Magazine Luiza

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

Entrevistas com Jimmy Wales, cofundador da Wikipedia.

Saber multiplicado  
Wikipedia, maior enciclopédia virtual do mundo, chega aos 11 anos com mais de 20,5 milhões de artigos e a proeza de garantir a própria existência sem publicidade. Mas comprovar confiabilidade ainda é desafio


Publicação: Estado de Minas 23/02/2012 - Caderno de Inform@tica - Repórter Cecilia Pinto Coelho


Nem Jimmy Wales, o norte-americano fundador da maior enciclopédia virtual do mundo – a Wikipedia –, imaginou o sucesso e a abrangência que ela teria hoje, 11 anos depois de criada. “À época, pensei que teríamos feito um ótimo trabalho se estivéssemos entre os 100 maiores sites do mundo, mas a Wikipedia ocupa o quinto lugar, um resultado maravilhoso”, afirmou Wales, de 46 anos, em entrevista ao Informátic@.
Mas, não é apenas esse número que impressiona. A gigante chega à pré-adolescência com mais de 20,5 milhões de artigos, disponíveis em 269 idiomas. Mundo afora, cerca de 80 mil pessoas se dedicam a colaborar, todo mês, com a produção do conhecimento humano, escrevendo artigos ou consertando os já existentes. Mensalmente, são registrados em torno de 400 milhões de acessos.
De acordo com um estudo publicado em 2010 pelo Pew Center Research, um dos mais conhecidos centros de pesquisas dos Estados Unidos, o percentual de americanos adultos que procuram a Wikipedia para obter informações aumentou de 25% (em fevereiro de 2007) para 42% (em maio de 2010).
Naquele país, o site é mais popular que os serviços de envio de mensagens instantâneas ou de avaliação de produtos, serviços e pessoas. Perde apenas para o uso de redes sociais e para a procura por vídeos no YouTube. No Brasil, ainda não há dados tão específicos, mas o fundador garante que essa fonte de informações também é “muito popular”.
As enciclopédias on-line se encaixam em um dos grandes marcos da história do acesso à informação, que é a internet. E o princípio para isso é simples. Qualquer pessoa pode acessar o portal e contribuir (ao escrever algo novo, complementar outra informação ou retirar erros). Na Wikipedia, leitor é coautor e vice-versa. Quem escreve precisa seguir alguns padrões, que visam amenizar problemas de falta de credibilidade.
No Brasil, a professora da Universidade Estadual de São Paulo (Unesp) Maria José Vicentini Jorente e o aluno Jaider Andrade Ferreira implementaram, de forma pioneira, o Wikipedia Education Program . Um dos objetivos é fazer com que alunos produzam novos verbetes para a enciclopédia e sejam avaliados no curso por isso.

Credibilidade Embora invista em programas educativos e imponha regras de publicação, a Wikipedia ainda não superou totalmente o fantasma da falta de credibilidade, que surgiu do fato de qualquer pessoa poder escrever no sistema. Especialistas e estudiosos ainda a descartam como fonte oficial para trabalhos ou estudos. Para eles, é válida somente como a primeira informação sobre um tema.
A enciclopédia, que vive por meio do trabalho voluntário e dispensa verba de publicidade, também precisou recorrer a uma campanha global durante o ano passado, para arrecadar fundos e sobreviver, o que resultou no montante de US$ 20 milhões. No último ano, Jimmy Wales se mostrou igualmente preocupado com a diminuição do número de colaboradores e lançou vídeo na internet com o objetivo de chamar as pessoas a participar e colaborar on-line. A justificativa dada para essa queda, que não foi quantificada, é a dificuldade que alguns internautas ainda têm em usar as ferramentas do site.
Por último, ainda há polêmicas em relação a alguns artigos que ficaram congelados ou tiveram de sair do sistema, como alguns a respeito dos ataques às torres gêmeas (WTC), em 11 de setembro de 2001. O site fazia referência a teorias conspiratórias (de que o WTC teria caído por conta de explosivos instalados pelos próprios americanos), mas sem explicações mais detalhadas. Não havia neles, por exemplo, menção às celebridades que apoiaram essa visão nem pesquisas que mostrassem algum fundamento.

O poder do conhecimento 
  Criador de enciclopédia virtual sonha fazer que cada pessoa a use na própria língua

Jimmy Wales, cofundador da Wikipedia e atual diretor da Wikipedia Foundation, nasceu no Alabama, Estados Unidos, em 1966. Na Randolph School, obteve os diplomas de bacharelado e mestrado em finanças. Aos 35 anos, ao assistir ao crescimento do mercado de softwares livres, teve a ideia de criar a enciclopédia virtual em 2001.
E, embora o sistema já esteja presente em cerca de 230 países e registre média de 400 milhões de acessos por mês, Wales quer mais: a meta é oferecer uma enciclopédia gratuita para cada pessoa no planeta, em todos os idiomas, o que ainda demanda muito trabalho, sobretudo na Índia, nos países do Sudeste Asiático e na África.

Como surgiu a ideia de criar a Wikipedia em 2001? Você imaginava na época que seria tão grande quanto é hoje?
Estava vendo o crescimento do movimento de softwares livres e percebi que essa forma de colaboração voluntária aberta seria muito poderosa. Tive a ideia de fazer uma enciclopédia gratuita sobre tudo e comecei a trabalhar imediatamente. Na época, tinha 35 anos. Lembro-me de olhar uma lista dos 100 sites mais acessados e pensei que faríamos um ótimo trabalho se estivéssemos entre eles ou até entre os 50 maiores. Mas hoje ocupamos o quinto lugar, o que tem sido maravilhoso.

O que você faria e com o que trabalharia se a Wikipedia não existisse?
Seria ainda um empreendedor e trabalharia com a internet. Mas não tenho ideia do que faria precisamente.

