcleos de processamento), como o LG Nexus 4. A Nokia deverá continuar perdendo a fatia de mercado com o Windows Phone 8, mesmo tendo uma queda de preços em seus aparelhos e trazendo a novidade de carregadores sem fio, principalmente pelo fato de o Android continuar dominando o mercado de sistemas operacionais móveis. O iPhone 5 está agradando aos consumidores de Apple, mas poderá dar lugar mais para o segundo semestre para uma nova versão (a Apple faz isso todo ano e não deverá ser diferente).

Se haverá grandes lançamentos em smartphones em 2013, a resposta ficará por conta das fabricantes, mas com certeza a tela Oled flexível da Samsung se consolidará como a grande evolução.

TABLETS Na área de tablets, o Android vai continuar reinando e dominando o mercado. A empresa Asus tem lançado os tablets Android de maior velocidade, como o Asus Transformer PAD, e de maiores resoluções de tela. Será um ano de mais disputas, mas para definir quem é que vai vender mais tablets equipados com o sistema operacional da Google.

Similar aos ultrabooks, a Microsoft está dando dicas que uma nova versão do tablet Microsoft Surface está vindo. Seria o Surface Pro 64 bits que, caso se comprove seu desenvolvimento, com certeza será o tablet mais poderoso e rápido do mercado, utilizando Windows 8 versão PRO. Pelas informações vazadas, ele virá ainda com uma caneta e com saída de vídeo para monitores de alta resolução (e mesmo para telas enormes). Sem dúvida, se for lançado, vai causar impacto positivo no mercado em 2013.

TVS Uma das áreas com muitos lançamentos e novidades deverá ser, como sempre, a área das Smart  TVs. Vários teclados wireless e USB serão disponibilizados, como muitos tipos de webcam para serem utilizadas na chamada sala da TV. O usuário vai ter muito mais liberdade para usar a TV, a internet, trabalhar com fotos, vídeos e comunicações. A LG está se desligando da Google TV e já surgem informações de que poderá utilizar o Open Webos (da HP) nas próximas Smart TVs. A Samsung, que já trabalha com o Google TV, também deverá lançar TVs com o ambiente Bada (sistema operacional da fabricante), que já está presente em alguns de seus smartphones. Trata-se de um ambiente mais simples e que deverá concorrer diretamente com a Apple TV (que é muito simples e sem grandes atrativos para consumidores sofisticados).



Fim da Intel, Google no poder: Dez previsões tecnológicas para 2013

  Publicação: Site IDGNow - Ashleigh Allsopp, Macworld / Reino Unido 13 de dezembro de 2012
 
 
De carros autodirigíveis a TVs conectadas à Internet, o editor da Strategic News Service revela o que ele espera para o setor de tecnologia no próximo ano
 
 
O especialista em tecnologia e editor do Strategic News Service, Mark Anderson, revelou suas dez previsões para 2013. Entre elas, o crescente domínio de dispositivos tablet, o fim da Intel, TVs conectadas à Internet, carros sem motoristas e o aumento dos e-Books.
O site de notícias - lido por líderes da indústria, incluindo Bill Gates e Steve Ballmer -, é descrito como "o canal de previsões mais preciso de computação e telecomunicações, visto por líderes mundiais da indústria."
Anderson espera que os tablets dominem o mercado global de computadores no próximo ano. "Esta categoria de dispositivos assume seu lugar de direito como o maior segmento de mercado de dispositivos de computação", escreveu.
O especialista também previu que a fabricante de chips Intel, que atualmente fornece processadores para a Apple, se tornará "gradativamente irrelevante no mundo da computação em geral".
"Dispositivos móveis e fabricantes de chips móveis - lideradas pela Qualcomm e ARM - são os novos William e Kate (príncipes ingleses)", acrescentou. Relatórios recentes sugerem que a Apple está procurando maneiras de abandonar os chips Intel em futuros Macs e substituí-los com seus próprios chips ARM, como os produzidos para iPhones e iPads.
TVs conectadasA terceira previsão da lista de Anderson é de que as televisões vão evoluir e passarão a se conectar à Internet. Há rumores de que a empresa de Cupertino está trabalhando em um empreendimento para a indústria de televisão, com um avançado set-top box ou talvez até mesmo em televisores com a marca da maçã.
O CEO da Apple, Tim Cook, disse em entrevista à NBC que essa é uma área de "grande interesse" para a empresa, porque atualmente, quando ele assiste televisão em casa, ​​sente "como se eu tivesse voltado no tempo em 20, 30 anos."
A quarta previsão de Anderson é que a briga entre o 4G LTE (Long Term Evolution) e a fibra óptica definirá o modelo de negócio de telecomunicações para a próxima década. "Os clientes que optarem pela banda larga LTE em regiões servidas por DSL (Digital Subscriber Line, ou transmissão digital de dados) pagarão mais e ganharão mais, mas aqueles que escolherem LTE em regiões servidas por fibra pagarão mais para a banda larga sem fio, mas receberão cada vez menos", escreveu.
De acordo com Anderson, o Google se tornará a próxima Apple em 2013. "O Facebook é cansativo e intrometido, a Apple não é a mesma sem o Steve, a Microsoft é a Microsoft e a Amazon é o único adversário", disse. "Os esforços do Google em e-mail, vídeo, smartphones, mapas e carros autônomos abrirão novos caminhos em longo prazo, com muito mais a ser feito."
"Com todas suas muitas falhas, a empresa provou que pode encontrar e capinar terrenos novos", ele continuou. "Em termos de criatividade, o Google se torna a próxima Apple. Agora ele deve aprender sobre suporte ao produto ou corre o risco de perder tudo para os concorrentes.
O Google atualizou nesta semana seu aplicativo de pesquisas para Android, para competir com a app Passbook do iOS 6, e adicionou funcionalidades melhoradas de pesquisa de voz para rivalizar com a Siri. Também é esperado que a Apple perca fatia de mercado para os tablets Android em 2016, de acordo com um relatório recente da IDC.
"O carro sem motorista vira um projeto sério e competitivo globalmente, com vários novos estados e países adiantando leis para permitir que ele ande normalmente, e grandes marcas desenvolvendo seriamente todas as características que um dia o levarão à aceitação comum", Anderson prevê. No início deste ano, Mickey Drexler, membro do conselho da Apple, revelou que Steve Jobs queria criar um 'iCar'.