A Wikipedia comemorou em 15 de janeiro o 11º aniversário. Como você vê a retrospectiva de todos esses anos?
Tem sido uma experiência inacreditável e gratificante ver essa contribuição, que trouxe conhecimento gratuito para milhões de pessoas no mundo.

Qual é a importância de haver uma oferta tão vasta de informações? Como isso muda a vida das pessoas?
Espero que ajude as pessoas a se tornarem cidadãos mais informados. Acredito que a maior causa de conflitos desnecessários seja uma má decisão levada a cabo por políticos oportunistas, que se aproveitam da falta de informação de algumas pessoas. Conhecimento ajuda a entender o mundo e tomar melhores decisões.

Depois desses 11 anos, a Wikipedia superou a falta de confiança que surgiu pelo fato de qualquer um poder editar os textos? O que garante a credibilidade das informações? Como você lida com as críticas sobre credibilidade do sistema?
Sempre somos os mais críticos e criteriosos. O que podemos dizer é que muita gente acha a Wikipedia muito útil e nossa paixão é melhorar a qualidade constantemente, mas nunca ficamos satisfeitos. Hoje, as melhores pesquisas acadêmicas nos mostram que a Wikipedia rivaliza com a precisão das enciclopédias tradicionais. Mas, para nós, não é bom o suficiente. Precisamos ser os melhores na história do mundo em todos os aspectos.

Recentemente, você lançou um vídeo na internet no qual comentou que o número de colaboradores tem diminuído ao longo dos anos e fez um apelo para as pessoas aumentarem suas participações. Por que houve essa diminuição?
Isso é uma simplificação exagerada. A situação varia conforme os idiomas e a maturidade do projeto. Em alguns idiomas de maior abrangência, como é o caso do inglês, muito já foi feito, então as oportunidades para escrever são menores, e a necessidade de autores, também.

Como você vê a colaboração on-line no futuro? Até onde ela pode chegar, no que diz respeito a englobar o conhecimento produzido pela humanidade?
Minha visão é de oferecer uma enciclopédia gratuita para cada pessoa no planeta, no seu próprio idioma. Fizemos muito progresso em relação a esse objetivo, mas ainda há muito a ser feito.

Como você acha que uma enciclopédia pode lidar bem com eventos que estejam em curso, que ainda possam sofrer alterações? Qual a eficiência dela nesse caso?
De forma geral, a Wikipedia tem forte reputação de reagir rápida e precisamente aos novos eventos. Sempre fico impressionado, mesmo depois de todos esses anos, de ver quão bem esse processo funciona.

Os maiores competidores da Wikipedia são realmente os mecanismos de busca (como o Google), que já trazem boa parte da informação sobre um determinado tema?
Não concordo que os mecanismos de busca competem com a Wikipedia. Eles cumprem função muito diferente da Wikipedia. Quando as pessoas buscam uma informação básica, esses mecanismos encaminham o pedido para nós!

Como você vê o confronto entre o conteúdo da Wikipedia e das enciclopédias tradicionais, que são caras e feitas por editoras?
Só posso dizer o seguinte: as melhores pesquisas acadêmicas mostram que a Wikipedia é comparável com elas. Para mim, não é bom o suficiente. Quero exceder drasticamente a qualidade da enciclopédia tradicional em todos os aspectos.

A campanha para arrecadar recursos para a Wikipedia obteve U$S 20 milhões. O que será feito com esse montante?
Nosso orçamento é muito transparente e é publicado no portal da Wikipedia Foundation. O dinheiro é usado para propósitos muito variados, que vão desde a tecnologia (hardwares, programadores) até o alcance em países em desenvolvimento. Esta foi a nossa arrecadação mais rápida da história e a maior quantia recebida. Todo ano, céticos acreditam que esse tipo de campanha falhará e que seremos obrigados a colocar publicidade na enciclopédia, mas sempre mostramos a eles que isso não ocorre.

Projetos associados

A Wikipedia Foundation, cuja sede é na Flórida, nos Estados Unidos, foi criada em 2003. Ela opera vários projetos de colaboração, tais como Wikitionary, Wikipedia, Wikiversity, Wikibooks etc. Vale a observação de que a Wikileaks não faz parte dos projetos da Wikipedia Foundation. Wiki, em havaiano, significa extremamente rápido. Na web, o termo refere-se a um conjunto de documentos em hipertexto ou ao programa usado para criá-los. Na wiki, os usuários podem acrescentar, deletar e modificar o conteúdo ao navegar pelas páginas.


Grandes marcos do acesso à informação


Idade média
A informação fica restrita a poucas bibliotecas, geralmente nas mãos da Igreja Católica. O conhecimento é considerado uma forma de poder, e a instituição mais poderosa do mundo guarda esse acervo.

Fim da Idade Média e começo da Idade Moderna
Os tipos móveis de Gutemberg, inventados no fim do século 15, são responsáveis por revolucionar o modo de divulgar dados (por meio de livros impressos). Isso se dá em período próximo ao do Renascimento, no século 16, quando a América é descoberta pelos europeus e colonizada.

Os livros e os jornais popularizam-se, mas ainda circulam de forma restrita.

Idade Contemporânea
Nessa época, o acesso à informação se difunde. A Revolução Industrial mexe com o sistema produtivo e com a vida das pessoas. Muda a forma de elas comerem, se vestir e de fazer uma leitura do mundo. A Revolução volta-se para a ciência: há necessidade de conhecer mais e de produzir mais informações.

Nos séculos 18 e 19, surgem as enciclopédias, numa tentativa de sistematizar o conhecimento humano.

Século 19
Estrutura-se o sistema educacional tal como o conhecemos hoje. A escola passa a ter um papel importante, já que é reprodutora de todo o saber dos homens.

Surgem também as bibliotecas particulares das famílias burguesas. O espaço dedicado aos livros, segundo essas pessoas, é demonstração de bem viver.

Metade do século 19
Os livros se popularizam cada vez mais: é o século marcado pelo movimento romântico na literatura.

Número de pessoas com acesso a leituras e
informações cresce.

1900: último ano do século 19
A imprensa sensacionalista começa nessa época. Um jornal de Nova York trabalha nessa linha e obtém tiragem diária de 1 milhão de exemplares. É um sinal de que as pessoas estão indo mais à escola.

depois da Segunda Guerra Mundial
Nessa época, o acesso à informação explode. Quanto mais a ciência e a tecnologia se desenvolvem, mais conhecimento é produzido e difundido. É a era do rádio, da televisão e da internet.
Fonte: Antônio José Barbosa, professor de história da Universidade de Brasília (UnB)

24 horas de protesto

Em 18 de janeiro, a versão inglesa da Wikipedia – que registra 25 milhões de acessos por
dia – ficou 24 horas fora do ar em protesto contra duas leis: a de Combate à Pirataria On-line (em inglês, Stop Online Piracy Act ou Sopa) e o Ato para Proteção da Propriedade Intelectual (Protect IP Act ou Pipa, no idioma de Shakespeare), que entraram na pauta do Congresso dos Estados Unidos. Além da Wikipedia, outros milhares de sites pelo mundo, incluindo o Google (que colocou uma tarja preta em cima da marca), aderiram à campanha. Como resultado, comunicados divulgados em 20 de janeiro anunciaram o adiamento do projeto Pipa e colocaram o Sopa em espera.
Colaboração ativa  
Projeto pioneiro da Unesp acrescenta 11 verbetes à Wikipedia, o que se reflete em mais credibilidade de conteúdo. Colaborar é se manter neutro
Publicação: 23/02/2012 04:00



Não foi fácil. Mas, ao longo de 2011, a professora de ciência da informação da Universidade Estadual de São Paulo (Unesp) Maria José Vicentini Jorente e seus alunos tiveram motivos de sobra para comemorar. Implementaram, de forma pioneira no Brasil, o Wikipedia Education Program. Um dos maiores objetivos da iniciativa, presente no mundo todo, é fazer com que os estudantes escrevam e editem artigos para a enciclopédia ao longo do curso, e que sejam avaliados por isso. Depois da iniciativa da Unesp, a Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (Unirio) aderiu ao programa no Brasil.
“Existia uma crença mundial de que faltava credibilidade a essa enciclopédia virtual. A Wikimedia trouxe a Wikipedia para as academias”, explica a professora. “O nosso desejo era melhorar o português, inteirar os jovens sobre a história da cultura e fazer com que escrevessem sobre isso na plataforma digital por meio de uma escrita científica simplificada”, completa.
Em 2009, Maria José e o aluno Jaider Andrade Ferreira tomaram conhecimento do programa. No ano seguinte, montaram um projeto. Em 2011, os 60 alunos do segundo ano do curso de arquivologia e biblioteconomia do câmpus de Marília (SP) se desdobraram para acrescentar e melhorar 27 verbetes ao sistema. Desse total, 11 já foram concluídos.
Para isso, os estudantes foram divididos em 10 grupos de seis e monitorados por Jaider, que se prontificou a ocupar o papel de embaixador do projeto. “Ele tem uma função importante, mas não precisa ser aluno, pode ser um funcionário ou um aposentado. O essencial é reunir algumas qualidades, como saber informática, ter bom conhecimento de língua portuguesa, carisma e liderança”, explica o universitário.
Jaider ficou encarregado de criar as páginas de teste e ensinar os alunos a escrever na Wikipedia. “Para ocupar esse cargo, é preciso ter organização. Achei complicado ensinar a edição para muitos alunos de uma vez só. É necessário planejar muito bem antes de ensinar e dar bastante atenção à questão dos direitos autorais”, continua. “O que me motivou foi a possibilidade de aumentar conhecimento e de retribuir o que já aprendi com essa enciclopédia. Amo esse portal. O que mais gosto é a utilidade pública, a relevância que ele tem para a sociedade.”
Mas colocar em prática as ideias do Wikipedia Education Program não foi tão fácil. A tecnofobia dos jovens, a dificuldade em usar as ferramentas do sistema, a quantidade de pessoas envolvidas e as lacunas no português dos estudantes foram alguns dos obstáculos enfrentados pela professora e por Jaider.
“No Brasil, existe uma tecnofobia muito inerente à cultura. As pessoas têm medo de não conseguir escrever ali. Isso é preconcebido e, realmente, não é uma linguagem fácil”, avalia Maria José. O esforço enfrentado pelos internautas para manusear as ferramentas da Wikipedia foi citado pelo fundador Jimmy Wales, em um vídeo divulgado na internet, como um dos motivos para a queda no número de colaboradores on-line.
Outro problema apontado pela professora foi o fato de muitos jovens não verem muito objetivo em colaborar. Para ela, ainda é necessário introduzir a cultura do compartilhamento no país. “Nos Estados Unidos, as pessoas são voluntárias desde pequenas, e aqui as pessoas não veem sentido em colaborar para algo de graça”, comenta.
Para Jaider, a falta de tempo foi um dos percalços. As palestras e os cinco encontros de três horas de duração entre ele e os 60 alunos foram insuficientes para realizar o projeto em sua plenitude. Mas admite: “Foi um trabalho gratificante. Espero que outras universidades deem continuidade”. (CPC)