e-books em altaTambém na lista de previsões de Anderson está a ascensão dos eBooks. "As vendas totais de livros eletrônicos, em dólar, irá bater as vendas dos livros físicos em 2013, quando suas taxas de crescimento serão superiores a 30%, enquanto os e-books continuam seu caminho em direção à dominação do mercado."
Empresas de TI podem passar por um ano difícil, diz Anderson. "O ano de 2013 parece ser mais defensivo, com exceção do segmento de segurança, sem grande adoção do Windows 8 pelas empresas e nada mais de interessante acontecendo", disse ele.
A penúltima previsão do top 10 de Anderson é a de que os esforços dos "hacktivistas" adquirirão um papel importante e permanente na transparência política, "passando do nível de mero 'aborrecimento' para se tornar uma importante parte da política internacional e da segurança em longo prazo."
Finalmente, Anderson acha que a segurança da cadeia de suprimentos (supply chain) se tornará um fator importante na aquisição de tecnologia globais. "Começando pelos produtos da Huwaei que podem representar risco à segurança, a sensação de desconforto por parte das nações que desenvolvem tecnologias cresce. E isso tem um efeito direto na fatia de mercado das fabricantes nos países que podem priorizar sua infraestrutura de segurança em vez do melhor preço", explica. "O reconhecimento de que as cadeias de fornecimento de hoje são todas virtualmente comprometidas levará a relocalizações de fábricas e a um novo conjunto de oportunidades de negócios para fabricantes de componentes que estão em sua terra natal”.




Nove previsões da indústria de tecnologia para 2013

Apostas incluem TV da Apple, iPhone mini, fusões e reestruturações de vários segmentos

ThinkStock
ThinkStock

Todo mundo gosta de previsões, e elas são divertidas de fazer e de ler. Como a maioria das pessoas nem se lembra delas depois de um ano, não há muita razão para não sacar a bola de cristal e começar a ver o futuro.
Veja a seguir as nove análises de Adnaan Ahmad, especialista em tecnologia do banco Berenberg Capital Markets, para o próximo ano. As previsões do especialista eram longas, portanto, aqui você encontrará uma versão resumida.
1. A indústria de aparelhos móveis passará por consolidação e saídas potenciais