Manutenção criteriosa

Desde a criação dos tipos móveis de Gutemberg, no século 15, e da publicação das primeiras enciclopédias, nos séculos 18 e 19, a forma de transmitir e de apreender conhecimento evoluiu. Os grandes volumes nas estantes deram lugar a megabytes no computador. O leitor também adquiriu um novo papel: colaborar e acrescentar informações on-line.
O pesquisador do grupo de ciência, tecnologia e educação na contemporaneidade da Faculdade de Sociologia da Universidade de Brasília (UnB), Marcello Barra, conta que essa evolução trouxe alguns benefícios e mudou a dinâmica na sala de aula. “Antes, ter acesso a enciclopédias representava um custo muito elevado. Ir a uma biblioteca também requeria muito tempo. Agora, tudo é rápido e fácil”, conta. “O professor também tem que se atualizar mais, não pode falar qualquer bobagem. Precisa ter salário que lhe permita acessar todos esses dados, senão, não vai conseguir ensinar”, completa.
Há cerca de três anos, Carlos Potiara, cientista político e doutor em ciências sociais, escreve artigos para a Wikipedia. “Há muita informação, pelo menos em português, que não é aprofundada e trata de temas importantes. Para mim, colaborar é uma forma de atingir um público interessado em temas diversos”, diz. “É preciso ter uma visão mais crítica de mundo”, emenda. O doutor explica: existe uma disparidade muito grande na qualidade da informação on-line e, por isso, alguns dados servem apenas como ponto de partida para uma busca maior.
E, embora a gigante tenha ganhado fama como a enciclopédia que qualquer um pode editar, esse processo não é feito de qualquer maneira. Os observadores mundo afora ficam de olho e reeditam o material. Escrever requer vários cuidados. “É bom buscar informações em vários meios, pegar dados em livros, artigos, filmes, programas de rádio, usar essas fontes, tentar cruzar as informações e encontrar um meio-termo. Se ficar dependendo da própria internet, existe o perigo da repetição”, aconselha.
A principal guardiã do saber on-line se livra, aos poucos, do fantasma da falta de credibilidade dos artigos. Jimmy Wales, cofundador da Wikipedia, garante que a taxa de erros é equivalente à das enciclopédias tradicionais. No entanto, Potiara não indica usá-la como fonte primordial, já que o que foi escrito ali foi principalmente baseado em outros trabalhos.

Diversidade de fontes Não é apenas à Wikipedia que o internauta pode recorrer para tirar dúvidas ou aprofundar conhecimentos gratuitamente. A Citizendium, por exemplo, foi criada em 2006 por Larry Sanger, o outro cofundador da Wikipedia, em 2001. Uma das diferenças para a enciclopédia on-line pioneira é que, no projeto inicial da Citizendium, todos os colaboradores seriam claramente identificados com nomes reais e teriam especialistas que supervisionariam o trabalho.
Desde então, a biblioteca virtual – que vive por meio de doações – registrou mais de 16 mil artigos. Apenas 1% foi realmente aprovado de primeira por especialistas e não precisou passar por melhoramentos. Outra diferença para a gigante é que os artigos ainda são feitos apenas em inglês. Além disso, desde outubro de 2010, a Citizendium conta com uma estrutura bem definida, que inclui órgãos como o conselho editorial e figuras como a do ombudsman.
No Brasil, uma das enciclopédias mais antigas, a enciclopédia Barsa Universal, lançada pela primeira vez em 1964, está disponível na versão digital. Ao comprar os volumes, o cliente adquire o DVD-ROM e, todo dia 1º do mês, atualizações e novos dados estatísticos estão disponíveis. A empresa também conta com o portal Barsa Saber (www.barsasaber.com), cujo intuito é complementar a enciclopédia com conteúdos renovados semanalmente. (CPC)

Verbetes turbinados

Saiba os termos cujas definições foram concluídas pelos alunos da Universidade Estadual de São Paulo

Compartilhamento de arquivos
http://pt.wikipedia.org/wiki/Compartilhamento_de_arquivos

Comunicação ciberespacial
http://pt.wikipedia.org/wiki/Comunicação_ciberespacial

Comunicação de massa
http://pt.wikipedia.org/wiki/Comunicação_de_massa

Cultura popular
http://pt.wikipedia.org/wiki/Cultura_popular

Cultura visual
http://pt.wikipedia.org/wiki/Cultura_visual

Design de informação
http://pt.wikipedia.org/wiki/Design_de_informação

História cultural
http://pt.wikipedia.org/wiki/História_cultural

Imperialismo cultural
http://pt.wikipedia.org/wiki/Imperialismo_cultural
Eu gostaria de contribuir para a Wikipédia. O que eu devo fazer?
Primeiro, faça uma lista de tudo o que você sabe. Então, escreva um artigo para cada coisa na lista. Se, por alguma razão, isto não for prático, aqui estão outras dicas para ajudá-lo a iniciar:
  • Escolha um tópico de seu interesse. Descubra o que já foi escrito sobre esse tópico. Melhore os artigos que já foram escritos. Preencha as lacunas criando novos artigos sobre aspectos do tópico que não foram cobertos ainda.
  • Visite uma Página Aleatória. Encontre nesta página uma ligação para um artigo que ainda não foi escrito (representado por uma palavra sublinhada e de cor encarnada - vermelho -, ou seguida de um ponto de interrogação azul). Clique na palavra sublinhada (ou no ponto de interrogação), e adicione algo sobre esse tópico.
  • Escreva sobre algo que você não conhece. Use isso como uma desculpa para pesquisar um novo tópico. Enquanto você aprende sobre isso, vá escrevendo o que descobre, aqui na Wikipédia. Na realidade, isso é uma boa ajuda aos estudos, porque o força a tomar notas, a organizar a informação e a expor o que você aprendeu em suas próprias palavras.
  • Faça um projeto! Pegue num livro e escreva um sumário, capítulo por capítulo. Faça páginas para todas as personagens. Ou faça isso com o seu universo fictício favorito (por exemplo, a Guerra das Estrelas ou a Terra Média). Escolha seu ator favorito e faça resenhas de todos os seus filmes. Escolha sua cidade favorita e construa páginas para todas as suas atrações favoritas. Ou crie artigos sobre as suas bandas favoritas, seus membros e seus álbuns.
  • Encontre um grande tópico como a Segunda Guerra Mundial ou a História da China e crie uma página principal, e todas as páginas de subcategorias. Liste todos os tópicos, que devam ser cobertos para um tratamento completo. Você não precisa escrever artigos para todos esses tópicos. Mas se você construir um índice para tudo o que precisa ser escrito, algumas pessoas vão começar a escrever!
  • Você não tem que criar artigos do zero para contribuir. Edite páginas corrigindo gramática e grafia. Remova ou reescreva o que não fizer sentido. Corrija textos falsos ou incorretos. Transforme palavras em links Wiki. Encontre páginas redundantes e combine-as. Faça uma visita ao Estaleiro e descubra artigos que estão a necessitar da sua colaboração.
  • Fale da Wikipédia aos seus amigos, seus inimigos ou a estranhos na rua. Contrate aviadores para escrever "pt.wikipedia.org" no céu. Espalhe a palavra. Divulgue em seu blog ou site pessoal. Inclua o link para http://pt.wikipedia.org na sua assinatura de email. Wikipédia precisa de você tanto quanto você precisa dela!
Para informações mais básicas sobre como contribuir com a Wikipédia, veja Como começar uma página. Para conselhos mais aprofundados sobre a Wikipédia, leia o livro de estilo e as perguntas frequentes, descubra coisas a não fazer, o que a wikipedia não é e, por que não, leia a página de Ajuda, que liga a muitas outras páginas importantes.
O Mal uso da Wikipédia - Casos em 2009/2010  usuários mal intensionados enganaram muita gente alterando um verbete na wikipédia:

Estudante cria mentira na Wikipedia e engana grandes jornais

Jovem criou citação logo após a morte do compositor Maurice Jarre.
Diversas publicações reproduziram a frase, sem checar veracidade.


Divulgação G1 07/05/09 - 12h10 , com informações da Reuters

Estudante irlandês Shane Fitzgerald criou citação falsa; ele escreveu artigo em jornal sobre a experiência. (Foto: Reprodução)

 “Quando eu morrer, haverá uma valsa de despedida tocando em minha cabeça, que só eu poderei ouvir”, teria dito o compositor Maurice Jarre, segundo diversos jornais que divulgaram sua morte, no final de março. A frase, no entanto, foi inventada por um estudante irlandês que a postou na Wikipedia em inglês, com o objetivo de mostrar o perigo de não checar as informações divulgadas na internet.

Shane Fitzgerald, 22, postou a frase na enciclopédia colaborativa imediatamente depois do anúncio da morte. O estudante de sociologia da Universidade de Dublin disse que, com isso, esperava que blogs e talvez alguns jornais utilizassem a frase. No entanto, não pensou que grandes publicações confiariam na Wikipedia, sem checar a informação nela divulgada.

“Eu estava errado. Bons jornais da Inglaterra, Índia, Estados Unidos e até Austrália usaram minhas palavras quando noticiaram a morte de Jarre”, escreveu Fitzgerald em um artigo divulgado nesta quinta-feira (7), no jornal “Irish Times”. Segundo a agência de notícias Reuters, o “Guardian” caiu na história e fez uma correção em seu obituário, dizendo que a frase tinha sido criada na Wikipedia e se espalhou por outros sites.

A citação inteira dizia: “pode-se dizer que minha vida foi uma grande trilha sonora. A música foi minha vida, me trouxe à vida e com música é como quero ser lembrado depois de deixar essa vida. Quando eu morrer, haverá uma valsa de despedida tocando em minha cabeça, que só eu poderei ouvir”. A frase já não aparece mais no verbete on-line.

“Era algo totalmente inventado, que não foi dito por Maurice Jarre, nem por ninguém. Os experimentos de ciência social sempre têm questões éticas, pelo fato de as pessoas serem usadas como cobaias. Não queria manchar ou distorcer a reputação de ninguém e, por isso, decidi divulgar uma frase que não afetaria a grandiosidade de Jarre”, escreveu o estudante.

Jarre compôs trilhas sonoras de filmes que fizeram a história do cinema, como "Lawrence da Arábia" (1962), "Doutor Jivago" (1965), e "Passagem para a Índia", (1984). Ele morreu aos 84 anos de idade, em Los Angeles (Estados Unidos).

Wikipédia publica falsa notícia de morte de atriz global

Publicação Jornal Estadão 16 de junho de 2010 | 15h 02 Repórteres DANIEL GALVÃO E MÁRIO SÉRGIO LIMA - Agência Estado



Uma informação falsa que noticiava a suposta morte da atriz Drica Moraes foi publicada hoje na página da Wikipédia, enciclopédia livre na internet, provocando susto e preocupação em assessores e pessoas próximas a ela. A falsa notícia foi postada na manhã de hoje por um usuário anônimo, sem cadastro na Wikipédia, e corrigida aproximadamente 15 minutos depois por um outro colaborador, que alertou para a falsidade do relato.
Drica Moraes, que está com leucemia, foi internada ontem no Hospital Israelita Albert Einstein, no Morumbi, zona sul de São Paulo, para começar uma nova fase do tratamento contra a doença. De acordo com a assessoria da atriz, ela passa bem e não soube do incidente até a manhã de hoje.
A postagem com a falsa informação, incluída indevidamente na Wikipédia, no verbete sobre Drica Moraes, dizia, literalmente: "No dia 16 de junho a leucemia se agravou e foi internada em estado grave no hospital Albert Einstein, às 22 horas foi constatada sua morte. Muitos fãs fazem homenagens para a atriz, tanto em frente ao hospital quanto em sua casa."
Após a falsa notícia, um outro usuário do site colaborativo alterou a informação errada e escreveu, no relatório: "Dia 16 é hoje e são 10 da manhã. Como ela pode ter morrido às 22?" Um outro colaborador também questionou, em seguida: "Não há notícia de morte, fontes são fundamentais." Na Cia. dos Atores, grupo de teatro fundado por Drica Moraes e outros artistas no Rio de Janeiro, ninguém sabia do incidente na manhã de hoje.
Na Rede Globo de Televisão, emissora em que trabalha a atriz, a assessoria também demonstrou surpresa ao saber da divulgação da falsa notícia. Até as 13h30 desta tarde, a assessoria pessoal da atriz, a Rede Globo e a Cia. de Atores não informaram se tomariam providências judiciais. Até esse horário também, a assessoria da Wikipédia também não havia respondido aos telefonemas da reportagem.
Direito
Divulgação de informações falsas por portais colaborativos não são incomuns. Segundo o advogado e economista Renato Opice Blum, sócio do Opice Blum Advogados Associados e especialista em Direito Eletrônico, esses casos aumentam conforme a internet se populariza. "Infelizmente, quanto mais se usa internet, esse lado ruim aumenta, especialmente quanto à difamação", afirmou Blum, que é coordenador do curso de Master of Business Administration (MBA) em Direito Eletrônico da Escola Paulista de Direito (EPD).
De acordo com ele, no entanto, a Justiça brasileira é a "mais rápida do mundo", quando se tem o IP do autor da difamação. "Os tribunais brasileiros dão ordens judiciais em 24 horas para identificação de IP; para isso, temos de tirar o chapéu", afirmou. O advogado disse que, na Justiça do Brasil, há mais de 20 mil decisões em casos semelhantes, já transitadas em julgado. Segundo Blum, nesses casos, cabe uma ação de responsabilidade civil contra o autor da postagem, por prejuízos morais e também um processo criminal por difamação e exposição indevida a uma mentira.
Para o advogado, no episódio que envolveu o nome de Drica Moraes, a Wikipédia não pode ser responsabilizada, pois foi tomada a providência de se retirar a falsa informação cerca de 15 minutos depois, mesmo que essa ação tenha sido feita por um outro colaborador do site. "Corresponsabilidade só acontece quando se tem a ciência que alguém foi lá e fez ato ilícito e o site não tomou nenhuma atitude, o que não é o caso."

 

A Wikipedia Pode ser Considerada Confiável como Fonte de Notícias?

do site http://webholic.com.br




wikipedia logo dec08 A Wikipedia Pode ser Considerada Confiável como Fonte de Notícias?Quando se fala de Wikipedia, quase todos os professores de jornalismo imediatamente afirmam que a enciclopédia colaborativa não é confiável o suficiente para ser usada como fonte, já que pode ser editada por qualquer um a qualquer momento. Mas será que ela é menos confiável que a imensa blogosfera e outras fontes de notícias online? A discussão é bastante interessante e lembra um pouco da crítica da revista Veja a enciclopédia colaborativa que ocorreu no Brasil em 2005.
O tema ressurgiu em um painel no evento SXSW nos EUA, mais precisamente em uma palestra intitulada “Process Journalism: Getting It First, While Getting It Right”, onde a oficial de comunicações da WikiMedia Foundation, Moka Pantages, afirmou:
Eu acredito que a Wikipedia seja uma fonte boa e confiável para notícias contextuais e informações, e deve ser utilizada por todo mundo como recurso, inclusive estudantes. Minha opinião é que, assim como qualquer enciclopédia, não acho que o site deva ser citado como fonte de referência. No entanto, é um excelente ponto de partida para que os alunos iniciem sua pesquisa e comecem a entender o assunto ou tema que irão abordar.

A Luta por Conteúdo em Tempo Real

A palestra contou com jornalistas do New York Times, SeattlePI.com, Journerdism.com e do Gizmodo, todos defendendo que conteúdo criado por usuários, seja tweets, vídeos do Youtube ou outros, podem e devem ser utilizados na cobertura de furos de notícias. Todos os palestrantes concordaram que esse conteúdo deve ser verificado de alguma maneira e deve ser apresentado ao público com um elevado grau de transparência.

Salas de Imprensa Por Toda Web

A repórter do SeattlePI.com, Monica Guzman, falou também sobre a cobertura de um furo de notícia de seu site, se trata de um tiroteio e a busca do criminoso nos dias seguintes. O SeattlePI, antigamente um jornal impresso, migrou para a web tem quase um ano. A maioria dos furos do dia em questão, segundo a repórter, veio do Twitter.
“A mídia colaborou com ela mesma, e foi uma grande agitação de “repórteres” no Twitter”, disse Guzman. “Acabamos usando tweets como pontos de partida. E no final, o Twitter havia colaborado com muitas informações.”
O SeattlePI enviou repórteres para verificar pessoalmente nas ruas algumas das informações, mas como foram verificadas as outras? “Senso Comum”, respondeu a repórter.
O Seattle Times, segundo ela, contou com mais de 500 pessoas colaborando no Google Wave para reunir informações sobre a mesma história.

Wikipedia Assumiu a Cobertura dos Ataques de Terroristas em Mumbai

Então chegou a vez da repórter Moka Pantages para discutir como a comunidade da Wikipedia abordou os atentados de Mumbai em 2008. Embora algumas pessoas falem que a Wikipedia não é confiável, neste caso específico, sua cobertura deste furo superou em muito o que geralmente vemos em blogs normais e jornais tradicionais.
Um usuário em particular, Kensplanets, se destacou na cobertura, utilizando como fonte as últimas notícias da IBN.com. Em casos como este, o aspecto crowdsourcing não só permite múltiplos pontos de vista, mas também uma agregação de vários pontos de vista de diferentes idiomas e regiões.
“Não se trata somente de informações do EUA,” Pantages explicou: “Você tem o New York Times, o Reuters, Times of India, estão todos lá.”
Pantages ainda disse que até o final do primeiro dia de vida do artigo na Wikipedia, ele tinha sido editado 360 vezes, por 70 editores diferentes, com 28 fontes distintas de referência pela web. Embora isso pareça uma situação repleta de confusão e desorientação, a constante discussão que envolve a criação de um artigo, explica Pantages, é “muito semelhante ao que você acha que deveria ser uma sala de imprensa”. No entanto, continuamos a menosprezar a Wikipedia como uma fonte confiável de notícias. Hoje, o  mesmo artigo sobre os ataques em Mumbai de 2008 possui mais de 43.000 palavras com mais de 150 fontes citadas e contou com 1.245 editores.