Os ganhadores serão Samsung, Qualcomm e MediaTek, e os perdedores, ST-Ericsson, Marvell, Broadcom e Spreadtrum. “Escala é importante, dado a pesquisa e o desenvolvimento necessários para investir na próxima geração de tecnologias, integrações e processos", diz Ahmad. Ele acrescenta que as brigas por patentes entre a Samsung e a Apple estão fazendo com que as empresas repensem a fusão. A Apple deu o sinal verde para a empresa taiwanesa Semiconductor assumir a produção dos processadores. Isso deixa a Samsung "com um buraco na capacidade de produção ". Logo, a Samsung expandirá seu papel como fabricante de chips.
2. Intel vai licenciar a tecnologia Cortex da ARM
O analista vê isso como positivo para a ARM (empresa britânica de processadores), mas não tanto para a Intel, a AMD, a Qualcomm e Broadcom, a ST-Ericsson e a Nvidia. A Intel investiu muito em pesquisa para se unir ao ecossistema de processadores para tablets e smartphones. Mas Ahmad aponta que a empresa não está vendo o volume de suas vendas crescer. Na sua opinião, a Intel está perdendo a batalha de arquitetura dos processadores para a ARM e tem agora três opções: tentar alcançar a concorrente, licenciar a plataforma da ARM e competir com outras ou se tornar uma fundição.
3. A Samsung monopolizará o mercado de modems
Isso seria bom para a Samsung, mas prejudicial para a Qualcomm, Broadcm, ST-Ericsson, Via e Intel.
4. Apple lançará o MacBook Air com funcionalidade iOS
“Visto que entre 85% e 90% da receita da Apple está fixada no sistema operacional iOS, faz todo sentido implementá-lo na sua linha de MacBook”, afirma Ahmad. O analista acredita que esse momento chegará em 2013. Isso não quer dizer que o sistema OSX será abandonado, mas, como a empresa sempre prezou pela simplicidade, é provável que adote apenas uma plataforma.
5. A indústria de infraestrutura de telecomunicações passará por nova reestruturação, saídas e consolidação
Será interessante para as empresas em geral, menos para Ericsson, Huawei, Nokia-Siemens, ZTE e Alcatel-Lucent. "Os chineses podem adquirir as ações da Nokia Siemens Networks ou da Alcatel-Lucent. Os problemas são os impasses políticos e de segurança em relação aos contratos; e os investidores asiáticos aprenderam com o desastre da BenQ-Siemens. Se eles conseguirem essas ações, vão querer receber em dinheiro e pedir garantias reais do governo de que poderão reduzir drasticamente o número de funcionários”, afirma o analista.
6. Huawei assinará um acordo de distribuição com a IBM
Seria bom para a Huawei, mas não para Cisco, a Hewlett-Packard e Juniper. “A IBM trabalha com a Huawei, empresa de tecnologia da informação, desde o começo em consultoria de gestão e, mais recentemente, com promoção de projetos. O próximo passo entre as duas será um golpe para a Cisco e a Juniper”, diz Ahmad.
7. A indústria de telefonia móvel verá mais saídas, fusões, aquisições e reestruturações
A Apple e a Samsung saem como evidentes ganhadores, enquanto Research in Motion, Nokia, HTC, LG, Sony Mobile, a unidade da Motorola do Google, ZTE e empresas japonesas da área perdem. Diz Ahmad: “O futuro não é promissor já que a maioria dos investidores em telefonia móvel ao redor do mundo está perdendo dinheiro. A Apple e a Samsung representam por volta de 50% dos smartphones. Esperamos que o que está fraco enfraqueça mais.”
8. Apple lançará o iPhone mini no meio do ano
A ganhadora é a Apple, claro. Quem não gostará: Research in Motion, Nokia, HTC, LG, Google’s Motorola Mobility e Sony. "É inevitável que a Apple lance um iPhone de custo mais baixo em 2013 para aproveitar a crescente massa de compradores. Notamos que há mais de 150 milhões de assinantes na Europa em contratos pré-pagos que a Apple não aborda hoje ", afirma o especialista. "A questão que a Apple enfrenta é de crescimento. Visto que a tecnologia representa de 20% a 25% do mercado global de ações e que os smartphones da Apple são na faixa de 15% a 20%, a empresa só pode crescer mais 5% nesta categoria mercado, a menos que baixe os preços dos produtos ou desenvolva uma solução nova."
9. A Apple lançará TVs inteligentes na segunda metade de 2013
Seria muito bom para a Apple e para a ARM, mas ruim para as fabricantes de TV. Ahmad acha que a questão é como a empresa vai se diferenciar de outros fabricantes de televisores. "A Apple pode, obviamente, implementar algumas de suas características de design diferenciados para a TV, mas os mais recentes lançamentos de Samsung, LG e até mesmo Sony são muito atraentes", diz.
"Assim, a diferenciação poderia vir por meio de uma combinação de hardware, software e serviços . Ou seja, a base de assinantes do iOS é, obviamente, o mercado-alvo inicial para esse produto, mas para ganhar mais consumidores, a empresa precisa oferecer um serviço único e diferenciado."