Wikipedia Como um Agregador de Notícias

Assim como outros serviços de agregação de notícias, a Wikipedia centraliza várias fontes pela web, mas com a vantagem do controle de veracidade humano em vez de algoritmos.
“Não existem relatórios em tempo real na Wikipedia, somente agregação em tempo real,” diz Pantages.
O primeiro nível de triagem da informação já ocorreu no momento que as informações vão para o site. Então, as centenas ou milhares de editores continuam a examinar as informações, discutir as edições e as mudanças em potencial dos canais. As notícias que lemos nos jornais, por outro lado, são analisadas por um pequeno número de pessoas. Certamente, há a questão da qualificação, mas muitos dos colaboradores e editores da Wikipedia são profissionais.
Com isso, se estamos dispostos a considerar conteúdo crowdsourced (tweets, atualizações de Facebook, blogs, vídeos ou qualquer outra fonte) como fontes de informação válida para o mundo, então, uma coleção dessas fontes, cuidadosamente analisadas e com as informações mais importantes sobre o mesmo assunto, assim como encontramos na Wikipedia, seria ainda mais confiável, e não menos.
As mídias tradicionais transmitem furos de notícias incorretas o tempo todo, e mesmo assim aceitamos. Difamar a Wikipedia pelos mesmos erros significa julgar por normas desiguais. Além disso, você provavelmente nunca verá o mesmo nível de transparência na mídia tradicional sobre onde ela errou.



Antigas entrevistas do Jimmy Wales

Wikipédia faz 10 anos com muitos desafios pela frente

Marco da colaboração na internet, a enciclopédia ainda precisa equacionar seu financiamento e critério para edição de textos

Publicação: Revista Veja 17/01/2011 - 08:04-  Repórter James Della Valle
Ao ganhar a Wikipédia no dia 15 de janeiro de 2001, a internet consolidou sua posição como o grande repositório de informações no formato digital e colaborativo. Com 10 anos de idade, o site criado por Jimmy Wales e Larry Sanger chega a mais de 17 milhões de artigos em seu banco de dados, alimentado e editado por cerca de 14 milhões de usuários cadastrados, além de 410 milhões de pessoas que apenas visitam o endereço a cada mês. Números que impressionam, principalmente para um projeto sem fins lucrativos, sustentado pela Wikimedia Foundation.

Para manter toda essa estrutura, são necessários milhões de dólares. Dinheiro obtido através de doações de usuários e empresas que apoiam os ideais do site. A meta de 2010, por exemplo, foi de 16 milhões de dólares - uma média de 32 dólares a cada um dos 500.000 colaboradores. É mais do que o dobro necessário para o ano de 2009. Diante da dificuldade, Wales teve de vir outra vez a público pedir ajuda.

A presença em diversos países e culturas contribui para o volume crescente de usuários e colaboradores. O valor total de artigos está dividido entre 262 idiomas representados no site, sendo que a língua que mais contribui com conteúdo é a inglesa, com 3,5 milhões de textos. No segundo lugar no ranking, está o alemão, com 1,1 milhão de artigos. O português aparece na nona posição, com cerca de 666.000 textos.

Confira a entrevista feita com Jimmy Wales, criador da Wikipédia, feita durante sua passagem pelo Brasil em 2010:




Gerra de edição – Como um projeto aberto para a edição, a Wikipédia continuamente traz dores de cabeça a seus criadores e editores voluntários. Os episódios, conhecidos como “Guerras dos Editores”, envolviam diversos usuários interessados em determinados tópicos, mas com visões diferentes sobre os assuntos.

Em 2001, por exemplo, o artigo “Jesus Cristo” em inglês foi alvo de uma disputa quase interminável sobre o uso correto de identificadores de períodos como A.C. e D.C., enquanto que fãs dos Beatles discutiam incessantemente como a banda deveria aparecer em uma lista em ordem alfabética (utilizando-se ou não o artigo “the”, em inglês, antes do nome do grupo). Nem o fundador do próprio site escapou das batalhas. A página do usuário “Jimbo Wales” (apelido do desenvolvedor) foi alvo de uma discussão em 2002. O motivo? A cor de fundo a ser utilizada no perfil.

Credibilidade – Uma das principais preocupações dos criadores e editores do site é a credibilidade de seus artigos. Para garantir que não haja vandalismo, a Wikipédia possui diversas camadas de edição. A primeira depende de um login do usuário. Caso haja algum tipo de vandalismo, sua conta pode ser banida e o artigo, “trancado”, para que seja ajustado de acordo com os padrões do projeto. Artigos polêmicos, geralmente ligados à religião, política e cultura, só recebem contribuições de indivíduos específicos, previamente autorizados. Isso provoca a ira de muitos participantes.

Essas restrições podem ir contra o conceito básico de colaboração aberta, defendido pela Wikipédia, mas parecem necessárias, já que, vale lembrar, 410 milhões de pessoas visitam o site mensalmente, procurando informações confiáveis para a confecção de pesquisas, relatórios e até trabalhos escolares. Hoje, a exatidão dos dados publicados na enciclopédia virtual a coloca em posição de rivalidade com a tradicional Britannica. O feito exigiu dez anos de aprimoramento e ainda parece estar longe da perfeição.


"A Wikipédia não é mágica, é trabalho duro", diz fundador

Publicação: Jornal Folha de São paulo -19/06/2010 - 08h51  Repórter: AMANDA DEMETRIO
Na calçada da fama dos ícones da tecnologia, Jimmy Wales tem seu lugar garantido ao lado de personalidades como Bill Gates.
Ele ajudou a fundar a Wikipédia, a enciclopédia gratuita que se baseia na colaboração dos usuários, logo no início dos anos 2000. Tempos em que não existiam sites como o YouTube, o Facebook ou o Twitter. Wales falou nesta quinta-feira (17) no Info@Trends, evento em São Paulo, sobre o poder do conteúdo gerado e moderado pelo usuário.
À Folha, ele falou sobre a fundação da Wikipédia, as falhas e qualidades do site e a série de polêmicas que cerca a enciclopédia colaborativa -da pornografia às tentativas de uso político da ferramenta. Veja trechos da entrevista concedida por e-mail.
*
Folha - Como foi a criação da Wikipédia? Quais fatores do mercado mostraram que vocês estavam na direção certa?
Jimmy Wales - A Wikipédia foi o produto de um projeto anterior, chamado Nupedia, que foi um fracasso. A Nupedia era um projeto baseado em controle e comando, o que não era divertido para os voluntários. Quando eu instalei o software wiki e foi lançada a Wikipédia, nós tivemos mais trabalho feito em duas semanas do que havíamos tido em quase dois anos, no sistema antigo. Naquele momento, eu soube que estávamos lidando com algo grande.
O que mudou no perfil de quem colabora com o site desde a fundação?
Bem pouco! Os colaboradores da Wikipédia geralmente são bem inteligentes, pessoas do tipo geek, com uma paixão por compartilhar seu conhecimento com os outros.
Como você lida com os problemas de conteúdo de cunho sexual ou pornográfico na Wikipédia?
É um assunto bem complexo. De um lado, queremos fornecer informação séria e responsável sobre a sexualidade humana -isso é uma abordagem perfeitamente legítima e educacional. De outro, não queremos nos tornar um lugar no qual as pessoas postam pornografia casualmente. Essa é a parte fácil. A dificuldade está em encontrar um meio-termo, em trabalhar para termos o cunho educacional sem ser banal, especialmente quando nós estamos falando com pessoas de todo o mundo. Existem os lugares que são extremamente liberais sobre sexualidade, como os Estados Unidos e a Europa, e os que são bem conservadores, como a Índia e a China.
Qual sua posição sobre as tentativas de uso político do conteúdo publicado na Wikipédia? Acha certo intervir?
A Wikipédia se esforça para ser neutra. Nós temos uma cultura muito forte de só querer publicar o que é básico e largamente consensual sobre os fatos. E é certo nós intervirmos contra qualquer pessoa que esteja tentando usar a Wikipédia para outro propósito.

flickr.com/photos/wikimania2009/Reprodução
Jimmy Wales, fundador da Wikipédia, no evento Wikimania, em 2009
Jimmy Wales, fundador da Wikipédia, no evento Wikimania, em 2009
Qual é a principal falha da Wikipédia atualmente e como você pretende combatê-la?
Nesse momento, achamos que a usabilidade do software é a principal falha. Algumas vezes, editar a Wikipédia é mais difícil do que deveria ser, por razões técnicas. Queremos que isso se torne tão fácil quanto usar um programa que faz o processamento de palavras. Estamos investindo bastante em tecnologia para fazer isso acontecer.
Qual a principal qualidade da Wikipédia atualmente?
Para mim, a principal qualidade é a paixão da comunidade de querer tornar os fatos corretos. A Wikipédia não é mágica, é resultado de um trabalho duro. Trabalho duro feito por pessoas que realmente se importam em deixar as coisas certas. Sem isso, não há esperança.
A Wikipédia considera serviços como o Yahoo! Respostas concorrentes? Como vocês lidam com isso?
Não, nós nunca pensamos em termos de concorrência. Nós somos uma comunidade fazendo algo que amamos. Eu espero que as pessoas que estão respondendo às perguntas do Yahoo! Respostas estejam se divertindo. Acreditamos que estamos fazendo algo mais importante.
O que pode dizer sobre a nossa Wikipédia em língua portuguesa?
Eu estive várias vezes no Brasil e conheço pessoas da Wikipédia em português. O português sempre foi uma das nossas línguas mais fortes, com muita participação do Brasil. Eu acho que sempre houve uma competição saudável entre a Wikipédia em português e a Wikipédia em espanhol.
Você é uma personalidade do mundo da tecnologia e tem influência sobre as pessoas. Quem você enxerga como concorrente na condição de formador de opinião?
De novo, eu não penso em termos de competição. Não estou tentando acabar com ninguém. Estou apenas tentando fazer algo em que eu acredito e fazer isso bem.
SAIBA MAIS SOBRE JIMMY WALES
NASCEU em agosto de 1966 no Alabama, nos EUA.
ESTUDOU finanças, área em que é bacharel e mestre; deu aulas nas universidades do Alabama e de Indiana.
FUNDOU o portal Bomis em 1996; o serviço funcionava como ferramenta de pesquisa e, por um tempo, vendeu imagens eróticas, mas não deu grandes lucros.
CONVIDOU Larry Sanger, no ano 2000, para participar do seu projeto, uma enciclopédia on-line gratuita que trazia textos de especialistas, a Nupedia.
LANÇOU com Sanger, em 2001, a Wikipédia, um subproduto da Nupedia. Em 2003, Wales criou a Fundação Wikimedia.
CASOU duas vezes e tem uma filha.
ENTROU na lista da revista "Time" das cem pessoas mais influentes no mundo em 2006.